terça-feira, 19 de junho de 2018

Tribuna de Copa #dia6: organização faz a diferença


O sexto dia de Copa do Mundo da Rússia encerrou a primeira rodada da competição. E sem nenhum 0 a 0, os destaques foram para os times que não eram considerados favoritos. Palmas para japoneses e senegaleses. O time africano, por sinal, já vinha era destacado por nós antes mesmo do início do Mundial. Além disso, a segunda rodada começou e com direito a uma organização sem igual, os russos despacharam os egípcios e praticamente selaram a vaga nas oitavas de final.
Sem dúvida, a foto do dia aconteceu no jogo entre Senegal e Polônia (Rodrigo Villalba/APP)
O Japão derrotou a Colômbia pela
primeira vez em Copas (Fifa.com)
O primeiro confronto do dia reuniu escolas completamente diferentes. E se em 2014, a Colômbia vivia o melhor momento da atual geração, neste ano, o passeio foi japonês e começou logo aos 2 minutos de partida. Mas, sinceramente, não havia necessidade do experiente volante Sánchez colocar o braço para evitar o precoce gol do Japão. O tento aconteceu e os colombianos jogaram com um a menos por quase todo o jogo.

Contudo, os asiáticos foram ágeis, habilidosos e não sentiram dificuldade nem quando Quintero igualou o marcador. O gol por baixo da barreira foi inusitado. Mas a gota d’água para os sulamericanos veio na segunda etapa, quando o baixinho Osako guardou de cabeça. Foi o suficiente para os primeiros três pontos do Japão no Mundial.

Senegal segue a sina de grandes partidas
em Mundiais (Fifa.com)
Na sequência, Senegal e Polônia entraram em campo com perspectivas diferentes. Os poloneses apostavam numa carreira de sucesso de Robert Lewandowski. Do outro lado, a alegria contagiante dos senegaleses, obviamente, se sobressaiu. Com um time arrumado, encaixado, os africanos contaram com a experiência do jovem técnico Aliou Cissé. Mesmo controverso, a juventude do comandante é também maturidade, afinal, ele foi o capitão da seleção na primeira participação em Copa do Mundo, no ano de 2002.

Dentro de campo, Thiago Cionek (contra) e Niang marcaram, o segundo gol foi polêmico, já que o atacante estava retornando para o gramado após ser atendido. Enquanto isso, Krychowiak, um camisa 10 que não tem cacoete de craque, descontou para os europeus. A vitória senegalesa não chegou a ser surpresa, mas prova que o Grupo H vai ser um dos mais complicados nesta Copa da Rússia.

Enfim em campo, Salah foi ofuscado pela
organização russa (Fifa.com)
E citando a nação anfitriã, que partida fez o time russo. Com uma organização que surpreendeu até mesmo o técnico Cherchesov, a Rússia derrotou o Egito. A equipe africana contou com o retorno de Salah, o craque do Liverpool. Mas em atuação apagada, o gol de pênalti foi mais do que o camisa 10 produziu em campo. Enquanto isso, os europeus contaram com a boa forma de alguns nomes, como o brasileiro Mário Fernandes. Em tempos de crise na lateral direita do Brasil, o jogador naturalizado tem tido atuações de encher os olhos.

No entanto, o maior dos destaques é Cheryshev. O meia do Villarreal marcou o terceiro gol na Copa e se igualou a Cristiano Ronaldo como artilheiro da competição. Em dois jogos, o russo já mostra que está no auge da carreira e dá um passo importantíssimo para a Rússia garantir a vaga nas oitavas de final. É mais um anfitrião que faz a sua parte e ultrapassa a fase de grupos.

Com duas grandes vitórias, a Rússia garantiu a classificação no Grupo A (Fifa.com)
Leia mais sobre a Copa do Mundo de 2018: