sábado, 12 de julho de 2014

Derrota cantada

Brasil 0 x 3 Holanda: Para encerrar o ciclo da Copa 2014 no Brasil, a péssima Seleção Brasileira levou mais um sacode e comprovou a crise, óbvio que o deprimente trio de arbitragem garantiu os dois primeiros gols holandeses, mas o fato é que o Brasil entrou de um jeito muito abatido, sem falar que Felipão armou a equipe para não tomar gol... E também não fazer! A Holanda deitou e rolou, jogou quando quis e administrou durante 90 minutos, destaque para a grande partida do melhor jogador da Copa de 2014, Robben e também para a segura partida do zagueiro Vlaar, o time da Laranja merecia muito mais que o terceiro posto.
Holanda passeia em Brasília e se despede invicta da Copa das Copas. (Tribuna do Cisco)
Uma escalação horrível, um estilo bem retranqueiro para encerrar um Mundial de um nível técnico excelente, é meio contraditório pensar que o time na campanha da Copa 2010 terminou em sexto jogando bem, enquanto a atual encerrou em quarto tomando 14 gols em 7 partidas, não tem como não se envergonhar ou como não criticar uma campanha tão decepcionante, tão desastrosa, tão humilhante! Após sofrer os dois gols, o Brasil dominou mais a bola, acalmou a partida, o problema é que o time trabalhava a bola na defesa, Thiago Silva, David Luiz e Luiz Gustavo trocavam passes e a jogada terminava com lançamentos frustrados, sem criatividade, sem motivação para conquistar o bronze.

No segundo tempo, Scolari seguiu trocando seis por meia dúzia, sacou Luiz Gustavo e Paulinho e colocou Fernandinho e Hernanes, Fernandinho entrou para quebrar algum membro de qualquer atleta holandês, Hernanes até mostrou garra, mas não era o momento para colocar o bom jogador da Inter. No fim da partida, o técnico ainda tentou mudar o jogo e mandou Hulk para o lugar do fraquíssimo Ramires, o ponta do Zenit pouco fez e a Seleção se despediu ainda sofrendo mais um gol, o erro de Oscar em mais uma vez se jogar resultou na arrancada de Robben e passe preciso para Wijnaldum, foi o fim da catastrófica campanha dos donos da casa e o fim amargo da campanha da Holanda que almejava encerrar a seca sem título Mundial.

A Holanda segue no caminho certo, sinceramente, esse grupo me surpreendeu, principalmente após um vexame na UEFA Euro 2012, onde a nação somou três derrotas e segurou a lanterna (perdendo até para a Dinamarca com gol do “craque” Krohn-Dehli). Contudo, a chegada de Louis Van Gaal e sua comissão técnica fez a equipe crescer coletivamente, é muita injustiça esse grupo não poder jogar a final de amanhã, o futuro pode ser muito bom para os holandeses, o lado negativo é que Van Gaal deixará o comando e vai treinar o Manchester United, na minha visão, Blind era para assumir logo de agora e não tentar uma aventura com Guus Hiddink, é um risco desnecessário, mas o fato é que a Laranja tem uma geração muito jovem e boa, tem tudo para brilhar na França em 2016 e na Rússia em 2018.
Péssima geração com direito a equipe sem comando e direção que reúne ladrão de medalhas e seu pupilo. (Tribuna do Cisco)
O Brasil termina a Copa no fundo do poço, uma geração completamente descartável e não vejo jogadores que não foram convocados com capacidade para mudar a atual situação, Felipão, Parreira e toda a trupe deve ir embora, precisamos de um recomeço, é mais que visível, o problema é que não vejo técnicos nacionais tão capazes de reverter a situação, creio que apostar em Tite é o mesmo que a CBF fez em 2010 quando apostou em Mano. Já que a quadrilha que comanda a Confederação Brasileira de Futebol está longe de renunciar, eu defendo a ideia de nomes internacionais, com uma condição que eu jamais vir os dirigentes brasileiros fazer, dar um projeto em longo prazo. O futuro que reserva é muito obscuro, começando pelos amistosos de setembro e outubro, jogos nos Estados Unidos contra Colômbia e Equador e mais uma palhaçada em Pequim contra a Argentina, a CBF já começou a arrecadar grana para vender a marca das cinco estrelas e do histórico futebol bonito do Brasil, com o tempo essa marca deverá sumir e só aí que eles tentarão modificar algo, é para se refletir!

Ficha Técnica:

Local: Mané Garrincha, em Brasília (DF)

Data: 12 de julho de 2014, sábado

Horário: 17h (de Brasília)

Árbitro: Djamel Haimoudi (ALG)

Assistentes: Redouane Achik (MAR) e Abdelhak Etchiali (ALG)

Cartões amarelos: Thiago Silva, Fernandinho e Oscar (Brasil); Robben e De Guzman (Holanda)

Gols: Van Persie, aos dois minutos do primeiro tempo, Blind, aos 15 minutos do primeiro tempo, e Wijnaldum, aos 45 minutos do segundo tempo

BRASIL: Júlio César; Maicon, Thiago Silva, David Luiz e Maxwell; Luiz Gustavo (Fernandinho), Paulinho (Hernanes), Ramires (Hulk), Willian e Oscar; Jô
Técnico: Luiz Felipe Scolari

HOLANDA: Cillessen (Vorm); De Vrij, Vlaar e Martins Indi; Kuyt, Wijnaldum, Clasie (Veltman), De Guzman e Blind (Janmaat); Robben e Van Persie
Técnico: Louis Van Gaal