quinta-feira, 12 de março de 2015

Lewis, Nico, Mercedes... De novo?!

Diferente do início da temporada passada, a FIA modificou muito pouco e a Fórmula 1 2015 deverá ter a mesma pegada de 2014, com uma Mercedes pisando fundo e as demais equipes apelando para grandes pilotos. Várias estrelas em carros mais ou menos, o que mais chamou atenção na pré-temporada foi a dança das cadeiras, Fernando Alonso enfim deixou a Ferrari após um casamento fracassado, o espanhol terá um trabalho bastante árduo frente a nova McLaren. Sebastian Vettel saiu do berço da RBR e tem um desafio que nem Fernando Alonso conseguiu vencer, dominar o problemático carro da escuderia italiana, necessita-se mais do que quatro títulos mundiais para ultrapassar os limites de uma equipe em crise.

Felipe Massa terminou a temporada passada em alta, vencendo seu companheiro Bottas e mostrando que ainda é capaz, a verdade é que a Williams é quem pode competir com a Mercedes, isto é, a Williams e Daniel Ricciardo, de qualquer forma, o Brasil também será representado por Felipe Nars, veremos se o Brasil tem potencial ou se vamos ver as cenas de Bruno Senna ou Nelsinho Piquet se repetirem, que ronquem os motores!
A nova temporada vem com novidades nos boxes das equipes. (Tribuna do Cisco)

Hamilton é a principal moda da F1
 hoje em dia. (Facebook: Kalmar Visual Art)
Mercedes AMG: Avassaladora em 2014, a Mercedes provou porque o trabalho de projeto dar resultado, não só encerrou com a hegemonia de Vettel, como colocou os seus dois pilotos nos dois lugares mais altos do pódio, para 2015 as expectativas são que Hamilton e Rosberg duelem com mais ferocidade. Se ano passado Hamilton dominou e mostrou que ganhou muita experiência, foi um bicampeonato muito mais maduro que o primeiro em 2008, o inglês hoje é um piloto completo, não só um fenômeno jovem, é novamente favorito, possui o melhor carro, veremos o tricampeonato? Se depender de Nico Rosberg, não! O alemão aprendeu com os erros da temporada passada, agora ele quer a revanche, quer levar a F1 de volta para a Alemanha e entrar no hall de campeões do mundial, competência e talento ele tem, somado de uma equipe fora do comum, é o time a ser batido.

Ferrari: Obcecada por Sebastian Vettel desde que o mito surgiu, a Ferrari se aproveitou do mau momento do piloto alemão e da escuderia austríaca para convencê-lo a deixar a RBR e se aventurar na guerra dos italianos contra os carros mau desenvolvidos, nem Alonso aturou. Se ano passado a Ferrari apostou em um Dream Team formado por multicampeões, para 2015 a equipe não teve pena em liberar Alonso, mantém a essência em apostar em campeões mundiais, mas apostar em Vettel ainda é somar juventude e sede por glória, talvez dê certo, mas vale lembrar que o desempenho de Raikkonen caiu drasticamente desde que ele deixou a Renault para retornar a Ferrari, pode ser um sinal de que o Vettel errou ao não renovar com a RBR. Mesmo possuindo uma camisa muito pesada, a Ferrari está próxima de completar dez anos sem nenhuma conquista, o desafio dos italianos é muito complexo e vai além de ganhar GPs e somar pontos, o time terá que se entender por inteiro, dos mecânicos aos pilotos, dos pilotos com os carros, o ego terá que ser deixado de lado, a história terá de ser priorizada. Aposto em mais um ano dramático para a Ferrari.
Vettel agora veste as cores da Ferrari. (Ferrari)
Ricciardo: de sensação a conquista? (Getty Images)
Red Bull Racing: Mais pés no chão e focada na reconquista da Fórmula 1, a RBR deixou de lado a história construída junto com Sebastian Vettel e priorizou a aposta na grande sensação de 2014, Daniel Ricciardo provou seu valor, venceu Grande Prêmios e apresentou grande evolução, deixou boa impressão e agora tem na temporada 2015 a chance de buscar voos mais altos, será o ano de afirmação. Para lutar ao lado do australiano, a RBR decidiu repetir a aposta e não brigou para contratar pilotos renomados, escolheu Daniil Kvyat, um russo de apenas 20 anos que pode surpreender como Ricciardo surpreendeu, mas terá que construir aos poucos sua história, afinal de contas, será sua segunda temporada na Fórmula 1, a inexperiência é o fator que pode desequilibrar negativamente para o jovem piloto. A RBR é uma verdadeira incógnita para 2015, diria que Ricciardo deve ajudar a equipe a somar pontos importantes, mas os austríacos ainda estão bem atrás da Mercedes hoje em dia.

