sábado, 26 de agosto de 2017

Você ainda duvida de Conor McGregor?

Se em 2013 alguém imaginasse que um lutador da Irlanda, de categorias mais leves, fosse se tornar o lutador de MMA mais famoso do mundo, eu daria gargalhadas debochadas pelo comentário completamente sem noção. E se, porventura, alguém viesse a falar que esse mesmo "Zé Ninguém" se tornasse maior que o próprio evento e ultrapassasse as fronteiras do UFC, imaginaria que a pessoa estaria sofrendo um lapso psicodélico. Pois bem, o errado nisso tudo sou eu (e, muito provavelmente, você também).
Conor McGregor vai chocar o mundo mais uma vez? (Lowkick.com)


Conor McGregor expandiu os limites do MMA, colocou o esporte em outro patamar e mantem todos os holofotes do UFC focados nele. Em uma época recente, Jon Jones e Ronda Rousey eram os grandes nomes da organização, enquanto Conor era um simples novato querendo chamar atenção na base do grito. Sempre tratei a forma como ele se portava com desdém, porque era desrespeitosa, tosca, artificial. Porém ele fez o faturamento da empresa explodir equilibrando um discurso ofensivo e perturbador com performances excelentes. A verdade é que Conor começou a vencer seus duelos no dia em que eles eram anunciados, pois ele entrou na mente de todos os seus adversários (exceto Nate Diaz, responsável por seu único revés na franquia americana) e nada melhor do que lembrar dos "100 metros rasos" que ele teve com José Aldo, talvez o lutador brasileiro de psicológico mais forte até então.

Conor treina boxe desde os 12 anos de idade.(Mirror)
O que mais me intriga sobre o irlandês é que ele nunca se mostrou o mais hábil em nenhum dos seus atributos de destaque. O Notório tem mãos pesadíssimas, muito precisas e com um timing espetacular. Mas ele é o melhor boxer que vimos no MMA? De forma alguma! Nick Diaz, Dominick Cruz e Junior Cigano são as grandes referências que tenho quando se trate de boxe no octógono. Como grapler Conor não deve nem ser mencionado, pois quando foi levado ao chão, deu três tapinhas. E mesmo com as palavras, acho o trashtalking de Chael Sonnen e Tito Ortiz superiores ao do ruivo falastrão. Ou seja, como alguém que não é o melhor em nada consegue chamar tanto a atenção? Acho que nem Dana White consegue responder essa pergunta, pois o melhor atleta de MMA hoje (Demetrius Johnson) não consegue emplacar números de popularidade e levantar dúvidas sobre a real profundidade do esporte ao público comum, mas quando se trata de McGregor, o Careca pode explicar muito bem com números de vendas de PPV.

Certo, então Conor conseguiu tudo isso apenas por vender eventos? Isso daria motivos para colocarmos Brock Lesnar no mesmo patamar, correto? Sim, o argumento de abrangência de um lutador sempre faz com o que o Gorila Albino seja mencionado, a diferença é que Lesnar já era uma estrela nos EUA antes de entrar no UFC, diferentemente de Conor. Lesnar não precisava chamar atenção, seu tamanho gigantesco fazia com que tudo, vitórias e derrotas, tivesse proporções cavalares. E a natureza do crescimento dos dois personagens teve um roteiro completamente diferente. O UFC precisava tornar a categoria dos pesos-pesados popular, uma herança dos tempos áureos do Boxe que se difundiu nos esportes de luta e existe até hoje. Conor não, ele criou seu próprio script, escreveu seu própria história, venceu e deu certo. E o mais incrível, ele tem uma estratégia brilhante para fazer isso.

Floyd dominou o mundo do Boxe em sua geração. (Boxrec.com)
Se em todos os atributos anteriores eu considerei McGregor apenas um "acima da média", neste de agora ele é a minha maior referência. Ninguém se colocou em posições de risco melhor que o Notório. Nunca foi visto! Talvez o exemplo mais próximo foi quando Jon Jones aceitou enfrentar o tão temido Maurício Shogun pelo título dos Meio-pesados com apenas dois meses para treinar e deu uma surra em um dos lutadores mais talentosos de sua geração. O Irlandês sempre se põe em posição "azarão" e isso dá muita vantagem a ele! Conor atazanou o juízo de Aldo ao ponto de fazer o brasileiro entrar no octógono completamente perdido e chocou o mundo. A partir daí ele se tornou o favorito em todo peso-pena, quantas defesas ele fez? Zero. Depois ele só quis saber de lutar nos pesos-leves e conseguiu. Tudo bem que ele perdeu para Nate Diaz quando o americano estava completamente despreparado, mas Diaz é muito mais pesado que Conor e, depois, ele conseguiu o triunfo. Enfrentou o então campeão dos Leves, Eddie Alvarez, sem nunca ter realizado um combate pesando 70kg no UFC e o trucidou! E a cada objetivo alcançado, seu passe valorizava ainda mais. 

E foi assim que ele expandiu o seu próprio alcance, com mais uma tomada de risco brilhante. Quando ele começou com o desafio a Mayweather, parecia mais uma exposição maluca do irlandês, ridicularizado por todos, inclusive por Dana White. Porém, de alguma forma, Floyd resolveu alimentar a "brincadeira" e o combate de hoje tem patrocínio do UFC, ou seja, um verdadeiro plot-Twist organizacional. Certo, agora você se pergunta "como enfrentar o maior pugilista de todos os tempos é uma tomada de decisão acertada?". Mais uma vez, Conor conseguiu enxergar muito mais a fundo que qualquer outro. Floyd estava aposentado, não luta há dois anos, tem quarenta anos e adora uma mídia. Conor está ativo, é onze anos mais jovem e não tem nada a perder. Isso mesmo, ele não tem nada a perder. McGregor não é do circuito de boxe, não faz lutas profissionais e disputa um esporte bem diferente. Então, o resultado mais lógico é a vitória do americano com certa facilidade. Ou seja, se a luta for disputada, ele acertar algum golpe ou chegar a um knock down, o resultado pode até ser de vitória para Floyd, mas quem sairá por cima será o Notório. E se, nas mais loucas hipóteses possíveis, ele chegar a vencer o invicto, vai faltar universo para caber o legado de McGregor (e cofres para juntar a quantidade de dinheiro que seria levantado). 
Sua conhecida fanfarronice. (usatoday.com)
Eu acredito piamente que Floyd vai vencer o duelo porque é incomparável os backgrounds de cada um. Todavia, depois de tanto quebrar a cara com palpites "racionais" errados, não tenho vergonha nenhuma em admitir que Conor McGregor me ensinou a não duvidar do inacreditável quando ele está em cena.