sábado, 6 de junho de 2015

Crise dura pouco e Barcelona volta a dominar o mundo

Durou pouco a seca de títulos de Champions League para o Barcelona, após a dinastia implantada por Pep Guardiola, coube a Luis Enrique desafiar um vestiário quebrado e resgatar o bom futebol de Lionel Messi. O penta veio com muita justiça, gigantes foram desbravados, o talento foi esbanjado e a Orelhuda é recebida com mérito, empenho e muita qualidade técnica. Um ano após o Real Madrid conquistar sua décima taça de Liga dos Campeões, o Barça ofusca o ano merengue e volta a levantar o trofeu, foi o quarto só no século XXI, é o maior clube do novo milênio.
Bicampeão da tríplice coroa, o Barcelona conquistou tudo que podia na temporada 2014/2015. (Tribuna do Cisco)
Enrique não é aquele técnico talentoso como Pep Guardiola se tornou, para falar a verdade, o treinador do Barcelona era um craque dentro das quatro linhas, mas sua primeira temporada comandando os Blaugranas foi impecável. Superou crises contra o principal jogador do clube, desafiou meninos mimados que não aceitavam substituição, recebeu Luis Suárez, foi paciente com o uruguaio e foi coroado com a tríplice coroa, apenas a segunda na história do clube catalão. Dentro de campo, um trio tomou conta da temporada, modificou o estilo consagrado e reinventou o azul-grená. Messi, Suárez e Neymar assumiram o protagonismo, marcaram mais de 100 gols em pouco menos de um ano e desmembraram os campeões de Alemanha, França, Itália o vice-campeão inglês.

Enrique superou desconfiança e conquistou tudo o que
 disputou, ganhou a carreira! (Reprodução: UEFA/Facebook)
No meio de campo, tivemos a emocionante despedida de Xavi que, diferentemente do que a imprensa fala, não ganhou tudo que poderia ter ganhado, a Copa das Confederações não vale quase nada, mas a Espanha de Xavi decepcionou duas vezes. Apesar disso, Xavi foi um gigante e merece todos os aplausos e homenagens, o futebol europeu perde um dos maiores meias que já possuiu, foi o fim do maior pensador de jogo do século. Todavia o Barcelona conseguiu manter bons herdeiros na posição, o sempre impecável Iniesta não consegue ir mal em jogo algum, é aquele jogador irritantemente regular, eu não me recordo de uma má partida do craque pelo Barcelona (e não, as enfiadas do Bayern em 2013 não foi culpa do camisa 8).

Para encerrar o meio de campo, pensemos no principal herdeiro da posição, Ivan Rakitic deixou o Sevilla como campeão da Liga Europa, recusou Atlético e Real e assinou com o Barcelona. Superou a desconfiança, desapareceu em algumas partidas, no geral, foi o cara que o Barça precisava. O croata assumiu a camisa 4 que Fàbregas deixou, os catalães abriram mão de uma cria da canteira e bancou um novo atleta, foram bastante recompensados. Busquets...É o Busquets, um jogador chato, que catimba e tira a paciência de qualquer adversário, mas é muito eficiente e intocável no elenco.

Chegamos ao setor defensivo, o ponto no qual o Barcelona sempre foi mais criticado, Puyol deixou muita saudade, principalmente quando ainda não havia se aposentado, ainda permanecia lá, comprometido por lesões, castigado ao ver o seu time do coração cair diante de tantos adversários. Uma Copa do Mundo terrível e um início de temporada irregular praticamente selaram a saída de Piqué do clube ao qual ele é apaixonado, era hora de mudar! O zagueiro não queria sair e notou que precisaria voltar a jogar bola para poder comprovar a torcida e a crítica que ainda é um atleta de alto nível. Sua atuação na noite de hoje provaram à todos que ele é o cara certo para liderar a defesa catalã, foi o melhor jogador em campo!

Javier Mascherano não é zagueiro de origem, além disso, é muito baixinho, não tem o vigor físico comparado a Piqué por exemplo. Além disso, o seu nervosismo inicial por pouco não comprometeu a atuação do time na final de hoje, eu sou o dos que defende Masch como volante, aquele líder em campo. Na temporada, Mascherano foi muito bem, um dos protagonistas no Barcelona campeão espanhol, a melhor defesa da história do clube em La Liga, apesar de muitas críticas, ele está firmado na posição, é peça garantida no elenco. Nas laterais existem um jovem que cada vez mais se mostra apaixonado pela Catalunha, Jordi Alba acabou de renovar o contrato com o clube, desde que chegou, jamais decepcionou, é o lateral esquerdo que o futebol espanhol tanto procurou por tempos.

No lado direito, vimos altos e baixos daquilo que foi o melhor companheiro que Lionel Messi já teve, Daniel Alves foi muito bem, sempre se doou ao máximo quando vestiu a camisa do Barcelona. Nos últimos anos, muitos mais baixos do que altos, sua saída estava praticamente sacramentada, porém uma punição ao clube catalão e uma fase impecável de mata-mata do lateral fizeram presidente e técnico repensaram na permanência do brasileiro. Não duvido que ele fique, ele jogou muito bem na reta final, foi o cara que abriu caminho para a vitória contra o Bayern de Munique no momento em que o jogo estava complicado, apesar de tudo, não renovaria, acho que o fim ideal do casamento seria este, com mais um triplete.

Se tratando de conquistas do Barcelona, uma figura sempre estava presente, este ano não vimos Victor Valdés, ele deixou a Espanha e assistiu de longe a consagração de dois novos goleiros. Um mais experiente, Claudio Bravo foi até melhor que o seu reserva, mas nem por isso deixou de ser preterido nos jogos de copas, Ter Stegen é mais jovem, mas o seu talento também mereceu muitos aplausos. Teve pênalti de Agüero defendido, teve defesas importantes diante do Bayern e teve a segurança necessária contra a Juventus. Pode-se dizer que hoje o Barcelona tem goleiro titular e reserva de muita qualidade, é um time completo!

O Barcelona foi o time da temporada, após anos complicados na era pós-Guardiola, ele voltou ao topo sem muita demora, sofreu nos tempos de Tito Vilanova e com Tata Martino, tudo bem que nem o saudoso técnico espanhol muito menos o argentino sem grife possuíam um elenco tão completo, mas os méritos principais vão para Luis Enrique. O homem que encerrou com a filosofia tiki-taka, observou o talento de cada setor e extraiu o melhor de cada, sendo assim o Barça volta a ser o mais temido do planeta e volta a não ter adversários diretos no atual momento, todos os demais gigantes sucumbiram diante dos Blaugranas.
O gol de Rakitic no detalhe, lance abriu caminho para o penta catalão. (Reprodução: UEFA/Facebook)
Fim da temporada 2014/2015 do futebol europeu, siga conosco, no decorrer da semana apresentaremos um raio-x da Liga dos Campeões, os destaques, os fracassos, o melhor jogador, a revelação e muito mais.

Grande abraço e parabéns ao Barcelona, o bicampeão da tríplice coroa!