domingo, 27 de novembro de 2016

Fórmula 1 2016 – Novembro

E terminou a empolgante temporada 2016 da Fórmula 1, nada mais emocionante que o belíssimo embate construído por Lewis Hamilton na cartada final para conquistar o tetra. Pena que para o inglês apenas a vitória no Grande Prêmio de Abu Dhabi não foi o suficiente, Nico Rosberg obteve êxito em sua estratégia iniciada no mês passado, ficou com a segunda colocação, subiu ao pódio e chegou ao título inédito. Filho do também campeão mundial Keke Rosberg, Nico demorou a engrenar, é de fato menos piloto que seu companheiro Hamilton, mas a regularidade na temporada foi digna de aplausos e mérito para colocar Bernie Ecclestone nos braços ao comemorar bravamente o triunfo.
Nico se junta ao seu pai, Keke, e entra para o clube de campeões mundiais. (AFP)
 

O trigésimo terceiro campeão mundial da Fórmula 1 é alemão, em tempos de desequilíbrio, Rosberg foi capaz de fazer o que Mark Webber não conseguiu na dinastia recente da RBR. Enquanto Vettel passeava para o tetra, Webber até flertou com a disputa, mas nunca chegou tão próximo quanto Nico. A alemão consumou essa proximidade, batendo de frente com o talento de Lewis, foi estratégico, foi certeiro e não largou o britânico, pelo menos neste mês de novembro.

Button e Massa se despediram hoje da F1. (Divulgação)
O mês também marcou as despedidas de dois gigantes do automobilismo. É bem verdade que Felipe Massa jamais conseguiu ser campeão mundial, mas o carinho que os companheiros de categoria, fanáticos pela F1 e o vicecampeonato frustrante em 2008 o colocam na lista de pilotos lendários. Com a saída de Massa, o Brasil perde um papel importante no cenário automobilístico. Outro que se aposentou da categoria foi Jenson Button, o inglês não conseguiu concluir o GP de Yas Marina, mas também recebeu uma belíssima homenagem. O campeão mundial pela Brawn GP em 2009 atuou com solidez do início ao fim, com carisma e regularidade, deixará saudades.

Se a fase brilhante de Nico começou ao final da temporada 2015, onde o piloto somou triunfos importantes que serviu ao menos de inspiração para o início avassalador em 2016, quem encerra muito bem a temporada é Max Verstappen. O holandês de apenas 19 anos se apoia nas mudanças que a FIA prometeu para 2017, priorizando um maior equilíbrio entre as equipes, a RBR tem uma mina de ouro em mãos. Sebastian Vettel arrebentou no GP de hoje, por muito pouco não estragou a festa da Mercedes, o alemão do tetra é a maior esperança da Ferrari para voltar a viver dias gloriosos.

Um novembro que marcou um dos melhores Grande Prêmio do Brasil da história da F1, com paradas, rachas e até acidentes memoráveis que vão ficar no coração do brasileiro. Interlagos é a única pista com futuro incerto para a próxima temporada. São tempos difíceis para o país. Sai Felipe Massa, talvez saia o GP de São Paulo e Felipe Nasr, o jovem brasileiro também deixará a Fórmula 1 por falta de contrato. Na Sauber não deve ficar, nenhuma outra escuderia se interessou pelo piloto, que vai tentar a sorte em outra categoria.

Talentoso, Hamilton não conseguiu o tri consecutivo. (AFP)
2016 chega ao fim com o melhor cenário possível, fim da hegemonia de Hamilton, início do legado de Rosberg e a possibilidade de acompanharmos uma temporada 2017 de uma equilíbrio maior, fato que traria uma maior quantidade de equipes e pilotos brigando. O que resta de ano, é a festa de Nico, piloto que acompanhou de perto os últimos anos de Michael Schumacher na Fórmula 1 e que recebeu da mesma forma Lewis Hamilton, mas que jamais se acostumou com o segundo posto no quesito importância. O centro agora é seu, Nico Rosberg, campeão mundial de Fórmula 1, como o seu pai, com mérito!

Obrigado a todos que acompanharam conosco e viveram intensamente a temporada 2016 de Fórmula 1.

Até 2017!