sábado, 21 de junho de 2014

O maior artilheiro das Copas e o decisivo Lionel

Argentina 1 x 0 Irã: Depois de vencer a Bósnia sem convencer, os argentinos lotaram o Mineirão e foram apoiar os comandados de Alejandro Sabella, poucos esperavam que o time apresentasse um futebol tão fraco quanto o da estreia, isso aconteceu, só que pior. O time entrou em campo como Messi queria, com Higuaín no ataque ao lado de Agüero e o camisa 10 do Barcelona armaria o jogo junto a Dí Maria, o cenário era perfeito para um espetáculo. O adversário era o fraco Irã, time que ainda não marcou gol na Copa do Mundo, só um milagre salvaria o time de sofrer uma goleada, esse milagre aconteceu!
Messi salva a Argentina após uma partida fraquíssima dos Hermanos. (Tribuna do Cisco)
Contudo, os Hermanos tiveram muita dificuldade, o time sofreu como nunca e os torcedores os acompanharam no sofrimento, para delírio dos brasileiros que assistiam ao jogo. A dificuldade era imensa, os contra-ataques iranianos eram quase perfeitos, faltou o gol, me recordo de uma chance clara na metade da segunda etapa, cabeçada e tentativa de cobertura, Romero salvou os sulamericanos e cada vez mais ganha a confiança de Sabella e dos argentinos, fantástico! O tempo ia passando e o time argentino não se organizada, Palacio e Lavezzi tentaram dar um novo ânimo ao grupo, o fato é que quem realmente animou foi Lionel Messi, o ex-melhor jogador do planeta chamou a responsabilidade e marcou um belo gol, provando ser decisivo, provando que pode ser o cara do Mundial, provando que a Argentina pode confiar nele, é o cara!

Lionel e o chute que mudou o jogo. (Reuters)
O gol de Messi aos 46 minutos do segundo tempo classificou a Argentina para as oitavas de final, com o saldo 2 e num grupo fraquíssimo, os Hermanos só precisam de um empate para se classificar em primeiro, o time fará o confronto direto contra os nigerianos, o Irã necessita vencer com autoridade os já eliminados bósnios, a dificuldade para o Irã é de marcar gols, o time jogou muito bem hoje, dentro das limitações, mas será necessário fazer gols, muito complicado!

Ficha Técnica:

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Data: 21 de junho de 2014, sábado

Horário: 13h (de Brasília)

Árbitro: Milorad Mazic (Sérvia)

Assistentes: Milovan Ristic e Dalibor Djurdjevic (ambos da Sérvia)

Público: 57.698 torcedores

Cartões amarelos: (Irã) Nekounam, Shojaei

Gol:

Argentina: Messi,aos 45 minutos do segundo tempo

ARGENTINA: Romero; Zabaleta, Federico Fernández, Garay e Rojo; Mascherano, Gago e Di María (Biglia); Higuaín (Palacio), Messi e Agüero (Lavezzi)
Técnico: Alessandro Sabella

IRÃ: Haghighi; Montazeri, Hosseini, Sadeghi e Pooladi; Hajisafi (Haghighi), Nekounam, Shojaei (Hendari), Timotian, e Dejagah (Jahan Bakhsh); Ghoochannejad
Técnico: Carlos Queiroz

Alemanha 2 x 2 Gana: Em um daqueles jogos que se credenciam a melhor partida do Mundial, alemães e ganeses empataram por 2 a 2 no Castelão, uma partida muito melhor do que a na África em 2010, provando que a Copa do Mundo brasileira já é muito melhor que a Copa da vuvuzela. Os alemães vinha com tudo, o desfalque ainda era Schweinsteiger, o bom era que o meio poderia jogar alguns minutos e Löw preferiu coloca-lo na segunda etapa. Gana não poderia perder, a surpreendente derrota na estreia para os Estados Unidos deixou a seleção muito pressionada, seria o jogo da vida dos africanos.
Jogaço que entrou para a história das Copas. (Tribuna do Cisco)
A Alemanha começou bem melhor, chegando ao ataque muito pela direita, a esquerda sentia a falta de Reus, é impressionante a forma como o craque do Borussia Dortmund encaixou na formação da seleção germânica. Sem Reus, Götze fazia o meio com Özil, mesmo com esse excelente sistema de meio campo, mesmo com o matador Müller no ataque, os alemães não conseguiram abrir o placar no primeiro tempo, Gana passou os primeiros 45 minutos de forma tímida, teria que mudar o espírito para brilhar na segunda etapa e mostrar porque é a melhor seleção dentre todas as africanas.

