quinta-feira, 19 de junho de 2014

Herói nacional!

Colômbia 2 x 1 Costa do Marfim: Empolgados com as vitórias na estreia, colombianos e marfinenses fariam o jogo que definiria  a liderança e a provável classificação no grupo C, seria um jogo para lá de interessante. A Colômbia usou uma estratégia interessante, deu a bola para os africanos trabalharem e iam jogar na correria, no contra-ataque e no talento de James Rodríguez e Guadrado, o segundo por sinal, vive uma grande fase e já lidera as assistências do Mundial, tem três em dois jogos.
James levou a melhor, mas Drogba e os marfinenses deram trabalho. (Tribuna do Cisco)
O primeiro tempo foi muito estudado, a torcida colombiana fazia o espetáculo, os jogadores sulamericanos ficaram devendo, enquanto os marfinenses eram muito individualistas, por isso, o 0 a 0 persistiu por toda a primeira etapa, os africanos precisavam de Drogba, Bony não dava conta e os jogadores confiavam no craque que estava no banco. A Colômbia foi certeira no segundo tempo, chegava com perigo, embora os marfinenses tivessem mais o controle da bola, quando Drogba foi para o jogo, os africanos deram mole e a cobrança de escanteio resultou no gol de James, o camisa 10 chegou ao seu segundo gol no Mundial, é forte candidato a craque ou revelação.

Colombianos celebram a classificação antecipada. (Marca)
Os marfinenses sentiram o gol e o estádio estava feliz em amarelo e azul, a euforia fez a Costa do Marfim falhar e o emocionado Serey deu a bola nos pés do estreante Quintero, entrou, correu e guardou, a Colômbia matou o jogo com apenas 24 minutos de segundo tempo. Os dois gols fez os africanos acordarem, o fato é que eles se uniram e começaram a trabalhar a bola, os talentos de Touré, Drogba e Gervinho fariam o time voltar para o jogo. Em jogada individual, o ponta da Roma fez linda jogada, passou por um, dois e três, conseguiu se segurar e chutar seco, preciso, um golaço!

O 2 a 1 fez com que os marfinenses se mandassem ao ataque, o problema é que já era muito tarde e o bom jogo defensivo e a clássica cera garantiram mais três pontos para a Colômbia que já chega aos seis pontos e confirmou o favoritismo. Com a classificação muito bem encaminhada, os colombianos deverão confirmar o primeiro lugar do grupo no duelo contra o Japão, a minha impressão é que a Costa do Marfim deverá ficar em segundo e vencerá os gregos na rodada decisiva na próxima semana.

Ficha Técnica:

Local: Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF)

Data: 19 de junho de 2014, quinta-feira

Horário: 13 horas (de Brasília)

Árbitro: Howard Webb (Inglaterra)

Assistentes: Michael Mullarkey e Darren Cann (ambos da Inglaterra)

Cartões amarelos: Teófilo Gutiérrez (Colômbia); Zokora e Tioté (Costa do Marfim)

GOLS:

COLÔMBIA: James Rodríguez, aos 18’ do 2T e Juan Quinero, aos 24’ do 2T

COSTA DO MARFIM: Gervinho, aos 27' do 2T

COLÔMBIA: Ospina; Zapata, Yepes, Sánchez e Armero (Arias); Zuñiga, Abel Aguilar (Mejía), James Rodríguez e Cuadrado; Ibarbo (Juan Quintero) e Teófilo Gutiérrez
Técnico:José Pékerman

COSTA DO MARFIM: Boubacar Barry; Aurier, Zokora, Bamba e Boka; Tioté, Serey Die (Bolly) e Yaya Touré; Gervinho, Gradel (Kalou) e Wilfried Bony (Drogba)
Técnico: Sabri Lamouchi