Felipe Massa encerrou 2014 em grande forma. (Photo-4)
Williams: Fortíssima em seu retorno a Fórmula 1, a Williams foi crescendo aos poucos e terminou a temporada com Felipe Massa brigando curva a curva contra nada mais, nada menos que o campeão Lewis Hamilton, a expectativa é que o time consiga ser o adversário contra a hegemonia da Mercedes. Felipe Massa voltou a mostrar repertório, ainda falta poder de decisão ao brasileiro, ele precisa desse algo mais para retornar ao lugar mais alto do pódio, já está mais do que na hora de ouvirmos o hino nacional do Brasil na F1. Valtteri Bottas, finlandês de 25 anos é o jovem mais promissor da Fórmula 1 nos dias de hoje, talvez Daniel Ricciardo seja junto a ele, mas a verdade é que ninguém evoluiu tanto quanto o jovem da Williams, a equipe está criando um piloto para no futuro se tornar campeão mundial. Ele aprende com os erros, os acertos, com o parceiro Felipe Massa e com as diversidades das pistas, Bottas é nome certo para o futuro que se espera para a F1, ele pode sim ajudar a Williams a surpreender em 2015, é esperar para ver!

Acidente por pouco não
 tirou Alonso da F1. (McLaren)
McLaren: Prometendo muito ao final de 2014, a McLaren acertou nova parceria com a Honda, seria o caminho para voltar ao pódio? Os resultados da pré-temporada provam que não, mas a equipe não é de se jogar fora, três títulos mundiais nas mãos de dois pilotos, tudo bem que Button jamais conseguiu ser o mesmo após o título pela extinta Brawn GP (hoje Mercedes), sem falar que Fernando Alonso precisará de uma readaptação após retornar ao time inglês, ele também irá precisar se readaptar a Fórmula 1, isso porque o forte acidente quase o tirou das pistas, o espanhol chegou a perder parte da memória e retornou a 1995, talvez a McLaren precise voltar aos anos 1990 para conseguir voltar a ser o que era, difícil, difícil! Tempos difíceis devem seguir rondando os boxes dos ingleses/japoneses da McLaren/Honda.

Lotus: Após um 2014 para se esquecer, a Lotus tenta arrumar a casa para poder dar trabalho em 2015, foram apenas 10 pontos somados no ano passado, números baixíssimos para uma equipe tão renomada. Os pilotos foram mantidos, Grosjean e Maldonado terão que mostrar que a confiança depositada não foi à toa.  A Lotus terá que ter bastante paciência na nova temporada que se inicia, será um ano de calmaria, talvez menos carros quebrados e menos ousadia de Grosjean, muita cautela em um ano de ventos leves na escuderia amarela e preta da Inglaterra.

Force India: Uma ótima surpresa, a Force India terá que trabalhar duro para repetir o bom desempenho de 2014, onde conseguiu ser a melhor equipe entre as pequenas, somando 155 pontos e terminando com a sexta colocação no mundial de construtores. Sergio Perez superou a desconfiança após fracassar na McLaren, o mexicano voltou a ter um ótimo desempenho na equipe inglesa/indiana. Do outro lado, temos Nico Hulkenberg, o alemão de 27 anos que chega a sua quinta temporada pela Force India, um piloto mediano em uma equipe mediana e é o meio da tabela que a escuderia ambiciona, deve conseguir repetir o feito de 2014.

Toro Rosso: Grande exportadora de pilotos para o “irmão rico”, a Toro Rosso manterá a fórmula de apostar em jovens nomes para ocupar lugares nos bancos de seus carros. Para 2015, temos um espanhol de 20 anos e holandês de apenas 17, Carlos Sainz Jr e Max Verstappen tentarão ser o que um dia foram Ricciardo e Kvyat, a juventude é um fator que atrapalha os dois, mas os pilotos da Toro Rosso já mostraram que inexperiência não compromete o desempenho do piloto, 2015 será mais um ano para a equipe buscar manter o bom retrospecto e o tabu.

Sauber: Encerrando o número de equipes na temporada, a Sauber vive um imbróglio complicadíssimo, isso porque a equipe havia apostado no sueco Marcus Ericsson e no brasileiro Felipe Nars, tudo corria bem até então. Porém o holandês Van der Garde havia assinado um acordo com a equipe para ser titular em 2014, a Sauber não cumpriu com o contrato e perdeu a batalha no tribunal, agora, os suíços terão que optar entre o já experiente sueco de 24 anos ou o jovem brasileiro. Um caminho já complicado que deve atrapalhar demais a temporada da Sauber, tem tudo para ser o patinho feio da temporada, deve segurar a lanterninha entre os construtores.

Com a enxugada de equipes para 2015, a Fórmula 1 viu Marussia e Caterham deixaram o grid, mas a adrenalina que só a F1 apresenta seguirão vivos para a temporada. Embora a Mercedes deva dominar novamente, temos novos casamentos firmados, o que esperar de Sebastian Vettel vestindo outras cores? Justamente as cores da Ferrari, a mítica equipe, a maior de todas na história. Ainda veremos o retorno de Fernando Alonso a McLaren, o espanhol ainda tem fôlego para conquistar o tricampeonato? A última conquista de Alonso foi em 2006. Para o Brasil a calmaria, Felipe Massa provou em 2014 que não está em fim de carreira, esperamos vida nova para o bom piloto brasileiro, também estamos na torcida para que Felipe Nasr seja escolhido pela Sauber e que apresente um bom desempenho, que comece a temporada e que vençam a melhor equipe e o melhor piloto!

Palpites:

Piloto – Lewis Hamilton

Escuderia – Mercedes

Quem deve brigar:

Piloto – Nico Rosberg

Escuderia - Mercedes

Quem corre por fora:

Piloto - Daniel Ricciardo

Escuderia – RBR

Quem pode surpreender:

Piloto – Valtteri Bottas

Escuderia - Williams