sábado, 31 de janeiro de 2015

UFC 183: O UFC está precisando de Anderson, mas Anderson ainda precisa do UFC?

Salve, Salve! Teremos mais um final de semana com UFC para acompanharmos, quem dá as caras é nada mais, nada menos que Anderson Silva. Após mais de um ano, para alegria dos seus fãs, o lutador brasileiro volta à cidade em que sofreu a pior lesão da sua carreira. O MGM Garden foi o lugar onde ele perdeu seu cinturão e pode começar sua caminhada para recuperar o título de campeão dos médios do UFC. A grande pergunta que ronda os cassinos é “como se portará o Aranha no octógono?”. Na verdade, acho que muita coisa além do que vai acontecer nas grades.
Poster Oficial (UFC.com)



Anderson Silva foi o responsável por fazer o MMA o segundo esporte do brasileiro hoje (eu sei que isto não é estatístico, mas é o equivalente ao que o boxe foi nos anos 90) e lembro como hoje do início desse movimento  pró MMA e quando o UFC fincou seu espaço na TV aberta brasileira. A caminhada foi árdua, longa, ao ponto de transmissões no Sportv serem motivos de alegria para todos os fãs de lutas. Aliás, foi graças a ela que Anderson teve sua primeira grande aparição, pois todos recordam a incrível finalização contra Chael Sonnen no UFC 117. Só que não foi ai que o Spider ficou famoso.
O pior momento da carreira de Silva é seu combustível para sua volta. (mmag.com)

Em fevereiro de 2011, Anderson Silva e Vitor Belfort disputaram o cinturão dos pesos médios e uma luta que teve uma cobertura bastante interessante. De fato, Anderson já havia passeado por alguns programas de televisão e sido alvo de algumas reportagens de como ele e outros brasileiros como Lyoto, Shogun, Cigano etc, estavam em alta no UFC. Só que neste duelo, ele não enfrentaria apenas um lutador, era alguém que já tinha ultrapassado a barreira do esportes há muito tempo, pois todo mundo lembra do Belfort participante da “Casa dos Artistas” e namorado da Feiticeira Joana Prado, nessa época, Belfort conseguiu a proeza de ter seu duelo contra Chuck Liddell televisionado ao vivo no SBT. Foi a primeira vez na minha vida que eu tive dificuldades para achar um lugar para ver a luta, não estou falando de um bar transmitir, mas de haver cadeiras livres para poder sentar. Fiquei com a impressão, o UFC tinha deixado de ser underground e já tinha um bom público, mas a verdade é que para muitos esse dia era o da luta de Belfort. Só que o chute no queixo desferido no primeiro round fez com que algo ficasse muito claro, aquela luta era de Anderson.

Só que a missão não havia sido completada, a Rede TV transmitia reprises do UFC desde 2009, o que fez com que o esporte adquirisse alguns novos fãs, era fácil perceber isso. Então a franquia americana resolveu comprovar que esse pessoal não era uma minoria quando confirmou que em agosto de 2011 teríamos um evento no Rio de Janeiro. A Rede TV, como parceira da franquia americana, conseguiu autorização para transmitir o card principal ao vivo, com Minotauro, Shogun e Anderson Silva escalados para lutar. Tivemos uma vitória surpreendente nesta noite! Não estou falando da manutenção de Silva com o cinturão, pois Okami não fez nem medo, mas da Rede TV ter liderado a audiência naquele horário, isso só provou uma coisa, o UFC tinha se tornado popular. O que aconteceu em seguida? A Globo comprou os direitos de transmissão e meses depois transmitiu a luta que fez Cigano se tornar o campeão dos Pesos Pesados.

Esse é o Anderson que o UFC precisa. (insidemma.com)
Eu acho que não é exagero afirmar que Anderson Silva foi o grande responsável pela popularização do UFC no Brasil. E por que o UFC está precisando de Anderson? Porque a audiência está em baixa (Isso quer dizer Brasil, EUA e o resto do mundo) e Anderson é o único grande vendedor de Pay-Per-View que está certo de retornar. Especula-se muito sobre a volta de Brock Lesnar e George Saint Pierre, o que faria muito bem para a imagem do UFC, mas a única realidade atual é Anderson (Okay, para os mais saudosistas, gostaria de informar que Cro Cop e Rampage estão de volta, mas não sei se é um motivo para comemorar). Então quer dizer que Anderson vai resolver os problemas do UFC? Não! Os gestores do UFC têm de perceber que tudo demais estraga. Em qualquer esporte existem pouquíssimos incríveis, poucos excelentes, alguns muito bons e vários medianos. Por um momento, o UFC só fazia evento repleto de lutadores muito bons e quase sempre com alguns excelentes e um ou dois incríveis, mas hoje tem um evento com vários medianos todo fim de semana na TV e ninguém quer pagar caro para ver isto.

