segunda-feira, 30 de maio de 2016

UEFA Champions League 2015/2016 – Destaques da Temporada

A temporada europeia foi bastante inusitada, observamos a Juventus abrir mão do título do Calcio, voltar atrás e conseguir chegar ao penta, acompanhamos o Barcelona despontar e sofrer baques que trouxeram emoção a La Liga, conferimos as manutenções de Bayern e PSG na Alemanha e França, respectivamente. Sem dúvida, o inimaginável veio da Inglaterra, o Leicester surpreendeu à todos, foi campeão com mérito e promete manter o ritual para chegar a Champions de mansinho, por falar em Champions, ela, a tão almejada taça foi parar nas mãos do seu maior detentor, o seu dono quase cotidiano, o Real Madrid se utilizou da camisa pesada e de nomes tão históricos que credenciaram os Merengues a somar onze conquistas.
Bale ergue a Orelhuda após se destacar na decisão. (UEFA.com)
A final não foi um jogo tão bem jogado, é verdade, teve muito nervosismo e pouco futebol naquilo que poderia ter dado ao Atlético a sua primeira Orelhuda, deu Real e teve choro para ambos os torcedores. A temporada na Europa chegou ao fim, o momento agora é de reviver e eleger os destaques desta Liga dos Campeões, quem surpreendeu, quem decepcionou, a seleção, os golaços, os craques, um verdadeiro raio-x com o que tivemos de melhor e pior na maior competição de futebol do planeta. Confira, comente e participe conosco, o apito final no campo marca o início de nossa análise, vamos nessa!


O jogo do ano aconteceu logo no retorno da Liga, a fase de oitavas de final castigou o futebol com um sorteio que indicou Bayern de Munique e Juventus. Alemães e italianos já haviam ido muito bem na partida de ida, o 2 a 2 deixou tudo empatado para a volta na Allianz Arena, seria a decisão. A partida foi o que se esperava e muito mais, acompanhamos a Juventus abrir vantagem, mandar no jogo com direito a um épico gol de Cuadrado (vale o destaque para a arrancada fulminante de Morata). Arrancada mesmo foi a de Pep Guardiola que abriu mão da defesa e dos volantes, colocou cinco jogadores de alto poderio ofensivo, Douglas Costa, Ribéry, Müller, Coman e Lewandowski, a Juve aguentou até onde pode, mas o resultado foi favorável para os gigantes da Baviera, vitória por 4 a 2 e classificação sofrida.


O já mencionado gol de Juan Cuadrado foi épico, também vale a lembrança da virada bonita de Suárez contra Ospina em Barcelona 3 x 1 Arsenal, quem não se recorda da falta cobrada com maestria de Cristiano Ronaldo contra o Wolfsburg? Novamente foram muitos os golaços da temporada, contudo tivemos um gol, ainda na primeira rodada da fase de grupos, um gol que valeu indicação ao Prêmio Puskas da FIFA, o gol do meio de campo de Florenzi pela Roma contra Ter Stegen e o Barcelona. A bola de quase da lateral do centro para surpreender alemão, espanhóis e torcedores atordoou o Barça que não conseguiu marcar mais gols, resultando num empate importantíssimo para os Romanistas no fim das contas, um petardo italiano.


Coadjuvante digno de piadas na campanha da conquista de 2014, Casemiro direcionou sua carreira de maneira fenomenal, foi destaque no Porto e voltou ao Real com moral suficiente para ganhar o meio de campo, barrar Isco e James e se tornar a maior revelação da temporada na Europa. O brasileiro sempre foi muito questionado, surgiu muito bem no São Paulo, mas as lesões e a queda de produção geraram indagações justas, o empresário mesmo assim negociou o volante para o Madrid. Foi muito bonito assistir o crescimento de Casemiro, após a chegada de Zidane, o brasileiro se tornou titular, anular o trio MSN no clássico no Camp Nou, engoliu o Wolfsburg nas quartas de final e, sem maiores discordâncias, foi um dos grandes destaques da finalíssima. Casemiro merece mais que o título de revelação, mas o de craque tem dono, então o volante está consolidado como surpresa.


Liderando mais uma arrancada do impossível, Diego Simeone fez ainda mais na campanha atual, é verdade que os Colchoneros não conquistaram o título espanhol, mas o elenco era bem inferior se compararmos com os campeões nacionais de 2014. Um jogo tático importante fez Barcelona e Bayern sucumbirem, serem eliminados diante de um esquema invencível, nem o Real Madrid conseguiu passar por cima como na final de Lisboa, era a chave para o argentino levar o Atleti para a glória, não foi suficiente. Apesar do abatimento, o Cholo é o grande destaque entre os técnicos, não tem como não destacá-lo, ele fez o que podia, mostrou que ainda existe vida para o enfraquecido Atlético, se colocou como um dos técnicos mais rentáveis para os clubes na atualidade e também apresenta um repertório importante. Além de tudo, Simeone mostra evolução, é um cara que não se importa com o futebol bonito, mas que tem sede de vitória que leva o mais fraco a vitória, é o técnico do ano na Liga dos Campeões.


Ele se escondeu na final, ele não estava 100% nas semifinais, ele terminou a Liga com 16 gols e foi mais uma vez decisivo na temporada, Cristiano Ronaldo é tão genial quanto Messi, temos um mundo bipolarizado. O português é sempre o diferencial do Real Madrid, é responsável pelo elevado nível do setor ofensivo desde que chegou, quebrou todos os recordes possíveis e já venceu tudo o que poderia, agora, ele soma conquistas de Liga dos Campeões e vai ofuscando seus rivais com a brilhante marca de onze títulos do Madrid. Em um elenco repleto de grandes jogadores, que viu a soberania defensiva de Navas, a liderança de Sergio Ramos, a afirmação de Carvajal e Casemiro,o talento de Modric, a decisão de Bale, Cristiano Ronaldo se sobressai e comanda o Real no erguer de Undecima, temos o privilégio de presenciar esse momento, palmas para o gajo!


Formação: 4-3-3
Goleiro: Keylor Navas
Laterais: Juanfran - Filipe Luís
Zagueiros: Diego Godín - Sergio Ramos
Meias: Casemiro - Gabi - Modric
Atacantes: Lionel Messi - Luis Suárez - Cristiano Ronaldo