terça-feira, 1 de março de 2016

UFC FN 84: Um faixa preta vazio.

Em boa parte das artes marciais, o professor que ministra as aulas veste uma faixa-preta. É normal em um dojô você encontrar alguns alunos que já chegaram a tal condecoração, mas eles estão sempre ali, treinando regularmente sob à batuta do mestre, para possam absolver o máximo do conhecimento de seu professor. Até porque o título de sensei é uma tremenda responsabilidade, já que ele não pode se limitar aos conhecimentos técnicos do esporte, há a necessidade de expor liderança, carisma, boa vontade e etc. Entretanto, em alguns casos, o praticante acaba por esquecer de alguns princípios das artes marciais e sofrer escorregões, gerando a oportunidade perfeita para realizar uma reflexão e perceber que precisa voltar às origens. 
Está na hora de mudar de estratégia. (Sportv.com)
Quando Anderson Silva foi merecidamente nocauteado contra Chris Weidman no UFC 162, o mundo do lutador brasileiro caiu, desnorteado após o combate, Spider falou em "aposentadoria" ou "esquecer o título" e mais algumas palavras que ele nem chegou perto de cumprir. A verdade era, ele foi arrogante, pagou o preço e preferiu não reconhecer em público. Alguns meses depois, houve a tão esperada revanche e Anderson entrou no octógono com o espírito do moleque que treinava na Chute Boxe, com vontade de corrigir todos os erros da derrota (e de algumas vitórias conquistadas com risco desnecessário) e recuperar seu cinturão. Porém, uma fatalidade aconteceu e ele sofreu a lesão que tomou conta da internet por meses.
Mesmo com a cara desfigurada, Bisping faturou o combate. (dailymail)
Para mim, a carreira do maior lutador da história do UFC até o momento estava encerrada. Para ele, não. Anderson voltou a competir, teve uma vitória bacana contra Diaz (não foi a melhor das apresentações, mas o esforço foi ímpar!), problema o doping, polêmica e luta marcada contra alguém que o mirou por anos, Michael Bisping. Ele aparentou estar muito focado, foi provocado, respondeu bem (algo muito raro), teve uma postura mais polêmica nos dias de coletiva, pesagem e finalmente pisou no octógono mais uma vez. A expectativa? O velho Anderson de volta. A realidade? Algo completamente diferente. 

Onde foi parar este Anderson? (Graciemag)
A postura foi a mesma, se garantindo no seu poder de esquiva e contra ataque fatal. Mas há um problema, o corpo não responde mais da mesma maneira. Anderson precisou sofrer um knockdown para poder aterrizar e lutar de verdade. A luta já estava 20-18 para o inglês e, mais um round, fecharia a conta por pontos para Bisping. Na minha contagem pessoal, eu concordo com os juízes, Bisping teve mais volume de luta, tomou mais o centro e levou a conta. Contudo, não acho absurdo quem marcou o assalto para o brasileiro. O problema não foi a derrota por pontos, porém deixar acontecer dessa forma é o grande erro. Spider deixou muito claro que poderia acabar a luta no momento que quisesse, pois o inglês estava só o molho pomodoro no fim do duelo. Eu entendo que estamos falando de um senhor de quase 41 anos, precisando dosar a energia para aguentar 25 minutos de porrada, não obstante ele perdeu o combate na sua auto confiança e na estratégia equivoca, aliás, um problema crônico das equipes brasileiras que não aparentam nenhuma melhora nisso! E pior, Anderson continua não tendo a humildade em reconhecer que seu estilo de jogo tem um alto risco, depois que a luta cai nas mãos dos juízes, não adianta falar de corrupção.

Anderson Silva já fez meus olhos brilharem. Seus momentos de genialidade estão eternizados e farão parte de todas os highlights do UFC. Contudo, se ele quiser continuar lutando, precisa entender que neste esporte o significado de "dar espetáculo" é terminar a luta ou proporcionar uma batalha campal, digna de um verdadeiro artista marcial. Não precisa ficar copiando Ali e Bruce Lee, não foi assim que o cinturão foi conquistado e mantido por quase sete anos. Anderson precisa voltar a ser sanguinário, feroz, disposto a acabar o combate o mais rápido possível! Alguém deveria lembrado que ele é o Aranha, e aranha não brinca com suas presas, ela monta sua teia e as devora, assim como o Silva dos tempos áureos.