sábado, 15 de novembro de 2014

UFC 180: Depois muitos tacos e sem máscaras, os pesados são os destaques no México.

Um salve a todos os leitores da Tribuna do Cisco! Mais um grande evento para acompanharmos hoje com a disputa do cinturão interino dos pesos pesados. O Brasil estará na disputa com o gaúcho Fabrício Werdum. Este evento marca a primeira edição de um TUF voltado para o público da América Latina. Tanto que será a primeira vez que o México sediará o UFC. O saldo do programa foi muito positivo e mesmo com a lesão do campeão Cain Velasquez, que luta sempre enaltecendo sua ascendência mexicana, a empolgação não diminuiu em nada. Aparentemente a aceitação foi enorme e o país do boxe e da luta livre mostrou muita receptividade para mais uma arte marcial.

Poster oficial. (Foxposrts.com)


O TUF América Latina foi uma excelente ideia do UFC para se fortalecer num mercado que já tinha mostrado total interesse no MMA. Com um público já bastante fiel , Dana White e sua turma tiveram a brilhante ideia de apresentar alguns lutadores destes países para gerar um apelo ainda maior na audiência do esporte. Tudo foi muito bem elaborado! Dois grupos divididos entre México e os demais países da América Latina exceto o Brasil. Ninguém melhor para capitanear o time dos mexicanos que Cain Velasquez, pois é o grande ídolo local no esporte. Do outro lado, tivemos Fabricio Werdum, outra excelente escolha pois o gaúcho fala espanhol fluentemente e também comenta alguns eventos do público latino. A estrutura foi semelhante, o clima muito respeitoso e o sucesso foi garantido! Até porque o reality show foi transmitido pela principal emissora de TV aberta do país durante o horário nobre
TUF Latin America (cagepages.com)
Infelizmente o duelo de técnicos não acontecerá, pois Velasquez acrescentou mais uma lesão ao seu vasto histórico e teve de abandonar o duelo cedendo o espaço para Mark Hunt, que confirmou participação com aproximadamente três semanas antes do duelo e depois de ter se tornado o primeiro lutador do UFC a nocautear Roy Nelson.  A diferença técnica de Cain para Hunt é abissal, isso é óbvio, e o tempo curto de preparação deixa Werdum ainda mais favorito. Porém, não esqueçamos jamais que o gaúcho teve uma situação parecida com essa quando enfrentou o desconhecido Junior Cigano e tomou um nocaute no primeiro round!

Por mais que Cain seja o campeão da categoria e o melhor lutador dos pesados, não pode-se ignorar a evolução de Fabrício Werdum. Aparentemente, a demissão do UFC foi um divisor de águas na vida do gaúcho. Ele se apresentava como um lutador unidimensional no octógono, sempre pensando em colocar para baixo e poder usar seu jiu-jitsu excelente! Lutou dessa maneira também no Pride. Quando foi contratado pelo Strikeforce, parecia que não tinha mudado muito, ou melhor, ele não mostrava tanto que pensava em se apresentar de uma maneira diferente. A grande prova disto foi quando o seu jiu-jitsu foi responsável pela primeira derrota de Fedor Emelianenko em dez anos! A partir deste dia, a mídia começou a olhar Werdum com outros olhos.


A verdade é que a qualidade do jiu-jitsu de Werdum não diminuiu nem um pouco! Todos sabemos como ele é bom na luta agarrada. O que faria Werdum figurar entre os tops seria uma evolução na luta em pé. Ele teve uma excelente oportunidade de mostrar alguma melhora no duelo contra Alistair Overeem, porém, Werdum praticamente se recusou a trocar golpes com o holandês e teve uma apresentação patética em que ele ficava implorando para que Overeem fosse para o chão. Em poucas palavras, tudo o que ele não deveria fazer, ele fez. 
Cordeiro transformou o Muay Thai de Werdum. (tatame.com)

Com a compra do Strikeforce, Werdum acabou voltando para o UFC e lutou na estreia contra Roy Nelson. Já fazia um tempo que ele estava sendo treinado por Rafael Cordeiro, famoso mestre da Chute Boxe dos tempos do Pride e ficou muito claro que Werdum tinha deixado de ser um lutador unidimensional. Com uma trocação em dia, Werdum dominou todos os seus adversários no UFC em pé e mostrou uma evolução indiscutível! A perseverança do gaúcho junto com os ensinamentos do mestre paranaense fizeram uma mistura bem perigosa. O grande questionamento seria como aguentar o Wrestling de Cain, porém, não teremos esta prova hoje.