Uruguai x Inglaterra: Em confronto de desesperados, os campeões mundiais Uruguai e Inglaterra jogaram as suas vidas no duelo decisivo no Itaquerão, seria um confronto de tirar o fôlego. Os uruguaios viam no retorno de Suárez a grande esperança para vencer na Copa do Mundo, já os ingleses iriam jogar como jogaram contra a Itália, ou seja, um bom futebol que deve render ótimos frutos em um futuro próximo. O primeiro tempo foi bastante parelho, o Uruguai foi melhor no início, mas rapidamente o English Team dominou o jogo, a velocidade de Sterling, Welbeck e Sturridge era imprescindível para a boa forma europeia.
Uruguai e Inglaterra fizeram o melhor jogo da Copa até então. (Tribuna do Cisco)

Quando a Inglaterra pressionava e assustava os uruguaios, só que o Uruguai tem a melhor dupla de ataque do planeta, o passe de Lodeiro que parecia estar muito familiarizado com a posição de armador, o cruzamento perfeito de Cavani e a cabeçada do craque Suárez, 1 a 0 e a Celeste parecia estar voltando a boa forma, o time estava enfim estreando, apagando a horrível imagem deixada na estreia contra a Costa Rica. Os britânicos desanimaram com o gol, é impressionante como a base que Hodgson é boa e até funciona, mas os resultados positivos não vinham, os torcedores terão que ter muita paciência para estabilizar a boa forma. As equipes foram aos vestiários com a vitória sulamericana, os atletas celestes estavam quebrando um longo tabu, não venciam um time europeu há mais de 30 anos. Roy Hodgson teria que reanimar o grupo se os ingleses não quisessem repetir o fiasco espanhol do dia de ontem.

No segundo tempo, o Uruguai voltou na vantagem, por isso, o time voltou com tudo para matar o jogo, mas os ingleses se seguraram, Cahill é péssimo, mas fazia uma boa partida, sem falar que Jagielka é muito limitado, Hart segurava as pontas britânicas. A Inglaterra acordou, o Uruguai recuou, os velozes garotos ingleses levaram o time para cima e os sulamericanos sentiram. Quem realmente sentiu foi Álvaro Pereira, o lateral do São Paulo sofreu uma forte pancada ao se chocar com o joelho de Sterling, depois de ser reanimado pelos médicos, se revoltou quando o profissional pediu a alteração do lateral, ele não saiu e mostrou muito coração para ajudar o país.

Euforia! Uruguaios comemoram
 enlouquecidos o gol de Suárez. (Reuters)
A Inglaterra chegou ao empate em uma boa trama iniciada por Sturridge, Glen Johnson foi firme e cruzou com perfeição para Wayne Rooney marcar seu primeiro gol em Copas, o empate deu um novo ânimo aos ingleses, poderia o English Team evitar mais um fiasco? A Celeste foi muito guerreira, mostrou união e coração para voltar a jogar futebol, principalmente após diminuir o ritmo e trazer a Inglaterra para o seu campo. O milagre do Itaquerão aconteceu aos 39 minutos do segundo tempo, Muslera, que já havia operado milagres, cobrou o tiro de meta, Cavani disputou a bola e Gerrard acabou desviando, a bola foi para o pés do veloz Suárez, o maior jogador do atual time uruguaio arrancou e chutou com perfeição, o Uruguai está vivíssimo na Copa do Mundo, o time era outro após a deprimente estreia.

A emoção de Suárez contagiou o grupo, torcedores e amantes do futebol, com ele 100%, o Uruguai é forte, é um time de muita raça, é uma esquadra que pode brigar pelo tricampeonato Mundial. O Uruguai tem tudo para se classificar, decidirá contra a Itália uma vaga nas oitavas. Os melancólicos ingleses precisam de um milagre contra a Costa Rica para pensar em classificação, primeiramente, eles precisarão vencer um jogo no Brasil.

