sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Brasil na América - Rodada 1 e 2


Rodada 1 – Grupo 3

Universitario Sucre-BOL 0 x 0 Cruzeiro: Bicampeão do Brasil, a Raposa está realmente enfraquecida, mas isso não quer dizer que o time seja ruim, afirmo até que com um time mais humilde, Marcelo possa desenvolver melhor o plantel para brigar pelo título mais importante das Américas. Vale lembrar que o Cruzeiro chegou a final da Libertadores em 2009, quando foi surpreendido dentro de casa contra o Estudiantes de Verón, uma cicatriz difícil de ser curada.

Raposa não saiu do zero, mas suportou a altitude. (Facebook)
Na estreia, um jogo bem abaixo do esperado, vimos um Cruzeiro ainda tímido contra um fraco Universitario Sucre que pouco ameaçou o maior clube brasileiro na atualidade. No lado azul celeste, tivemos uma estratégia de cozinhar a partida e no mínimo arrancar o empate, mesmo pouco ameaçado, o Cruzeiro saiu no lucro, isso porque Joel acabou expulso, o camaronês tem sido uma boa contratação para o lado azul das Minas Gerais.

O lado positivo, além do empate por 0 a 0, foi que o Cruzeiro soube muito bem lidar com a altitude de 2800 metros de Sucre, o time não sentiu e jogou de igual para igual durante os noventa minutos, diferente do Internacional na semana passada, provando que a Raposa é bem mais forte que o Colorado no atual momento. Com muita expectativa para a disputa do torneio, o Cruzeiro vai receber o Huracán no Mineirão já na próxima semana (03/03), o objetivo é golear e se distanciar no grupo, tem tudo para conseguir já que o grupo está todo empatado.

Ficha Técnica

Local: Estádio Olímpico Pratia, em Sucre (Bolívia)

Data: 25 de fevereiro de 2015, quarta-feira

Horário: 22 horas (de Brasília)

Árbitro: Omar Ponce (EQU)

Assistentes: Carlos Herrera e Luis Vera (EQU)

Cartões amarelos : Gonzáles (Universitário Sucre). Willian Farias (Cruzeiro)

Cartão vermelho : (Cruzeiro) Joel

UNIVERSITÁRIO DE SUCRE-BOL: Robles; Camacho, Gonzáles, Filipetto e Ballivián; Ribera (Mercado), Silvestre (Urdininea), Cuesta, Bejarano e Castro; Palavicini
Técnico: Baldivieso

CRUZEIRO: Fábio; Fabiano, Paulo André, Léo e Mena; Henrique, Willian Farias (Willians), Marquinhos e De Arrascaeta (Judivan); Willian (Joel) e Leandro Damião
Técnico: Marcelo Oliveira

Rodada 2 – Grupo 1

Atlético decepciona e fica a perigo. (Getty Images)
Atlético MG 0 x 1 Atlas-MÉX: A decepção do futebol brasileiro até então entrou em campo em sua Arena Independência para conseguir a primeira vitória na Libertadores, isso porque o clube havia sido engolido pelo Colo-Colo na estreia em terras chilenas. O time de Levir Culpi parece não se entender em campo, Tardelli saiu e levou meio time consigo, o futebol de Dátolo se apagou e olhe que já não era aquela coisa toda, Luan é mais talismã que craque e Pratto não está a altura do ex-camisa 9 do Galo.

O jogo caminhava para um morno 0 a 0, até que nos momentos finais os mexicanos deram o bote certeiro e nem Victor conseguiu fazer milagre, Suárez anotou o gol que garantiu os primeiros três pontos da equipe do México. O Atlético já soma duas derrotas em dois jogos, se quiser classificação, o ideal é que vença as próximas quatro partidas, vale destacar que o adversário do Atlético na terceira rodada será o Santa Fé, clube com 100% de aproveitamento, na casa do adversário, parece que temos o primeiro vexame de 2014 no grupo 1.

Ficha Técnica

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data: 25 de fevereiro de 2015, quarta-feira

Horário: 19h45 (de Brasília)

Árbitro: Dario Ubriaco (URU)

Assistentes: Mauricio Espinosa (URU) e Nicolas Taran (URU)

Cartões amarelos : Victor (Atlético-MG). Medina, Vilar (Atlas)

GOL: ATLAS-MEX: Suárez, aos 41 minutos do segundo tempo

ATLÉTICO-MG: Victor; Patric, Leonardo Silva (Edcarlos), Jemerson e Lucas Cândido; Rafael Carioca, Leandro Donizete (Cárdenas), Dátolo e Maicosuel (Dodô); Luan e André
Técnico: Levir Culpi

ATLAS-MEX: Vilar; Venegas, Pérez, Kannemann e Castillo; Medina, Rodríguez, Rodrigo Millar (Treviño) e Keno (Suárez); Caballero (Barragán) e González
Técnico: Tomás Boy

Rodada 2 – Grupo 2

São Paulo 4 x 0 Danúbio-URU: Era a partida que o São Paulo precisava, após a derrota para o Corinthians na estreia, o Tricolor tinha que golear com o apoio de sua torcida, conseguiu! É verdade que o Danúbio é um dos fortes candidatos a pior equipe da edição 2015 da Taça Libertadores, é também verdade que o grupo da morte não é tão mortal assim, mas Muricy e seus comandados deram provas de que podem jogar de igual para igual contra os adversários, ainda tem muito a evoluir e a camisa pesada joga a favor.

