terça-feira, 10 de julho de 2018

Restam duas estrelas!

Apenas dois campeões mundiais tentam salvar a hegemonia dos gigantes na Copa do Mundo da Rússia. Nas semifinais, franceses e ingleses são os favoritos, mas os belgas e os croatas já provaram, nesta edição do torneio, que favoritismo não está adiantando em solo euro-asiático. É a reta final de um Mundial para lá de imprevisível.


Quatro equipes, dois títulos mundiais e mais um em jogo (Tribuna do Cisco)





Confirmando o favoritismo inicial, a França faz uma campanha correta no Mundial. Sem sofrer maiores sustos, o time de Didier Deschamps ainda não foi derrotado, mas também não encanta. Tanto é que, numa equipe que possui Mbappé e Griezmann, quem mais se destaca é N'Golo Kanté. O volante do Chelsea faz uma Copa do Mundo impecável e é a aposta marselhesa para bloquear os avanços do poderio ofensivo belga.

Com muito talento em campo, franceses e belgas devem fazer uma final antecipada (Fifa.com)
Ainda pelo time azul, quem está devendo é Olivier Giroud. O atacante principal da França ainda marcou nesta Copa do Mundo e já passou da hora de quebrar o jejum. Com mais experiência, os franceses podem, enfim, cumprir com o objetivo é voltar para casa bicampeão do mundo.

Do outro lado, a Bélgica nunca chegou tão motivada para uma reta final de Copa do Mundo. Após eliminar o Brasil, os Diabos Vermelhos sabem que possuem totais condições de levantar a taça no dia 15. O problema, porém, é seguir enfrentando equipes tradicionais, com mais jogadores talentosos e maior cacoete de disputar competições desse porte.

Para o duelo desta terça-feira, o técnico Roberto Martinez espera apresentar mais uma nova estratégia para o mundo. Assim como derrotou os brasileiros de forma expressiva, a Bélgica quer mais motivos para seguir provando ao mundo que a atual geração é fora de série.

Palpite: França

No segundo confronto semifinal, a disparidade entre experiência e falta dela é ainda mais evidente. Apesar de normalmente decepcionar, a Inglaterra joga bem e está sim credenciada a chegar até aqui. Enquanto isso, os croatas, representando a periferia da bola nesta fase, deseja vencer pelo menos mais uma partida para superar a maior marca de sua história.
Inglaterra e Croácia vão tentar vencer no tempo normal e tentar fugir das penalidades, como tem acontecido (Fifa.com)
Os ingleses fazem uma campanha bastante interessante na Copa do Mundo. Algo semelhante a Alemanha em 2002. Naquela ocasião, os germânicos chegaram desacreditados e terminaram o torneio com a segunda colocação. Em 2018, no entanto, o técnico Gareth Southgate reconhece que o cenário é muito propício e que o English Tem não pode desperdiçar a oportunidade quase que única.

E se durante a primeira fase e as oitavas de final o time estava completamente dependente de Harry Kane, as quartas de final vieram para mostrar que a equipe é forte e possui coadjuvantes de qualidade. Lingard e Dele Alli que o digam. Que. Destoa, por sua vez, é Sterling.

Entre os croatas, o dever esta praticamente cumprido. A vaga na semifinal iguala a melhor campanha da história do país, algo que aconteceu no Mundial de 1998. 

Até aqui, a Croácia está invicta e já superou duas disputas de pênaltis. A forte geração, comandada por Luka Modric quer mais e a falta de um gigante em ótima fase pode colocar o país pela primeira vez numa final de Mundial. Mas é se fosse para apostar, diria que os ingleses vão levar a melhor.

Palpite: Inglaterra

Leia mais sobre a Copa do Mundo de 2018:

+ Dia 4: em mar de Mundial, atual campeão normalmente se afoga
+ Dia 5: uma tarde de Premier League
+ Dia 6: organização faz a diferença
+ Curiosidades da 1ª rodada
+ Dia 7: nivelado por baixo
+ Dia 8: uma noite para Šuker aplaudir de pé 
+ Dia 9: futebol é mais política que pão e circo
+ Dia 10: um dia de brasileiro
+ Dia 11: Kane e mais 10 na seleção da Copa
+ Curiosidades da 2ª rodada
+ Dia 12: um papelão no Grupo B 
+ Dia 13: a paixão que supera a bagunça
+ Dia 14: faltou o calor brasileiro para a frieza alemã na Rússia
+ Dia 15: foi apenas um susto
+ Curiosidades da 3ª rodada
+ Copa do Mundo chega ao mata-mata procurando um futebol de alto nível