quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Brasil na América – Rodada 1

A primeira rodada da Taça Libertadores da América reuniu, entre os brasileiros, nada mais nada menos que sete conquistas, exceto o Cruzeiro não entrou em campo nesta semana. Apesar das expectativas, apenas um clube conseguiu vencer, os outros três perderam, não convenceram e já colocam medo nos apaixonados torcedores, confira!
Só o Corinthians conseguiu vencer entre os brasileiros até então. (Tribuna do Cisco)
The Strongest-BOL 3 x 1 Internacional: Em meio a um turbilhão de modificações em relação a temporada passada, o Internacional mostrou o quanto precisa melhorar para o restante de 2015, uma derrota catastrófica diante do The Strongest já coloca o Colorado em uma situação desconfortável no grupo 4 da Taça Libertadores. Nem mesmo Anderson, a grande (e péssima) contratação do Inter para a temporada não suportou alguns minutos na altitude de La Paz, não me recordo o último grande jogo que o meia conseguiu ser protagonista. Ainda antes da saída de Andow, o Colorado já perdia por 2 a 0.

Inter não viu a cor da bola na altitude de La Paz.
(Diego Guichard)
Ficou visível a indignação de D’Alessandro com a falta de qualidade e motivação de seu time, o meia era o único que parecia correr em busca de melhora, foi por conta do camisa 10 que o clube descontou no início do segundo tempo, o gol de pênalti até que poderia melhorar os gaúchos... Fato que o tempo tratou de responder negativamente. O elenco de Aguirre tinha peças boas, Aránguiz, o meia Vitinho, o atacante Rafael Moura, mas a falta de motivação e a falta de qualidade técnica comprometeu a situação dos brasileiros que ainda viram Chumacero (o craque do jogo) marcar o seu segundo gol no jogo e o terceiro dos bolivianos.

O Inter que ainda viu Nilmar ser expulso (o atacante está irreconhecível nesse retorno ao Beira-Rio), agora vai ter uma dura missão de encarar a Universidad de Chile, a esquadra que não vive boa fase, mas certamente dará trabalho diante do pressionado Colorado bicampeão da América. Tempos difíceis esperam o Internacional para 2015, o atual elenco tem a cara do fracasso.

Ficha Técnica:

Local: Estádio Hernando Siles, em La Paz (BOL)

Data: 17 de fevereiro de 2015, terça-feira

Horário: 22h30 (de Brasília)

Árbitro: Adrián Vélez (COL)

Assistentes: Wilmar Navarro (COL) e Rafael Rivas (COL)

Cartões amarelos: Veizaga e Centurión (The Strongest); Alan Costa, Fabrício e Nilton (Internacional)

Cartões vermelhos: Nilmar (Internacional)

GOLS:

THE STRONGEST: Chumacero, aos 10, e Ramallo, aos 14 minutos do primeiro tempo; Chumacero, aos 40 minutos do segundo tempo

INTERNACIONAL: D’Alessandro (pênalti), aos 3 minutos do segundo tempo

THE STRONGEST: Vaca; Wayar, Centurión, Marteli e Torrico; Castro, Veizaga, Ramallo (Méndez), Chumacero (Batjer) e Cristaldo (Soliz); Escobar
Técnico: Néstor Craviotto

INTERNACIONAL: Alisson; Léo, Ernando, Alan Costa e Fabrício; Nilton, Aránguiz, Anderson (Vitinho) e D’Alessandro; Eduardo Sasha (Rafael Moura) e Nilmar
Técnico: Diego Aguirre

Corinthians 2 x 0 São Paulo: O ponto alto da semana de estreia de Libertadores reuniu Corinthians e São Paulo num inédito clássico Majestoso, a rivalidade que aumenta a cada ano. Nos 90 minutos, superioridade impressionante do Timão, com apenas dois meses de trabalho, Tite já conseguiu dar sua cara a equipe montada por Mano Menezes, hoje, o elenco tem confiança e o apoio do técnico, tornando o Corinthians o principal favorito na competição entre os brasileiros.

O São Paulo sofreu demais, jogando pouco, mal escalado e um camisa 10 muito discreto, Ganso mais some do que aparece em sua passagem pelo tricolor paulista. Muricy errou feio ao escalar Michel Bastos como lateral esquerdo, o cara nunca conseguiu render o esperado nessa posição (pecado primeiramente desenvolvido por Dunga), com isso, o meio campo não conseguiu produzir alguma chance para o belíssimo ataque (Luís Fabiano e Alan Kardec) concluir em gol.