Em outras palavras, a expansão do UFC foi mal planejada, parece que eles prezaram pela quantidade e esqueceram a qualidade. Mas pense bem, ver o Halem Globetrotters seria uma experiência incrível, não? E se eles jogassem todo ano quinze vezes no seu país, continuaria incrível? Eu acho que não. O UFC brincou um princípio básico da economia, a lei da oferta e demanda. Como? Eu ofereço vários eventos meia-boca e os vendo pelo preço de um evento TOP, assim, espero que todos comprem para que meu faturamento continue aumentando e continue, continue, continue. Mas não é permitido ser negligente com o cliente e achar que ele vai gostar do UFC porque em algum momento ele vai voltar a mostrar Spider! Não, nós somos consumidores e se o evento vale 100 reais, eu não vou pagar 300 nele. 

Esse é o Anderson que o UFC não precisa. (udirt.com)
Eu poderia mencionar alguns outros fatores que eu considero grandes influenciadores na queda de audiência do UFC. Como a falta de interesse nas categorias mais recentes (Mosca, Galo e Pena); a falta de carisma dos atuais campeões; a tentativa de promover os eventos como no WWE e muitos outros. Só que o UFC se vendeu o tempo todo como a nata das Artes Marciais Mistas, então, está na hora de voltar a ser. Esquecer que quantidade não é qualidade! E se for para usar da estratégia da quantidade, já que a concorrência de outros eventos pode incomodar, não queira vender carne de pescoço como se fosse filé mignon.
Ficou claro que o UFC está precisando de Anderson Silva e muito além. Só que eu ainda não respondi a pergunta inicial. Anderson ainda precisa do UFC? Quem acompanhou os fatos antes da luta contra Chris Weidman  lembra-se muito bem que era como já estivesse ganha e as “grandes lutas” começariam a fazer parte dos cards do UFC. Weidman venceu e Anderson mudou seu discurso para “Eu acho que eu não quero mais isso, Chris é o campeão. Tenho algumas propostas como ator e talvez esse seja meu caminho”.  Entre julho e dezembro Anderson mudou de ideia, lutou de novo e sofreu uma lesão horrível. Muitos pediram sua aposentadoria (eu sou um dos que acha que ele não deveria mais lutar), inclusive sua família expôs isso abertamente. Anderson falou que voltaria a lutar, mas não tinha interesse de ser o campeão de novo. Só que o discurso já mudou, e agora ele quer retomar o cinturão. Então, pelas palavras de Anderson, fica difícil saber se ele ainda precisa do UFC! Entretanto, como alguém que escreve neste blog há um bom tempo, minha opinião é que Anderson não precisa mais do UFC, a não ser que ele esteja realmente focado em ser o lutador que um dia foi e não o marqueteiro que não consegue ter uma atitude definida. A verdade é esta, Spider tem tudo para reerguer o UFC, o que resta saber é se ele vai querer.

O texto já está muito longo, por isso, vamos direto ao Card Principal. Só gostaria de frisar que Miesha Tate sempre tem minha torcida porque ela é muito linda! War Miesha!

Jordan Mein vs Thiago Alves

Jordan Mein é um jovem talentoso e em ascensão no UFC, dono de um excelente boxe com um grande poder de nocaute e uma movimentação intensa, o que facilita bastante para encontrar os espaços e distribuir seus socos precisos. Está com um histórico recente muito favorável contanto com cinco vitórias nas últimas seis lutas. Já Thiago Alves é uma figurinha carimbada na franquia, teve sua oportunidade de derrotar GSP em 2009, encarou um sério problema de saúde o que deixou afastado por um tempo e desde então oscila muito entre vitórias e derrotas. A luta é muito interessante para ambos, enquanto o brasileiro busca entrar no raking do UFC, o canadense provavelmente figurará entre o top 10. Sobre o combate, espero por um bom espetáculo, pois ambos são ferozes e preferem a luta em pé, o fator mais preponderante para o combate será a distância. Mein é oito centímetros mais alto que Alves e gosta de manter o oponente próximo para encaixar seus socos, soma-se a isto uma envergadura doze cm maior que a do brasileiro. Já Thiago possui uma boa base de Muay-Thai e sabe chutar como poucos nessa divisão, isso pode ser o caminho para poder atrapalhar o jogo de Mein e buscar até uma luta no chão, pois o brasileiro tem ligeira vantagem.
PALPITE: MEIN POR DECISÃO DIVIDIDA.