O segundo tempo prometia e cumpriu com todas as expectativas, nem o gol sem querer de Mário Götze (primeiro dele em Copas) desanimou os ganeses que rapidamente empataram, André Ayew venceu o estreante Mustafi com facilidade e recolocou Gana na Copa do Mundo. O segundo saiu dos pés do sempre importante Gyan Asamoah, aos 18 minutos do segundo tempo, Gana fazia 2 a 1 e vencia um dos times a ser batido, o moral estaria completamente renovado para a sequência da Copa do Mundo. A entrada de Bastian Schweinsteiger fez com que os alemães acordassem, mas quem realmente fez a diferença foi Miroslav Klose, o grande artilheiro entrou em campo e em seu primeiro toque na bola a empurrou para o gol e se tornou o artilheiro máximo dos Mundiais, junto apenas a Ronaldo com 15 gols. A festa alemã no empate foi dobrada, Klose voltou a comemorar com o seu característico mortal, uma cena emocionante.
Próximo da artilharia isolada das Copas, Klose é um dos maiores da história dos Mundiais, falta o título. (Tribuna do Cisco)

O gol de Klose decretou o bom empate por 2 a 2, nem Alemanha nem Gana poderia sair com a vitória, foi um dos melhores jogos do Mundial. Para se classificar em primeiro lugar, os alemães medirão forças com os norte-americanos, o reencontro com Jurgen Klismann será sensacional. Gana decidirá sua vida contra Portugal, um grande jogo entre o melhor dos africanos contra o melhor do mundo.

Ficha Técnica:

Local: Arena Castelão, em Fortaleza (CE)

Data: 21 de junho de 2014, sábado

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Sandro Meira Ricci (Brasil)

Assistentes: Emerson de Carvalho e Marcelo Van Gasse (ambos do Brasil)

Cartão amarelo: Muntari (GANA)

Gols:

ALEMANHA: Gotze, aos seis, e Klose, aos 26 minutos do segundo tempo

GANA: André Ayew, aos dez, e Gyan, aos 18 minutos do segundo tempo

ALEMANHA: Neuer; Howedes, Hummels, Mertesacker e Boateng (Mustafi); Khedira (Schweinsteiger), Lahm, Toni Kroos e Ozil; Gotze (Klose) e Muller
Técnico: Joachim Low

GANA: Dauda; Asamoah, Mensah, Boye e Afful; Muntari, Rabiu (Agyemang-Badu), Kevin-Prince Boateng (Jordan Ayew) Atsu (Mubarak) e André Ayew; Gyan
Técnico: James Appiah

Bósnia e Herzegovina 0 x 1 Nigéria: A desesperada foi a Cuiabá enfrentar a Nigéria, poderia ser um jogo interessante, principalmente pelo fato de que as duas seleções necessitavam da vitória, o talento individual poderia ajudar a Bósnia, enquanto os africanos apostavam num conjunto. O jogo nigeriano foi certeiro, mas antes de gol, vimos um erro crasso da arbitragem prejudicar a Bósnia, Dzeko estava em posição legal, mas o bandeira provou ser incapaz e invalidou o gol, culminando no lance prejudicial para a campanha europeia no grupo F.
Nigéria fez jogo certeiro mandou bósnios para casa mais cedo. (Tribuna do Cisco)
Os bósnios não conseguiram mais se entender, Dzeko parecia estar em vontade ou ânimo, Pjanic driblava e dava belos passes, mas se recusava a chutar, Misimovic estava cansado e Lulic muito recuado, a campanha da Bósnia em sua primeira Copa do Mundo estava prestes a terminar em tragédia, ainda mais quando Emenik venceu o capitão Spahic e tocou para Odemwingie, o jogador do Stoke tocou rasteiro e venceu seu colega de clube, o goleiro Begovic teve que tirar a bola do fundo das redes, 1 a 0 para a Nigéria.

Odemwingie fez o único
 gol da partida em Cuiabá. (Reuters)
A Bósnia se lançou ao ataque no segundo tempo, mas as chances eram desperdiçadas como se o tempo não passasse, a última oportunidade que Dzeko parou no goleiro Enyeama e na trave e a primeira aventura dos bósnios em Copa do Mundo terminou em vexame, mesmo sem grande exprexão, a seleção bósnia se junta a espanhóis e ingleses entre as decepções da Copa do Brasil, lamentável! A Nigéria só precisa de um empate, porém, vencendo a Argentina, o time conquista a primeira colocação no grupo, será um jogo interessante, a Bósnia joga contra o Irã e deve fazer com que os asiáticos partam do Brasil, ou seja, morrerão abraçados.

Ficha Técnica:

Local: Arena Pantanal, em Cuiabá (MT)

Data: 21 de junho de 2014, sábado

Horário: 19 horas (de Brasília)

Árbitro: Peter Leary (Nova Zelândia)

Assistentes: Jan Hendrik Hintz e Mark Rule (ambos da Nova Zelândia)

Cartão amarelo: Medunjanin (Bósnia e Herzegovina); Mikel (Nigéria)

Gol:

NIGÉRIA: Odemwingie, aos 28 minutos do primeiro tempo

BÓSNIA E HERZEGOVINA: Begovic; Mujdza, Sunjic, Spahic e Medunjanin (Susic); Besic, Pjanic; Hajrovic (Ibisevic), Misimovic e Lulic (Salihovic); Dzeko
Técnico: Safet Susic

NIGÉRIA: Enyeama; Ambrose, Yobo, Omerou e Oshaniwa; Onazi e Mikel; Babatunde, Odemwingie, Musa (Ameobi) e Emenike (Uzoenyi)
Técnico: Stephen Keshi