quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Arrogante, impopular, sujo, porém blindado.


Jon Jones adicionou mais uma vitória no seu cartel, depois de muita conversa e publicidade, Bones derrotou Daniel Cormier e continuou campeão. Depois da luta, em sua entrevista, deixou claro o porquê de ser tão impopular entre os fãs e arrotou arrogância. Só que, no dia de ontem (06/01/2015), o mundo das lutas recebeu uma surpresa que deixou todos os fãs do MMA bem alertados, o campeão foi pego no anti-doping por uso de Cocaína. Casos de doping são comuns em qualquer esporte, até porque todos eles são gerados pelo mesmo motivo, substâncias proibidas. Mas, neste caso, teremos uma série de peculiaridades.
O mais novo integrante de uma clínica de reabilitação no Novo México. (Sherdog)


Repetindo, não é a primeira vez que um caso de doping é trazido a público no MMA. Porém, de cara, já foi avisado que ele não vai sofrer nenhuma punição legal da comissão atlética pela seguinte justificativa. O exame que apontou o uso de cocaína foi realizado no dia 04/12, basicamente um mês antes da luta. Na outra semana, mais uma rodada de exames aconteceu e seu diagnóstico que o campeão estava limpo. Segundo os órgãos avaliadores e regulamentadores de casos de doping (NSAC - Comissão Atlética do Estado de Nevada e WADA - Agência Mundial Anti Doping), o lutador não sofrerá punição legal porque a substância só causa impacto direto na performance se for nos testes recolhidos na semana da luta e porque a substância não é classificada como banível no período de preparação. No Yahoosports.com há um texto explicado sobre o tema e dando o exemplo do pugilista Julio Cesar Chavez Jr. que foi pego por uso de maconha, foi suspenso e multado porque o exame foi realizado na semana da luta. 


Ele foi punido. (usatoday)
Só que há algumas contradições nesse caso todo, tanto da organização UFC, como da interpretação da NSAC (ou WADA). Primeiro sobre a franquia. Dana White é um cara extremamente conservador e só muda de opinião quando pode ganhar toneladas de dinheiro através dela, um excelente exemplo foi quando ele disse que nunca teríamos mulheres lutando no UFC e hoje carrega Ronda Rousey pra lá e pra cá o tempo todo. Não foi a primeira vez que um lutador do seu cartel foi pego usando drogas, entretanto, foi a primeira vez que eles passaram a mão no atleta. Vejamos os casos de Nick Diaz e Matt Riddle. 

Antes de tudo, os dois atletas se enquadram no quesito do período em que o teste foi realizado. Primeiro Diaz, que foi reincidente com maconha após a luta contra Carlos Condit. Foi suspenso, perdeu a bolsa e duramente criticado por Lorenzo e se fosse pego mais uma vez, teria seu contrato rompido. Já Matt Riddle falhou por duas vezes e foi dispensado pela empresa. Maconha não representa melhora na performance do atleta, o próprio Dana White concorda com isso, mas é ilegal e isto é passível de punição.

Ele foi expulso. (mmaweekly)
Vamos estender um pouco mais nossa conversa. Incluiremos Chael Sonnen e Vitor Belfort na pauta. Sonnen foi pego duas vezes com substâncias proibidas que melhoram sua performance, admitiu seu uso, foi suspenso da primeira vez e demitido do UFC na segunda. Vitor passou um bom tempo na geladeira porque seu TRT, que na época em que ele usou era legal, trouxe alguns resquícios e amargou um bom tempo na geladeira. Ambos os casos possuem uma semelhança (falando da segunda suspensão de Sonnen), as amostras foram recolhidas antes da semana da luta, então, seguindo a lógica da comissão, nenhum deveria ter sido punido ou suspenso. Sonnen teve foi anunciado fora do duelo três semanas antes do mesmo acontecer, já Vitor foi ainda pior, foram três meses antes.

A minha dúvida é, quem determina essa escala de "mais proibido" e "menos proibido"? Na próxima semana a comissão vai reavaliar algumas medidas como acontece todo ano e este debate por sanar esta indagação que me indigna. 

Enquanto as contradições são mantidas, sabemos que Jones não sofreu punição, não vai ter nenhum risco com seu cinturão, já deu entrada em uma clínica de reabilitação e o resultado da luta será mantido. Aliás, esta última me indigna! Se o corpo não a substância no "período da competição" mas foi usado durante a preparação, isto é um ganho. Não adianta argumentar que não porque Cocaína melhora a performance e ponto final. É evidente que o UFC não se pronunciou de maneira disciplinadora porque estamos falando do campeão da categoria, futuro Hall da Fama, dono de diversos lances espetaculares. A decisão no UFC vai de acordo com a conta bancária, Jones é importante para fazer a empresa ganhar dinheiro, então, vamos cuidar dele direitinho.

O rei do "dois pesos, duas medidas". (fightopinion)
Jon Jones pode ser um dos excepcionais dentro do octógono, mas sempre foi um lutador sujo, só que desta vez, sua malícia ultrapassou os limites das grades que cercam o cage.