quarta-feira, 10 de agosto de 2016

No futebol olímpico, só compare o peso do ouro

Está acontecendo! O iminente fracasso do futebol masculino nos Jogos Cariocas de 2016 já começa a comprometer a parcialidade do torcedor e principalmente da grande mídia. Novamente pertencendo a geração, Neymar é protagonista em sofrer ataques, sobrando até para Renato Augusto, um dos pontos fora da curva desta convocação. O desempenho do Brasil de Micale não tem sido lá essas coisas, os empates por 0 a 0 diante de África do Sul e Iraque geraram revoltas nas redes sociais, na beira do gramado e nas cabines de transmissão, a hipocrisia de personagens como Galvão Bueno, Ronaldo e a trupe da grande Rede não passaram despercebidos.
O país da Olimpíada é gigante de hipocrisia pela própria natureza. (Ricardo Matsukawa/Terra)
Mais do que a falsa moral, um fato é tão preocupante e perigoso que afetou até mesmo a Seleção Feminina. Marta e companhia vem apresentando um futebol vistoso que há tempos não haviam conseguido, com padrão tático, muita luta, poucos gols sofridos e muitos marcados, está na hora de voltar a brigar pelo inédito ouro. Inédito como o ouro feminino, o futebol masculino sempre é massacrado por jamais subir no mais alto posto do pódio, por nunca ter escutado o hino ao final do torneio.

O que diferencia esta geração para as demais? Esta joga em casa e convive com um dos momentos mais críticos da história da CBF e do profissional, esta sofre o peso por possuir no elenco a maior joia do nosso futebol e mesmo na flor da idade não conseguir ser líder ou protagonista. Contudo, voltando à pauta da escandalosa transmissão de domingo, mais do que hipócrita, Galvão instigou o ódio por parte do torcedor brasileiro, ainda mais, o “paladino da pátria”, em momento maior de emoção do que razão, enalteceu os gritos por Marta em relação ao mal desempenho de Neymar.

A história de Marta é grande demais para
 ser comparada a de Neymar...
 (Getty Images) 
Vale destacar, quando o senhor Bueno incentivou o mesmo transmitiu o futebol feminino sem ser em Jogos Panamericanos ou Olímpicos? Será mesmo que ele se importa com as cinco Bolas de Ouro que a nossa craque conquistou? Ele vai lembrar dos feitos da Marta após os Jogos ou é apenas uma forma de tentar agredir Neymar e os demais? Um Brasil de tanta homofobia, de muito preconceito e descaso social, que mais se preocupa em bloquear os protestos ao ilegítimo, pouco está se importando com o momento de muito brilhantismo de nossas meninas, é hipócrita ao comparar o desempenho das mulheres a dos homens, a Marta sempre foi gigante e sempre fez por merecer receber tal reconhecimento, mas casa cheia apenas em campeonatos desse calibre. Prata em Atenas 2004, Pequim 2008 e vice da Copa do Mundo de 2007, a Seleção de Cristiane, Formiga e Bárbara foi massacrada, apelidada de amarelona, que se apequenava diante dos momentos cruciais, que penava frente ao esquecimento dos brasileiros.

... Que por sua vez não merece tal comparação como forma
 de deboche machista. (Goal.com)
Comparar Marta a Neymar chega a ser absurdo, a história da brasileira para o futebol mundial é tão grandiosa que compará-la a um jogador do atual momento brasileiro é desrespeitar a alagoana. Marta está para o futebol feminino como Pelé está para o futebol masculino, lembrando também que o seu auge ficou para trás, o momento da camisa 10 e capitã é de resgate do prestígio para voltar a disputar Bola de Ouro da FIFA ou mais, de levar o Brasil a sua primeira conquista de Olimpíada. Já Neymar, é peça dessa mal administrada Seleção Brasileira de futebol masculino, dessa que vive uma fase trágica, que novamente precisa ser repensada, mas que persiste no tenebroso erro do descaso dos corruptíveis.

Por fim a Galvão Bueno, não compare a história pentacampeã dos homens com as meninas que lutam muito mais pelo reconhecimento dos seus feitos, não compare Neymar a Marta, ambos não merecem. Ao brasileiro, torça por ambos, critique quando necessário, não compare de forma pejorativa, nada de “jogue como mulher” ou “jogue como homem”, jogue como brasileiro. No futebol olímpico, só compare o peso do ouro.