quarta-feira, 29 de junho de 2016

Missão Ouro Olímpico: Décima Terceira Tentativa

Após mais um pouco de projeto jogado fora, a Rio-2016 está prestes a começar e o Brasil precisava de um time de futebol para buscar o tão almejado ouro. Na nova empreitada de imediatismo, a Confederação Brasileira de Futebol optou por demitir Dunga e Gilmar, os então líderes dessa jornada rumo ao evidente fracasso. No acerto em demitir palhaço e bobo, vieram consequências que devem ajudar o grupo brasileiro na campanha do torneio, Tite assumiu o time principal e recusou a olímpica, abrindo espaço para Rogério Micale, técnico que já acompanhava os meninos e participou do vice-campeonato no Mundial sub-20 de 2015.
Sem holofote, Micale é o nome ideal para comandar a seleção olímpica. (Extraído de CBF.com.br)
Diante do fiasco nos últimos torneios disputados, cabe a Micale o desafio de encerrar o maior jejum da história da seleção pentacampeã do mundo, é verdade que os Jogos Olímpicos são pouquíssimo importante para o futebol, mas o Brasil respira o esporte e jamais se contentará com a prata, o bronze ou outro vexame. É crucial que o ouro venha nesta edição, seria a realização da Copa que deu certo, dessa forma vamos aos integrantes dessa viagem rumo ao inédito.

Goleiros
Fernando Prass* (Palmeiras)
Uilson (Atlético Mineiro)

Defensores
Marquinhos (PSG)
Rodrigo Caio (São Paulo)
Luan (Vasco)
Willian (Internacional)
Zeca (Santos)
Douglas Santos (Atlético Mineiro)

Meio de Campo
Rodrigo Dourado (Internacional)
Rafinha (Barcelona)
Fred (Shakhtar Donetsk)
Thiago Maia (Santos)
Felipe Anderson (Lazio)

Atacantes
Neymar* (Barcelona)
Douglas Costa* (Bayern de Munique)
Luan (Grêmio)
Gabriel Jesus (Palmeiras)
Gabriel “Gabigol” (Santos)

*Acima de 23 anos

O jeitinho brasileiro de se comemorar os Jogos Olímpicos. (Extraído de Portal R7)
Pois bem, o elenco é um pouco inferior ao anterior, o que disputou os Jogos de Londres em 2012 e nos trouxeram a prata (você pode conferir nosso post sobre Mano Menezes e seus pupilos clicando AQUI). Existem pontos positivos e negativos na convocação de Rogério, um positivo é a quantidade de ótimos jogadores liberados mesmo com menos de 23 anos, são os casos de Marquinhos, Felipe Anderson (que vale ressaltar, não fez boa temporada 2015/2016) e Rafinha Alcântara. Além disso, temos jogadores de muita qualidade, a ótima dupla de Gabriel no setor ofensivo, o Jesus e o Gabigol desfilam os restos de talento que restam no Campeonato Brasileiro, ainda temos a segurança de Luan na zaga, a velocidade e qualidade de Douglas Santos e a oportunidade de Rodrigo Caio desempenhar várias funções, um coringa.

Fernando Prass é a surpresa dos 18 eleitos. (AP)
Por outro lado, existem erros crassos na convocação do que restou de Dunga, iniciando pelo gol, será mesmo que Micale assistiu as partidas de Uilson pelo Galo durante a lesão de Victor? Não se questiona o talento do garoto, mas existiam nomes mais convincentes para colocar na reserva de Fernando Prass, Gabriel do Napoli é um exemplo. Outro fator é a convocação de Fred, jogador já questionado quando Dunga o levou para a Copa América do Chile e o escalou como titular, o garoto é limitado e não vem jogando bem na Ucrânia, flagrado no doping em partida do Shakhtar. Comprovando desconhecimento, a comissão ainda optou por convocar Douglas Costa, o craque do Bayern vai tirar posição de algum ótimo garoto de ataque com menos de 23 anos, já havia a confirmação de Neymar, para quê gastar o limite com um jogador da mesma posição? Del Nero responde... Não responde, então passa!

Entre os acima de 23 temos uma surpresa daquelas e dois jogadores acima da média no futebol europeu, poucos ou quase ninguém poderia prever que Fernando Prass seria o escolhido. Há goleiros de maior rodagem na Europa, além de existirem nomes no Brasil que fizeram muito mais que o palmeirense e jamais tiveram uma oportunidade sequer. Todavia Fernando é um dos melhores na posição atualmente, isso tem que ser levado em conta, por isso, o goleiro de 37 anos terá a chance de sua vida de colocar seu nome na história do futebol da seleção Brasileira. É uma bonita história, uma das mais bonitas nessa contradição, nesse mar de corrupção em que o futebol do Brasil foi se meter. No mais vamos com Neymar e Douglas Costa, dois gigantes, os melhores do Brasil na atualidade, a dupla vai precisar superar a pressão que esta geração não está acostumada para vencer esse jejum, destacando que Neymar seguiu com a seleção em 2012, já possui a marca da derrota e experiência.

Um dos poucos vitoriosos da geração, Thiago Silva segue
 injustiçado na CBF. (AFP)
Em 2012, Mano convocou Thiago Silva, na época jogador do Milan, Marcelo, do Real Madrid, e Hulk, quando ainda jogava no Porto, como os acima de 23. A segurança que o Brasil possuía na esquerda não foi suficiente, o México atacou pela direita e conseguiu superar, vencendo por 2 a 1, o desconto do Brasil foi por conta de Hulk, um acima de 23 que coleciona críticas, mas por muito pouco não conseguiu empatar a partida naquela tarde. Thiago Silva segue como um dos jogadores mais injustiçados desta geração, o melhor zagueiro do país nos últimos 10 anos também erra e os seus erros são multiplicados quando o assunto é questionamento, abrindo espaço para arranhar sua imagem aqui no Brasil. Thiago ou Marcelo são as peças que faltam nessa geração acima de 23, não se pode abrir mão do talento de dois jogadores como o zagueiro e o lateral em uma competição que não vale quase nada, mas pode ser histórica.

O Brasil é franco favorito a conquistar o inédito tesOuro Olímpico, o momento é propício e apenas o próprio time pode complicar essa medalha almejada. A hora é agora, a CBF tem um técnico que acompanhou a evolução da equipe, que vai ganhar qualidade com os acima de 23 e que terá o vento ao seu favor na disputa do Rio-2016, a primeira Olímpiada realizada na América do Sul tem tudo para marcar o primeiro ouro do futebol brasileiro. Chegou o momento!

Brasil no futebol olímpico

1952: 5º colocado (Quartas-de-final)
1960: 6º colocado (1ª fase)
1964: 9º colocado (1ª fase)
1968: 10º colocado (1ª fase)
1972: 13º colocado (1ª fase)
1976: 4º lugar
1980: Não se classificou
1984: Prata
1988: Prata
1992: Não se classificou
1996: Bronze
2000: 7º colocado (Quartas-de-final)
2004: Não se classificou
2008: Bronze
2012: Prata
2016: ______