Pato foi o destaque entre os times
 brasileiros na semana. (São Paulo FC)
A boa partida de Alexandre Pato (dois gols) apresenta a Muricy Ramalho ótimas opções no próprio banco dos paulistas, que ainda viram o lateral esquerdo reserva (Reinaldo) e a contratação que tem começado no banco (Jonathan Cafu) ampliarem e garantirem os quatro gols a zero, foi uma festa que reanimou técnico e torcida, era aquilo que o clube mais precisava, foi um planejamento bem feito após uma semana bastante turbulenta.

O destaque da equipe são-paulina tem sido Michel Bastos, o meia multifuncional se adaptou com muita facilidade no time titular, se tornando peça fundamental para o rendimento do onze inicial, com Michel em campo dificilmente o São Paulo perde. Na terceira rodada, que só acontece no dia 18 de março, o São Paulo recebe o atual campeão da América, o San Lorenzo que não vive boa fase, tem tudo para garantir mais três pontos e encaminhar a classificação no nada temido grupo da morte.

Ficha Técnica

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)

Data: 25 de fevereiro de 2015, quarta-feira

Horário: 22 horas (de Brasília)

Árbitro: Enrique Osses (CHI)

Assistentes: Francisco Mondria (CHI) e Claudio Rios (CHI)

Cartões amarelos: Denilson, Bruno, Dória (São Paulo); Agustín Peña, Ignacio González, Joaquín Pereyra, Matías Castro (Danubio)

Cartão vermelho: Hamilton Pereira (Danubio)

Gols: SÃO PAULO: Alexandre Pato, aos 4 e aos 40 minutos do primeiro tempo; Reinaldo, aos 24, e Cafu, aos 43 minutos do segundo tempo

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno (Thiago Mendes), Rafael Toloi, Dória e Reinaldo; Denilson (Hudson), Souza, Ganso e Michel Bastos (Cafu); Alexandre Pato e Luis Fabiano
Técnico: Muricy Ramalho

DANUBIO: Franco Torgnascioli; Agustín Peña, Matías de los Santos (Matías Velásquez), Fabricio Formiliano e Joaquín Pereyra; Luis Sosa, Renzo Pozzi, Hamilton Pereira e Ignacio González (Marcelo Tabárez); Bruno Fornaroli (Emiliano Ghan) e Matías Castro
Técnico: Leonardo Ramos

Rodada 2 – Grupo 4

D'Alessandro lidera o Colorado
na vitória sobre La U. (Reuters)
Internacional 3 x 1 Universidad de Chile-CHI: Encerrando a participação brasileira na semana, o Colorado jogou por reabilitação e deu um importante passo para recuperar prestígio no grupo 4, venceu a La U com muita facilidade e mostra que pode evoluir. Time muito bem liderado por D’Alessandro conseguiu acabar com as pretensões do chilenos que também não vivem boa fase e já somam duas derrotas no torneio.

O primeiro gol saiu dos pés do capitão e camisa 10 argentino, é impressionante como D’Alessandro se firmou no Beira- Rio, é sem dúvida o time pelo qual ele mais jogou e jogou bem. O segundo gol foi marcado por Jorge Henrique, aquele mesmo que quase foi posto para fora por Aguirre, pois é, ele fez o gol que praticamente matou o jogo, a partida ainda contou com o desconto de Canales e o decisivo de Eduardo Sasha, o Colorado conseguiu marcar três pontos e se reestabilizar na competição.

No desafio parecido com o do São Paulo, o Inter receberá o Emelec dentro do Beira-Rio, tem tudo para confirmar o favoritismo e chegar em primeiro no grupo 4, para isso o Colorado vai precisar mostrar que é mais que um bom elenco, que é um grupo unido e forte.

Ficha Técnica

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)

Data: 26 de fevereiro de 2015, quinta-feira

Horário: 20h15 (de Brasília)

Árbitro: Victor Carrillo

Assistentes: César Escano e Jorge Yupanqui (trio peruano)

Público: 35.833

Cartões amarelos: Léo (Internacional); Pereira, Espinoza, Maxi Rodríguez e Ubilla (Universidad de Chile)

GOLS:

INTERNACIONAL: D’Alessandro, de pênalti, aos 45 minutos do primeiro tempo; Jorge Henrique, aos 15, e Eduardo Sasha, aos 32 minutos do segundo tempo
UNIVERSIDAD DE CHILE: Canales, aos 21 minutos do segundo tempo

INTERNACIONAL: Alisson; Léo, Alan Costa, Réver e Fabrício; Nilton, Aránguiz, D’Alessandro (Luque) e Jorge Henrique (Freitas); Vitinho (Alex) e Eduardo Sasha
Técnico: Diego Aguirre

UNIVERSIDAD DE CHILE: Herrera; Magalhães, González, Suárez e Rojas; Pereira, Espinoza (Martínez), Ubilla (Cortés), Lorenzetti e Maxi Rodríguez (Benegas); Canales
Técnico: Martín Lasarte