quarta-feira, 7 de junho de 2017

UEFA Champions League 2016/2017 – Destaques da Temporada

Ponto final na temporada 2016/2017. Pela primeira vez nesse novo formato, um clube conquistou o bicampeonato. Porém, a Liga dos Campeões da Europa foi muito mais do que a campanha brilhante do Real Madrid. Foi nessa jornada que o mundo conheceu a palavra “remontada”, como também observou Pep Guardiola em seu desafio mais difícil da carreira. O técnico espanhol foi eliminado nas oitavas de final pela primeira vez. Por outro lado, o Atlético de Madrid, de Diego Simeone, fez ótima campanha e novamente foi para as semifinais. O ano de golaços, foram muitos. A campanha de revelações, de surpresas e de um final tão clichê quanto as últimas temporadas. Confira os destaques
Com apenas um ano e meio de trabalho, Zinedine Zidane chegou ao bicampeonato da UEFA Champions League. (UEFA)


Não foi apenas um jogo, foram dois jogos da fase de oitavas de final. Na partida de ida, um sonoro 4 a 0 do PSG para cima do Barcelona. A vaga estava encaminhada e a grande atuação do time de Unai Emery deixou a Europa em choque. O Barça já não era mais o mesmo, foi facilmente batido pelos franceses e apenas um milagre colocaria os catalães nas quartas de final. E, de fato, aconteceu, mas não foi milagre. A participação de gala de Neymar e companhia, além de uma arbitragem desastrosa, no Camp Nou, fez o Barcelona reverter a situação e aplicar um inédito 6 a 1. Jamais algo parecido havia acontecido na história do torneio. A “remontada” ficou para a história.


Uma temporada de muitos golaços. É bem verdade que a pintura de Mario Mandzukic na decisão é o gol mais comentado do momento. Mas indicamos outro petardo, em partida válida ainda pela 1ª fase. O Grupo A protagonizou um dos lances dignos de Prêmio Puskas no duelo entre Ludogorets e Arsenal. Mesut Özil foi o nome daquela jogada belíssima. O meia alemão arrancou sozinho, deu um chapéu no goleiro Borjan, deixou dois marcadores sentados e empurrou para as redes. O golaço de 2016/2017.


É hora do “Golden Boy” de 2017. Kylian Mbappé nasceu em 1998, meses depois da conquista da Copa do Mundo pela França. 20 anos depois, o jovem atacante francês despontou para o mundo, levou o Monaco ao título da Ligue 1 e, de quebra, colocou a equipe nas semifinais da Liga dos Campeões. Decisivo, foram gols nas oitavas, nas quartas e nas semifinais. O garoto que tem tudo para se tornar gente grande é o nome do momento do mercado de transferências, vem um valor recorde por aí?


Superando a desconfiança, Zinedine Zidane, com apenas um ano e meio de trabalho, é bicampeão europeu, igualando Pep Guardiola e José Mourinho. Já está na hora do francês receber as merecidas condecorações, em 2016 escalou Casemiro como titular e só colheu frutos por isso. Em 2017, a novidade se deu por conta de Isco, meia que está no Real Madrid desde 2013, mas só neste ano recebeu o merecido reconhecimento. Zizou foi craque nos campos, mas ainda não caiu nas graças da grande mídia como treinador. Créditos à parte, o seu nome já está cravado na história da Liga dos Campeões, o único capaz de levantar o bicampeonato no novo formato de competição.


Não tinha como ser diferente. Pelo terceiro em quatro temporadas, Cristiano Ronaldo foi o cara da Liga dos Campeões. Em 2016/2017, porém, o português demorou a engrenar e só despontou na reta final. Segundo o próprio jogador, o seu planejamento era de chegar a ao seu auge físico no período decisivo, para evitar o desgaste que o atrapalhou no ano passado. O fato é que a medida deu certo e Ronaldo marcou 10 gols em apenas cinco partidas. O craque decide no momento certo e o camisa sete fez de tudo para chegar ao seu quarto título de Liga dos Campeões. O Rei da Europa, craque, artilheiro e campeão.



Goleiro: Buffon
Laterais: Daniel Alves e Marcelo
Zagueiros: Chiellini e Sergio Ramos
Meias: Casemiro, Modric e Isco
Atacantes: Mbappé, Dybala e Cristiano Ronaldo