sexta-feira, 29 de junho de 2018

O início do fim: Copa do Mundo chega ao mata-mata ainda procurando um futebol de alto nível


A primeira metade já foi. Numa Copa do Mundo para lá de imprevisível, restam 16 países na briga pelo principal título do futebol no planeta. Vai começar a fase de oitavas de final do Mundial da Rússia. Os confrontos prometem e contam com duelos cascudos, como também de boas novidades que sonham em entrar para a história como a primeira zebra campeã da competição. Será que vão ter pique? O tempo vai responder, mas enquanto o dia 15 de julho não chega, vamos palpitando daqui.
Eis o momento decisivo: os favoritos ou uma boa novidade vai se tornar campeão mundial? (Tribuna do Cisco)
Sem encantar, França chega ao mata-mata (Fifa.com)



A primeira partida das oitavas de final é simplesmente o mais impactante. São três títulos mundiais no duelo entre franceses e argentinos. De um lado uma equipe que prometeu estar pronto, mas que ainda não engrenou. De outro, uma bagunça que busca motivação extra para se manter na busca pela conquista.

A França, do técnico Didier Deschamps, definitivamente não conseguiu apresentar o futebol esperado na primeira fase. No elenco, algumas estrelas afirmaram que vão engrenar no momento certo e não existe oportunidade melhor de confirmar isso encarando a Argentina.

Mais vontade e menos futebol: com problemas internos, a Argentina tenta se reinventar para buscar o tri (Fifa.com)


No lado sulamericano, a classificação foi sofrida demais na fase de grupos. E justamente por ter conquistado a vaga, Lionel Messi e companhia entram em campo sem pressão, podendo desempenhar um papel de azarão. Isso pode ser benéfico para a equipe de Jorge Sampaoli, já que, mesmo não sendo favorito, possui nomes que podem desequilibrar um jogo.

Palpite: Argentina
A Celeste quer dar um passo adiante para consolidar a geração
(Fifa.com)



O segundo confronto mata-mata vai reunir a tradicional uruguaia contra o atual campeão europeu. É bem verdade que Portugal continua com o seu futebol mediano, mas eficiente, e o Uruguai chega para partida após ter a sua melhor atuação na Copa do Mundo.

O time celeste não sofreu um gol sequer no Mundial. Porém, os dois primeiros jogos foram duros de assistir. A cada treinamento, o técnico Óscar Tabárez quer Luis Suárez e Edinson Cavani cada vez mais decisivos. Até aqui, o Pistoleiro marcou duas vezes, e o atacante do PSG apenas uma.



Portugal busca voltar as quartas de final após 12 anos (Fifa.com)
No lado português, o brilho vai depender de como Cristiano Ronaldo vai estar no jogo. Se o melhor do mundo estiver bem, os lusos vão com um futebol mais bacana de se assistir. Mas caso ele vá mal, a partida vai ser pragmática, nos moldes da campanha na Euro 2016. A aposta é num duelo bastante imprevisível, com leve vantagem uruguaia.

Palpite: Uruguai
Pensando em um algo mais, a Rússia quer
aprontar para a Espanha (Fifa.com)


Com um chaveamento bem menos cascudo, a Espanha estreia na segunda fase cercada de muita pressão. O desempenho no Grupo B foi bem razoável, sofrendo cinco gols em três jogos. Em muitos momentos, o bom jogo de troca de passe não funcionou e transformou a Roja refém de sua própria estratégia.

No entanto, os espanhóis conseguiram se classificar com a liderança da chave. Isso foi muito importante, já que o adversário serão os russos. Apesar do trauma constante contra seleções anfitriãs, a Espanha conta com vários talentos, entre os titulares e os reservas. O time está na mão do comandante, Fernando Hierro, que mostra, a cada partida, que ainda não está pronto para o cargo.
Iago Aspas é uma boa peça para evitar mais uma tragédia espanhola contra um anfitrião (Fifa.com)
Enquanto isso, a Rússia chega para as oitavas de final na crista da onda. O sentimento é de missão cumprida. Por isso, Cheryshev e os seus companheiros entram em campo sem pressão, de olho em surpreender para chegar nas quartas de final do Mundial. O técnico Stanislav Cherchesov, que poupou o time na derrota para o Uruguai, vai contar com força máxima, incluindo a volta de Dzagoev. É jogo para surpresa ou passeio dos visitantes.

Palpite: Espanha

Burocrática até demais, Dinamarca tem jogo
decisivo contra a Croácia (Fifa.com)
Um dos times de melhor futebol da primeira fase. A Croácia entra em campo diante da Dinamarca muito como favorita. Luka Modric, Mario Mandzukic e Ivan Rakitic precisam provar que os 100% de aproveitamento não foram um ponto fora da curva. 

