quinta-feira, 14 de setembro de 2017

A atuação gigante de Alisson foi boa para todo mundo

Transformar uma goleada em um empate sem gols. Essa frase resume a atuação de Alisson ao assumir a camisa 1 de uma Roma enfraquecida. Em tempos de reformulação, o goleiro brasileiro foi o destaque da estreia que marcou a volta do clube italiano a fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa. E numa primeira rodada que consagrou Cristiano Ronaldo, Lionel Messi e Neymar, o jogo do arqueiro titular também da Seleção Brasileira foi ainda melhor que o trio popstar do futebol. E mais do que isso, a atuação gigante de Alisson foi boa para todo mundo.
Atuação gigante que deixa brasileiros e italianos cheios de expectativa


Primeiramente, Alisson ainda não caiu nas graças do torcedor brasileiro. Muitos ainda esperam um algo mais do camisa 1 que goza de total confiança de Tite e principalmente de Taffarel. Anteriormente ao atual técnico do Brasil, Dunga já havia definido que ele seria o seu goleiro titular.

No fantasy oficial da Liga dos Campeões, Alisson teve a maior nota
entre os goleiros (UEFA Champions League / Divulgação)
Em Roma, o brasileiro sempre foi visto como uma sombra para Szczęsny. Porém o goleiro polonês foi jogar na rival Juventus e assumiu a condição que Alisson possuía no Giallorossi: ser reserva de Buffon. Com a saída do titular, Alisson assumiu a camisa 1 e também a titularidade.

Contudo, antes mesmo da saída de Szczęsny, Alisson teve chances como titular. Foi na Liga Europa... E muito convenceu! Na partida de volta das oitavas de final, contra o Lyon, a Roma venceu por 2 a 1, mas acabou eliminada no somatório dos resultados. Curiosamente, naquela ocasião, Alisson teve uma atuação semelhante ao dessa terça-feira, fechou o gol e deu indícios a diretoria e torcida romanista de que teria totais condições de assumir a condição de goleiro principal.
Alisson chegou a Roma na temporada passada, mas só agora assumiu a condição de titular (Getty Images)

Ser o único brasileiro na seleção da primeira rodada da Liga dos Campeões talvez seja injustiça diante das atuações de Neymar e Gabriel Jesus por seus clubes. No entanto, ser destaque único talvez sirva como um sinal de que o goleiro está vencendo a desconfiança que ainda lhe falta para se tornar unanimidade no coração do brasileiro que espera o hexacampeonato na Copa de 2018 e do torcedor romanista que está na expectativa por mais atuações como a contra o Atlético de Madrid.