Para os que acompanham o esporte há muito tempo, é fácil entender o carinho que todo fã tem por Mark Hunt. O neo zelandês é da velha guarda do MMA, mostra um estilo bastante duro, lembrando muito os primórdios do esporte. O cara gosta de cair na porrada sem medo e parece que nunca estuda uma estratégia, ele sempre pisa no octógono com o intuito de te matar na porrada. E o melhor, ele não precisa de muito esforço, um golpe bem encaixado e sua mandíbula estará em risco, é só lembrar da luta contra Stefan Struve. Desde que entrou no UFC, Hunt só fez uma luta ruim, a primeira, em que sofreu uma finalização. Entretanto, seguiu com uma sequencia de nocautes e sofreu apenas um revés em sete lutas, para Junior Cigano, e protagonizou um dos maiores duelos da década na batalha contra Antônio Pezão. Hunt tem um jogo "manjado", mas cruel.

Voltando os holofotes ao evento em geral, vamos dar uma olhada no card preliminar. Teremos as duas finais do TUF, com três lutadores de Velasquez e apenas um pupilo de Werdum. Os mexicanos José Quiñonez e Alejandro Perez farão a final do peso galo. Já o nicaraguense será o algoz da torcida presente na final dos penas pois enfrentará o mexicano. Talvez o principal combate do card preliminar seja realizado pelas mulheres! A striker Leslie Smith vai encarar a dura Jessica Eye.

Vamos ao card Principal.

Edgar Garcia X Héctor Urbina

Ambos lutadores estão estreando no UFC. Infelizmente não tive condições de pesquisar seus históricos.

Augusto Montaño X Chris Heatherly
Idolo nacional, Montaño é a grande esperança. (sportv.com)
Montaño já é mais conhecido pelo seu estilo agressivo e brigador. É a grande esperança de ter um lutador puramente mexicano brigando pelas cabeças do UFC. Foi altamente ovacionado durante a pesagem e a empolgação deve ser repetir durante o duelo. Chris é um lutador mediano, aparentemente não mostrou habilidades suficientes para brigar entre os tops da categoria. Em caso de mais uma derrota, pode ser demitido. Acredito que a torcida vai empolgar Montaño e empurrá-lo para a vitória.
PALPITE: Montaño por nocaute no segundo round.

Ricardo Lamas X Dennis Bermudez

Dois lutadores de altíssimo nível que farão um grande duelo, com certeza! Os dois são muito equilibrados e possuem habilidades parecidas, Lamas se destaca um pouco mais no combate em pé, já Bermudez tem um wrestling mais agressivo e é um bom em colocar os adversários para baixo. Outro destaque é a capacidade cardíaca de ambos atletas, o que vai ajudar a ver um combate de alto nível por quinze minutos caso a peleja se prolongue até o último segundo. Lamas vem de vitória apertada contra Hacran Dias e pode tirar as dúvidas recentes neste combate. Caso Bermudez vença, ficará mais próximo de uma possível disputa de cinturão. Por uma questão de evolução da categoria, acredito e torcerei pela vitória do segundo.
PALPITE: BERMUDEZ POR DECISÃO UNÂNIME

Jake Ellenberger X Kevin Gastelum

Esse duelo é marcado pelas diferenças. Ellenberger é um veterano do UFC, conhecido por fazer lutas muito boas e não ter medo de se expor. O famoso lutador que sempre procura andar pra frente e proporcionar verdadeiras batalhas para os expectadores. Gastelum é uma promessa que ainda está buscando fincar seu espaço entre o primeiro escalão desta categoria que desde a saída de GSP ficou muito disputada. A luta começa favorável para Ellebberger, pois o Juggernaut tem uma luta em pé melhor que Kevin. Porém, também é indiscutível a superioridade de Wrestling do descendente de mexicanos e sua capacidade de manter em posição melhor no chão. Devido o atual momento, em que um vem de duas derrotas e o outro continua invicto, acho que o jovem está com mais cara de vencedor. 
PALPITE: GASTELUM POR DECISÃO UNÂNIME

Fabrício Werdum X Mark Hunt
Werdum faz brincadeira com a altitude. (mmamania.com)
Werdum finalmente terá sua chance, parcial. O brasileiro tem tudo como sair como campeão interino, título que já pertenceu ao Brasil quando Minotauro conquistou em uma sofrida luta contra Tim Sylvia. Werdum está no México há três meses, gravou o TUF e continuou para se adaptar as questões de altitude. Hunt foi chamado há três semanas do duelo, depois de ter enfrentado o duríssimo Roy Nelson. Teve de perder peso e foi correndo para o México. É evidente que o brasileiro está em vantagem! E se fosse uma luta em condições normais, uma boa estratégia de Werdum já faria bastante diferença. Então, eu não acredito que será muito diferente. Hunt vai buscar o nocaute desde o começo, porém, tem tudo para sentir o cansaço no decorrer do duelo. É exatamente ai onde Werdum deve sobresair, mantendo a distância e se movimentando bastante, pois uma vez que essa luta estiver no chão, acredito que ela acabará.
PALPITE: WERDUM POR FINALIZAÇÃO NO TERCEIRO ROUND.