Dentro do elenco, o sentimento dos croatas é de muita confiança. O time acredita que sim, pode brigar pelo título mundial. A vitória soberana para cima da Argentina mostrou que não existe medo contra equipes mais tradicionais. Contudo, nesta fase, o adversário é a Dinamarca, seleção que já mostrou que não se importa em jogar na defensiva.
Sensação da Copa até aqui, a Croácia vai ter um desafio e tanto logo nas oitavas de final (Fifa.com)
Vai ser o encontro de Modric e Eriksen. Os meias vivem grandes fases e vão em busca de fazer história. Mas, ao menos no papel, a Croácia é muito favorita.

Palpite: Croácia
Com bom início de campanha, Méxica vai tentar
quebrar a escrita (Fifa.com)


Brasil e México vão se enfrentar apenas 4 anos depois do último encontro. Por sinal, na Copa de 2014, o empate sem gols mostrou que os mexicanos sabem jogar contra a gente. 

Porém, em Copas, o Brasil jamais foi derrotado pelo México e esse retrospecto pesa principalmente em confronto de mata-mata.

Por outro lado, em decisões, os mexicanos já aprontaram e frustraram boas jovens gerações do Brasil. Como na Olimpíada de Londres em 2012.

Trazendo para o momento no Mundial da Rússia, o Brasil ainda não fez um grande jogo, mas a atuação contra a Sérvia apresentou uma boa evolução. O time deve chegar ainda mais forte contra o México.
Ainda sem o futebol das Eliminatórias, Brasil tem jogo chave contra o México (Fifa.com)
Em contrapartida, os mexicanos começaram o Mundial causando muita euforia, derrotando a Alemanha. Mas aos poucos, o time de Osorio foi caindo de rendimento e a derrota para a Suécia quase os eliminava. A equipe chega em baixa para a partida de segunda-feira.

O Brasil é muito favorito e o México é muito azarão.

Palpite: Brasil
Mais fraco dentre os classificados, Japão precisa de milagre
contra os belgas (Fifa.com)


O soberano time belga vai começar a sua trajetória contra o Japão. O desempenho no Grupo G agradou a críticos e torcedores. Nunca os Diabos Vermelhos entraram tão fortes numa disputa de Copa do Mundo. O técnico Roberto Martínez possui o encaixe perfeito para levar os europeus a um título inédito. Porém, o que preocupa é o chaveamento pesado.

Eden Hazard, Romelu Lukaku e Dries Mertens estão impecáveis até o momento. O trio soma seis gols e querem muito mais no mata-mata.

Será que, desta vez, a Bélgica vai? (Fifa.com)
Do outro lado do confronto, o Japão não parece que vai criar tanto problema para os belgas. Os asiáticos simplesmente não convenceram na primeira fase. Tanto é que só venceram os colombianos, num jogo que o adversário ficou com um jogador a menos logo no início da partida. Nas oitavas de final, é praticamente impossível imaginar que os japoneses esbocem algum tipo de reação. Vem goleada por aí?
Palpite: Bélgica



Suécia é a líder que chega as oitavas como azarão (Fifa.com)
Este é, sem dúvida, o confronto mais imprevisível do mata-mata. Enquanto todos esperavam os alemães, a Suécia desbancou e ficou com a ponta do seu grupo. E com o rótulo de desbravador de gigantes, os suecos vão ter pela frente um cofre para seguir adiante.

A Suíça faz uma boa Copa do Mundo, está invicta. E vindo de boas participações em Mundiais, o time vermelho espera enfim conseguir superar a fase de oitavas de final. Em 2006 e 2014, os suíços foram eliminados nesta etapa.
Para quebrar um incômodo jejum, a Suíça tem o favoritismo (Fifa.com)
No lado sueco, o objetivo é ser ofensivo como na partida diante do México, e não bobear como contra a Alemanha. Contudo, a certeza é que o jogo está aberto e não há um favorito.

Palpite: Suíça


Um gol marcado e pouco futebol: Falcao não é
mais o mesmo (Fifa.com)


Último duelo das oitavas de final, colombianos e ingleses vão por estratégias diferentes em campo. O futebol da Colômbia está cada vez mais centrado no meio de campo. A válvula de escape é James Rodriguez, que ainda não sabe se vai para campo. Sem o camisa 10, os sulamericanos são vulneráveis, apesar do bom Mundial de Quintero e Cuadrado.

Enquanto isso, o jogo inglês é totalmente voltado para o seu principal jogador. E até aqui, Harry Kane mostrou que chama sim o jogo. O artilheiro da Copa do Mundo disputou apenas duas partidas até aqui e marcou cinco vezes. É com esse faro de gol somada a liderança que assumiu, que o camisa 9 quer mostrar que pode sim ser o melhor jogador do mundo e levar o seu país ao título.
No lado inglês, porém, Harry Kane é o homem do momento (Fifa.com)
Apesar da liderança no seu grupo, os colombianos devem sofrer diante da Inglaterra. As chances existem, mas, por incrível que pareça, o jovem time inglês é sim o favorito.

Palpite: Inglaterra

Leia mais sobre a Copa do Mundo de 2018: