quinta-feira, 3 de maio de 2018

Vaga na decisão mascara a temporada vexatória do Real Madrid


O Real Madrid escreveu mais um capítulo importante em sua história fenomenal. E pela terceira vez consecutiva, o time da capital vai disputar a decisão da Liga dos Campeões da Europa.  No entanto, a temporada não tem sido das melhores para os Merengues. Muito pelo contrário, com um desempenho vexatório que eliminou qualquer possibilidade de título espanhol ou da Copa do Rei, a vaga na finalíssima europeia mascara um ano de frustrações. Diante desse cenário, apenas o título vai salvar a pele do melhor clube de futebol do planeta.
O Madridismo contra o mundo: é assim que o Real vai em busca da 13ª (Getty Images)
A saída de nomes importantes

Antes de mais nada, é preciso entender as falhas de Florentino Perez e do seu pupilo Zinedine Zidane. Isso porque, no início da temporada 2017/2018, o Real Madrid negociou peças de composição do elenco que foram determinantes para o êxito no ano passado. Nomes como o lateral brasileiro Danilo, o meia colombiano James Rodríguez, o atacante Alvaro Morata e principalmente o zagueiro Pepe. E para piorar a situação, o clube não repôs a saída do quarteto.
Morata (à esquerda) e Pepe (à direita) rendiam demais ao Madrid (Getty Images)
A acomodação

O Leganés eliminou o Madrid da Copa do Rei (AFP)
É bem verdade que todo clube que vem de grandes conquistas costuma sofrer com a acomodação. No caso do Real Madrid não foi diferente e até demorou a acontecer. Os primeiros seis meses de temporada foram desastrosos. Os Merengues praticamente viram o Campeonato Espanhol cair por terra, com tropeços frustrantes e um sacode sofrido contra o Barcelona. Além disso, mais uma eliminação decepcionante na Copa do Rei, para o Leganés, e uma classificação para o mata-mata da Liga com apenas a segunda melhor campanha do grupo. O resgate, porém, se deu na virada do ano, quando o seu principal jogador acordou.

O melhor do mundo faz a diferença

Há quem ainda critique o futebol de Cristiano Ronaldo, mas o fato é que a temporada do Real Madrid que rumou para mais uma final de Liga dos Campeões só se deu, de fato, quando o camisa 7 e dono de cinco bolas de ouro começou a ter efetividade. De janeiro para cá, o português marcou gols fundamentais, que fizeram o time despachar PSG e Juventus. Contra o Bayern, desta vez, o jogador passou em branco. Contudo, sem dúvida, ele é a principal arma do Madrid na finalíssima contra os Reds.
A pintura de Cristiano Ronaldo foi apenas um do repertório variado do português (AFP)

Do sorteio ninguém pode reclamar

PSG, Juventus, Bayern e Liverpool? (Getty Images)
E se muitos reclamavam de um sorteio mais folgado para o Real Madrid, nesta temporada, o time só desafiou pedreira. O primeiro deles foi o Paris Saint-Germain, aquela equipe estrelada que enfim chegava forte. Errado! O PSG não foi páreo para os espanhóis perdendo na ida e na volta. Nas quartas de final, o adversário foi a Juventus, reeditando a final do ano passado. Na Itália, uma atuação de gala de Cristiano Ronaldo, com direito a gol de Prêmio Puskas. Na volta, em Madri, veio a polêmica. A Juve conseguiu devolver os 3 a 0, mas um pênalti, marcado no último lance do jogo, deu ao Madrid o direito de disputar a semifinal.

Contra o Bayern de Jupp Heynckes, a missão era muito complicada. Tanto é que foi o adversário mais difícil. E diferente do habitual, o Real Madrid sofreu e soube sofrer para jogar no erro dos alemães e chegar a mais uma decisão.

O apito amigo

Foi pênalti! (Reprodução/UEFA)
Se as bolinhas não ajudaram, a arbitragem foi um senhora mãe para o Real Madrid. No jogo contra a Juventus, o pênalti de Benatia em Lucas Vasquez gerou muita discussão. É bem verdade que a infração é discutível. No entanto, contra o Bayern de Munique, não há o que se discutir, houve penalidade no toque de mão de Marcelo dentro da área. As péssimas arbitragens, por sinal, estão virando rotina na Liga dos Campeões. Não se impressione se algum senhor de amarelo chamar para si o estrelato na decisão de 26 de maio.

O jogo em Kiev

Apesar dos pesares, do ano ruim e da atuação decepcionante contra o Bayern de Munique, o Real Madrid chega a mais uma decisão de Liga dos Campeões como favorito. O elenco é muito melhor que o do Liverpool e pode vencer sem dificuldades. Porém, se tudo correr como foi nesta temporada, os Reds possuem grandes chances e podem complicar para os espanhóis.

O fato é que, em uma temporada de mais baixos do que altos, a vaga na decisão da Liga dos Campeões da Europa mascara o ano vexatório do Real Madrid.
A 13ª está mais próxima do que nunca (Getty Images)
Leia mais sobre a Liga dos Campeões da Europa