Thales Leites vs Tim Boetsch

Há quatro anos e meio Thales Leites não sabe o que é uma derrota! O brasileiro criticado por muito tempo por ser um lutador unidimensional, o que era de fato, foi para a Nova União e sob o comando de Dedé Pederneiras evoluiu bastante e deixou seu jogo muito mais híbrido. Tanto que desde que voltou para o UFC, Thales já conseguiu dois nocautes em quatro lutas realizadas. Tim Boetsch foi uma das grandes surpresas dos médios quando desceu para os médios em 2011 e ficou a uma luta de disputar o cinturão, mas acabou falhando e agora está oscilando entre derrotas e vitórias. Ambos lutadores possuem o grappling como base de luta, o americano o Wrestling e o brasileiro o BJJ. Em pé, acho que há uma pequena vantagem para “O Bárbaro” por conta do seu poder de nocaute, já que Boetsch pode não ser muito técnico, mas consegue desnortear qualquer um. Só que, se a luta for para o chão, acredito que Thales estará em ampla vantagem! Para mim, a estratégia do combate vai acabar determinando seu rumo final.
PALPITE: LEITES POR FINALIZAÇÃO NO SEGUNDO ROUND.

Joe Lauzon vs Al Iaquinta

Joe Lauzon é um dos meus lutadores favoritos, porque ele no cage é sinônimo de espetáculo. Ganhando ou perdendo, J-Lau sempre proporciona um verdadeiro show para os fãs do MMA.  Al Iaquinta é um típico funcionário do UFC, consegue vencer algumas lutas mas nunca demonstra nenhuma evolução para conseguir subir alguns degraus , mas é muito útil em derrotar aqueles que nunca nem deveriam ter entrado neste octógono. Sobre a luta, eu considero que há uma diferença de nível muito grande entre Lauzon e Iaquinta. Apesar de nenhum deles estar entre os quinze primeiros do ranking, Lauzon tem plenas condições de figurar e lutar contra os melhores. Neste combate posso resumir da seguinte forma, Lauzon é melhor em pé e infinitamente superior que o adversário no chão.
PALPITE: LAUZON POR FINALIZAÇÃO NO PRIMEIRO ROUND.

Tyron Woodley vs Kevin Gastelum

É uma luta bastante complicada de se prever porque ambos possuem estilos muito parecidos, possuem um background de wrestling, adquiriram boas habilidades de jiu-jitsu e são extremamente fortes. Alturas iguais, fora da luta, Kevin é um pouco mais pesado, mas Tyron possui uma envergadura um pouco maior. O que pode diferenciar mais é a velocidade do combate, já que o descendente de Mexicanos aparenta ser bem mais rápido. Em compensação, T-Wood é um verdadeiro ogro de forte e explosivo. Neste caso, eu acho que a luta vai se alongar um pouco mais, e a jovialidade do “Mini Velasquez” fará uma grande diferença. Só que, antes de postar, Gastelum foi hospitalizado e acho que isso influenciará bastante no resultado.

PALPITE: WOODLEY POR DECISÃO UNÂNIME.

Anderson Silva vs Nick Diaz

O escolhido para o retorno. 
(sherdog.com)
Nick Diaz é um lutador muito bom! Boxeador de primeira e com um Jiu-Jitsu de primeira linha, foi campeão da categoria dos médios do Strikeforce e desafiou GSP em uma luta recheada de trashtalking. Extremamente guerreiro e resistente, sendo nocauteado apenas duas vezes na carreira. Ele pode não ser o cara mais correto do mundo, mas luta muito bem. Só que, como eu mencionei, Diaz luta normalmente na categoria dos meio-médios e foi escalado para enfrentar o colecionador de recordes do UFC em um dos maiores retornos da história. Anderson Silva foi o striker mais talentoso que eu já vi lutar, com um poder de nocaute incrível e com uma capacidade de absorção de golpes excepcional. Só que, além de uma grande desvantagem técnica, Anderson é mais alto, mais comprido e mais pesado que Diaz. Essa luta, simplesmente, não faz sentido. Tudo bem, Diaz é mais talentoso que Silva no chão, e mesmo não sendo difícil derrubar o Spider, acho que o Irmão de Nate não vai conseguir.


PALPITE: SILVA POR NOCAUTE NO TERCEIRO ROUND.