sábado, 3 de junho de 2017

Os outros chegarão aos 12 títulos, mas nenhum será tão grande quanto o Real Madrid

O Real Madrid é o maior clube da história do século XX. Segundo a Fifa, nenhum time foi capaz de bater de frente com o da capital da Espanha. Eu concordo, foram inúmeras conquistas. Já no século XXI, que ainda é um jovem garoto, o Barcelona era disparado o de futebol mais vistoso e mais completo dentre todas as equipes europeias. Porém, neste 3 de junho de 2017, o Madrid tratou de se igualar aos catalães na minha quase que descartável opinião. Do ano 2000 para cá, tanto o Real Madrid quanto o Barcelona ergueram a Orelhuda em quatro oportunidades.
Cristiano Ronaldo, 32 anos e apenas um jogador se equipara ao futebol na atualidade. Estão empatados! (Getty Images)

Há, de fato, uma semelhança na grandeza dos gigantes espanhóis nesses 18 anos de novo século. Todavia, em se tratando da Liga dos Campeões da Europa, o negócio muda de figura. O Real chegou a sua décima segunda conquista, cinco a mais que o segundo maior vencedor, o Milan. Já para o Barcelona, são sete trofeus de vantagem. Um dia, as outras equipes chegarão ao somatório de 12 títulos, mas nenhum vai se igualar a grandeza que o Real Madrid possui e proporciona. É um fato.

Ainda neste sábado, o time tratou de espantar o candidato a encerrar a sua hegemonia. Foram 90 minutos de puro massacre, com exceção da obra-prima de Mario Mandzukic. O croata foi um ponto fora da curva, mas ele é tema de uma futura postagem. O atropelo dos Blancos enterrou a fortíssima defesa da Juventus, o time tomou mais gols nessa partida do que em todo o resto de campanha na Champions.

Confiança e talento transformaram Casemiro
 num gigante (Getty Images)
Um clube que quebra recordes, encerra jejuns. O último clube a faturar o bicampeonato havia sido o Milan de Arrigo Sacchi, em 1988 e 1989. Aliás, se fosse o Rossonero em boa forma, obviamente, a sua camisa talvez lhe fizesse atuar como gente grande numa final do europeu. O feito do Madrid do técnico Zinedine Zidane é ainda maior, nesse novo formato de Champions League, a equipe é a primeira a levar a taça em duas ocasiões seguidas.

O Real de Cristiano Ronaldo, cada vez mais consolidado como o melhor jogador do mundo. A máquina em forma de homem chegou a 600 gols na carreira. O portuga já é o maior artilheiro da história do clube e da Liga dos Campeões. Hoje, na sua melhor atuação em finais de Champions League, foi decisivo como sempre. O Real de Casemiro. O que falar do jogador que chegou a ser contestado quando atuava no Brasil? O volante é completo, chamou a responsabilidade no momento certo e, com aquela dose de confiança, mostrou que é sim gigante. O Real de Isco, ressuscitado no elenco de Zidane, fica para a próxima temporada. O Real da juventude, com Jesé em 2014, com Lucas Vázquez em 2016 e de Marco Asensio em 2017.

Por fim, o Real dele, do francês Zinedine Zidane. Com um incrível currículo, Zizou chegou a sua segunda Liga dos Campeões, se igualando a José Mourinho e Pep Guardiola. Com discrição e convivendo com a desconfiança, o craque possui apenas um ano e meio como técnico do Real Madrid. O seu legado, ainda muito jovem, já está marcado na história do futebol, justamente na maior expressão da modalidade em forma de clube.
Um ano e meio de trabalho e o  inédito bicampeonato de Liga dos Campeões da Europa nesse formato (Getty Images)


Parabéns Real Madrid e a sua sala de trofeus repleta de Orelhudas. A décima segunda está à caminho.