No segundo tempo, Muricy Ramalho tentou solucionar o problema colocando Reinaldo na esquerda e fazendo Bastos subir para a ponta, mas era tarde demais, o tricolor já perdia o jogo graças a uma trama protagonizada por Elias (que anotou a pintura), Danilo e Jadson. Mesmo com polêmica, o Timão chegou ao segundo gol com o talento de Emerson, o brasileiro-catariano continua no auge da forma, o apoio de Tite fez com que o atacante mostrasse que ainda pode correr e render em alto nível, a prova disso foi a arrancada e o passe para Jadson driblar e concluir em gol, o segundo gol do alvinegro que matava ali a partida na Arena Itaquera.
Jadson liquidou a fatura no clássico Majestoso. (Estadão)

2 a 0 e fim de papo, o Corinthians segue voando no início de temporada, enquanto o São Paulo ainda não se entendeu após a saída de Kaká, reforçou a equipe muito mal e o bom zagueiro Dória estreou com muito medo de falhar, falhou como todo o resto do elenco. Assim como em 2013, o São Paulo dá mostras de que pode penar na fase de grupos como penou quando fez parte do grupo do Atlético Mineiro (campeão daquele ano), precisa mudar urgentemente, caso contrário, o fim da carreira de Rogério será melancólico e ele não merece algo do tipo.

Na próxima rodada, o Timão vai até Buenos Aires enfrentar o atual campeão da Libertadores, é bem verdade que o San Lorenzo não vive a mesma fase do ano passado, muito menos foi um grande campeão, além do mais, o Corinthians terá a vantagem de jogar num estádio sem torcida, o Ciclón cumprirá punição logo contra a principal arma do Brasil na Libertadores... Pobres argentinos! O São Paulo vai jogar dentro do Morumbi contra o patinho feio do grupo da morte, o Danúbio, tem tudo para se recuperar e somar os primeiros três pontos após o fiasco no clássico Majestoso.

Ficha Técnica:

Local: estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)

Data: 18 de fevereiro de 2015, quarta-feira

Horário: 22h (de Brasília)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)

Assistentes: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Guilherme Dias Camilo (MG)

Público: 39.029 espectadores (38.029 pagantes)

Renda: R$ 3.528.236,00

Cartões amarelos: Felipe (Corinthians); Denilson, Ganso e Luis Fabiano (São Paulo)

Gols: Elias, aos 11 minutos do primeiro tempo, e Jadson, aos 22 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Felipe, Gil e Fábio Santos; Ralf; Jadson (Mendoza), Elias (Bruno Henrique), Renato Augusto e Emerson (Malcom); Danilo
Técnico: Tite

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno, Rafael Toloi, Dória e Michel Bastos; Denilson, Souza, Maicon (Thiago Mendes) e Ganso; Alan Kardec (Reinaldo) e Luis Fabiano
Técnico: Muricy Ramalho

Campeão da Copa do Brasil,
 Galo sente a ausência de Tardelli. (Reuters)
Colo-Colo-CHI 2 x 0 Atlético Mineiro: Último dos brasileiros a estrear na semana (com exceção do Cruzeiro que só entra em campo na próxima semana), o Galo Mineiro mostrou que não há vida sem Diego Tardelli, pelo menos por enquanto, uma derrota vexatória com direito a frango do goleiro Victor e a excepcional marca do atacante Jô, um ano sem marcar um gol sequer. O time de Minas, campeão da Copa do Brasil, não foi tão mal como o Internacional, até porque tem uma equipe mais consistente, mas a decisão de Levir de manter Jô e demais atletas polêmicos foi um tanto quanto piedosa demais, o time precisa de reforços que encaixem perfeitamente para o momento que o clube vive, Lucas Pratto não esteve em campo.

O Colo-Colo não vive uma das melhores fases, mas a facilidade que encontrou nos dois gols deixou o caminho mais fácil para os chilenos, quis o destino que o principal herói da conquista do Galo em 2013, Victor, falhasse feio no primeiro gol. O segundo veio num momento em que o Galão da Massa poderia e até tentava reagir, mas o impacto trazido pelo segundo gol afetou demais a situação dos mineiros, agora, terão que correr atrás para buscar reabilitação no grupo 1 da Taça Libertadores 2015, torneio que confirma o que prometera.

A Arena Independência será o local perfeito para a recuperação do Atlético, isso já na próxima semana, onde o clube vai receber o também derrotado Atlas, tem tudo para conseguir a vitória e somar seus primeiros pontos no torneio.

Ficha Técnica:

Estádio: Monumental (Santiago)

Público: 40.000

Árbitro: Mauro Vigliano. Auxiliares: Juan P. Bellati y Ezequiel Brailovski (Argentina).

Gols:

Colo Colo: Flores (38), Paredes (66)

Cartões amarelos:

Atlético Mineiro: Silva (46), Rafael Carioca (59), Jemerson (81)

Escalações:

Colo Colo: Justo Villar - Gonzalo Fierro, Christian Vilches, Julio Barroso (Leonardo Cáceres, 46), Jean Beausejour - Esteban Pavez, Jaime Valdés, Humberto Suazo - Juan Delgado (Emiliano Vecchio, 73), Esteban Paredes e Felipe Flores (Claudio Baeza, 84). T: Hector Tapia.

Atlético Mineiro: Víctor - Patric, Leonardo Silva, Jemerson, Pedro Botelho - Leandro Donizete, Rafael Carioca (Dodo, 64), Luan, Jesús Dátolo - Maicosuel e Jô (Cesinha, 74). T: Levir Culpi.