quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

“Esquecimento” mostra lado passional de Pep Guardiola


Enfrentando uma das temporadas mais disputadas de sua carreira excepcional como treinador, Pep Guardiola mostrou na última semana que jamais esqueceu as suas origens. O comandante do Manchester City declarou que, para ele, Barcelona, Juventus e Bayern de Munique são os maiores clubes da década. No entanto, o catalão “esqueceu” de mencionar o Real Madrid, time eleito pela Fifa o maior do Século XX e que construiu praticamente um império nas últimas edições da Liga dos Campeões da Europa.
"Esquecer" o Real Madrid mostra o lado passional do maior técnico de futebol da atualidade (Nigel Roddis/EFE)
Para Pep Guardiola, os melhores clubes da década são os que conseguiram construir grandes hegemonias nas ligas nacionais. Por isso, coloca dois times em que ele mesmo comandou, o Barça (melhor momento) e o Bayern de Munique, onde foi muito constante. Por fim, coloca a Velha Senhora, que vem dominando a Serie A há 7 anos.

"Quem são as melhores equipes da última década? Juventus, Bayern e Barcelona. São as três melhores. Por que? Porque vencem sua liga a cada temporada, ou conquistam uma copa, a cada temporada estão ali", afirmou Guardiola.

Contudo, esquecer o Real Madrid mostra que Pep mantém a rivalidade com o clube da capital espanhola. Isso porque os Madridistas não só foram campeões durante a década, como dominaram a maior liga de futebol do planeta. Só nas últimas cinco temporadas, o Madrid faturou quatro vezes a Liga dos Campeões. E para melhorar a marca, o time, que foi comandado por Zinedine Zidane, venceu três edições seguidas, algo que Guardiola ainda não conseguiu.

Último título de Champions de Guardiola foi
 em 2011, pelo Barcelona (Arquivo)
Por sinal, desde que deixou o Barcelona, Pep Guardiola jamais voltou a vencer a Liga dos Campeões, nem sequer voltou a disputar uma finalíssima da competição.

E uma prova cabal de que, apesar de ser um fanático declarado por vencer as ligas nacionais, Pep Guardiola também possui um desejo para vencer a Liga dos Campeões, mesmo não conseguindo há oito anos. Na obra “Guardiola Confidencial”, do jornalista Martí Perarnau, que narra o primeiro ano da passagem do treinador pelo Bayern de Munique, o próprio espanhol deixa escapar que muito valoriza a competição e reconhece a dificuldade em conquista-la.

Na época, o Bayern era o atual campeão europeu, quando derrotou o Borussia Dortmund ainda sob o comando de Jupp Heynckes. Ou seja, com Pep, os Bávaros brigavam pelo bicampeonato consecutivo. No entanto, o treinador buscou tirar o peso pela conquista em sequência, mostrando que o seu real objetivo era faturar a Bundesliga e a Copa da Alemanha. Confira no trecho:

“Inevitavelmente, acabamos falando de Champions League: ‘Esquece, esquece, temos que pensar na Bundesliga. Ninguém ganhou duas vezes a Champions”, disse Pep Guardiola...“

Cinco anos após essa declaração, o Real Madrid ergueu a Orelhuda três vezes consecutivas. Vale mesmo para Pep, como o maior treinador de futebol da atualidade, fugir da realidade apenas pela paixão? Certamente que não. Todavia, ao esquecer o seu principal rival na carreira, o treinador deixa claro que não consegue se desvincular do passado.
Em três anos como técnico profissional, Zidane levantou três vezes seguidas a Liga dos Campeões (Getty Images)