Ficha Técnica:

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Data: 19 de junho de 2014, quinta-feira

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Carlos Belasco Carballo (Espanha)

Assistentes: Roberto Alonso Fernandez e Juan Yuste (ambos da Espanha)

Cartões Amarelos: Godín (Uruguai) e Gerrard (Inglaterra)

Gol:

Uruguai: Luis Suarez, aos 38 minutos do primeiro tempo, e aos 39 minutos do segundo tempo

Inglaterra: Rooney, aos 29 minutos do segundo tempo

URUGUAI: Muslera; Martín Cáceres, Giménez, Diego Godín e Álvaro Pereira; Álvaro González (Fucile), Arévalo Ríos, Lodeiro (Stuani) e Cristian Rodríguez; Edinson Cavani e Luis Suárez (Coates)
Técnico: Oscar Tabarez

INGLATERRA: Hart; Johnson, Cahill, Jagielka e Baines; Gerrard, Henderson (Lampard) e Rooney; Welbeck (Lallana), Sterling (Barkley) e Sturridge
Técnico: Roy Hodgson

Grécia 0 x 0 Japão: Assim como uruguaios e ingleses, gregos e japoneses entraram em campo muito pressionados, a Arena das Dunas em Natal foi o palco de um jogo de seleções que perderam na estreia, quem vencesse poderia se aproximar da classificação, faltou um bom centro-avante para europeus e asiáticos. O Japão tinha valores de mais velocidade e habilidade, após a criticada estreia, Zaccheroni sacou Kagawa e colocou Honda como o principal armador, mais um erro do italiano na minha visão, o Japão não tem problemas no meio, os sérios problemas são na parte ofensiva, a seleção não tem um bom atacante, um matador.
Japão e Grécia empataram sem gols em Natal. (Tribuna do Cisco)

A Grécia é famosa por ter um ferrolho na defesa, por sinal, ela foi bem, a falha foi do capitão Katsouranis, o meia fez duas faltas seguidas e ganhou dois cartões amarelos, a expulsão comprometeu totalmente o jogo grego. Mitroglou enfim começou a partida como titular, mas o atacante do Fulham logo sentiu e deu vaga ao experiente Gekas, o atacante de 34 anos pouco fez. Os japoneses passaram todo o jogo atacando pelos lados, os baixinhos Uchida e Nagatomo corriam e mandavam a bola para  a área, sempre resultavam em gregos vencendo os minúsculos jogadores do Japão, a estratégia foi completamente equivocada, apesar de que o time asiático tenha jogado bem melhor e tenha dado uma aula de passes corretos.

Situação delicadas para ambos. (EFE)
A entrada de Kagawa foi um pouco tardia, ele continua jogando mal, mas é uma figura importante para o esquema e por ser um jogador diferenciado. Uchida teve chance clara de marcar e garantir a primeira vitória do Japão, mas o lateral do Schalke chutou mal e não aproveito o presente de Sokratis, lance grotesco. Um jogo com tantas falhas ofensivas não poderia ter gols, o 0 a 0 foi o placar mais justo para a partida em Natal, o Japão enfrentará a Colômbia e provavelmente dará adeus a Copa do Mundo, a Grécia enfrenta a Costa do Marfim no jogo decisivo para definir a classificação no grupo C, acredito que os marfinenses acompanhem a Colômbia e sigam para as oitavas.

Ficha Técnica:

Local: Arena das Dunas, em Natal (RN)

Data: 19 de junho de 2014, quinta-feira

Horário: 19h (de Brasília)

Árbitro: Joel Aguilar (SLV)

Assistentes: William Torres (SLV) e Juan Zumba (SLV)

Cartões amarelos: Hasebe (Japão); Samaras e Torosidis (Grécia)

Cartão vermelho: Katsouranis (Grécia)

Japão: Kawashima; Uchida, Yoshida, Konno e Nagatomo; Hasebe (Endo) e Yamaguchi; Okubo, Honda e Okazaki; Osako (Kagawa)
Técnico: Alberto Zaccheroni

Grécia: Karnezis; Torosidis, Manolas, Sokratis e Cholevas; Katsouranis, Maniatis e Kone (Salpingidis); Fetfatzidis (Karagounis) e Samaras; Mitroglou (Gekas)
Técnico: Fernando Santos