quarta-feira, 18 de junho de 2014

Adeus América, Espanha!

Holanda 3 x 2 Austrália: Tentando controlar a euforia depois da fantástica estreia, os holandeses pegaram o duríssimo jogo australiano, não seria uma partida fácil nem mesmo para a vice-campeã do mundo. O jogo começou bastante pegado, com os Cangurus atacando de forma surpreendente, a Laranja sentiu, o trio Robben, Sneijder e Van Persie não estava funcionando e Blind estava apagado. Pouco tempo depois, Robben, em mais uma grande jogada de velocidade e talento abriu o placar e acalmou as coisas para o lado europeu.
Holandeses e australianos fizeram o melhor jogo do dia. (Tribuna do Cisco)
Não deu tempo para comemorar! Um minuto depois, um belo lançamento e a finalização de Tim Cahill fez nascer o gol mais bonito da Copa até então, o chute de primeira, o caminho que a bola percorreu, perfeito, belíssimo! A Holanda sentiu o gol e a Austrália sufocou até o último minuto da primeira etapa, destaque também para a saída de Martins, a imagem do zagueiro inconsciente foi chocante e as duas seleções foram para os vestiários.

No segundo tempo, a Holanda mostrava que tinha melhor elenco, mas os jogadores australianos foram muito guerreiros, conquistando até mesmo os torcedores em Porto Alegre, a festa estava linda. Um jogador mudou o jogo holandês na etapa final, o habilidosíssimo Memphis Depay transformou o estilo da Holanda, primeiro porque Van Gaal mudou a formação e recolocou os três atacantes, no clássico estilo da Laranja Mecânica, segundo porque Depay conseguiu ligar o meio com o ataque, foi o divisor de águas para o jogo.

Antes de Depay conseguir mudar a partida, a Austrália respirou aliviada, Bozanic tocou para a área e Janmaat viu a bola ser desviada por sua mão, o árbitro achou pênalti e apitou! A cobrança foi convertida com sucesso por Jedinak, a virada australiana fez a festa da torcida no Beira-Rio. A vitória dos Cangurus durou pouco e Depay colocou Van Persie na cara do gol, o moderno e decisivo atacante empatou a peleja, 2 a 2.

Depay mudou o jogo e classificou a Laranja. (Reuters)
A Holanda consagrou-se aos 22 do segundo tempo, a Austrália teve a chance de matar o jogo, mas Leckie tentou com o peito e acabou armando o contra-ataque para os europeus, o chute de Depay foi com efeito e após quicar, o goleiro Ryan aceitou, falhou na minha humilde opinião. O gol matou os australianos, eles não tinham mais pernas, os holandeses seguraram a vitória e celebraram a virtual classificação as oitavas de final, já são 6 pontos e 5 gols de saldo, uma campanha fantástica até então.

Na terceira e decisiva rodada, a Holanda encara o Chile para provavelmente terminar a primeira fase em primeiro, a Austrália espera um milagre e terminará a Copa contra a campeã do mundo Espanha.

Ficha Técnica:

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)

Data: 18 de junho de 2014, quarta-feira

Horário: 13h (de Brasília)

Árbitro: Djamel Haimoudi (Argélia)

Assistentes: Redouane Achik (Marrocos) e Abdelhak Etchiali (Argélia)

Público: 42.877

Cartões amarelos: Cahill (Austrália); Van Persie (Holanda)

Gols:

AUSTRÁLIA: Cahill, aos 20 minutos do primeiro tempo; Jedinak, de pênalti, aos 7 minutos do segundo tempo

HOLANDA: Robben, aos 19 minutos do primeiro tempo; Van Persie, aos 12, e Depay, aos 22 minutos do segundo tempo

AUSTRÁLIA: Ryan; McGowan, Wilkinson, Spiranovic e Davidson; Jedinak, McKay e Bresciano (Bozanic); Leckie, Cahill (Halloran) e Oar (Taggart)
Técnico: Ange Postecoglou

HOLANDA: Cillessen; Vlaar, De Vrij e Martins Indi (Depay); Janmaat, De Jong, De Guzman (Wijnaldum), Sneijder e Blind; Robben e Van Persie (Lens)
Técnico: Louis van Gaal

Espanha 0 x 2 Chile: Pressionadíssima, a atual campeã Espanha duelaria contra a sensação chilena, seria a prova de fogo para a Roja buscar reencontrar seu futebol e voltar a rota dos favoritos ao título Mundial. Contudo, o primeiro tempo apresentou um nada furioso time espanhol, pelo contrário, a equipe estava muito esquisita, jogadores de Real, Barcelona e Atlético não pareciam se entender, corpo mole não está descartado, será mesmo que Vicente Del Bosque perdeu o vestiário campeão europeu e mundial? Enquanto essa dúvida persistia, os chilenos foram construindo corpo e logo abriram o placar, erro defensivo dos europeus e Casillas foi tentar tirar com um carrinho na pequena área, muito suspeito, mas Vargas não tinha nada a ver com isso, gol do Chile.
Chile confirma ser sensação e vencem espanhóis com facilidade. (Tribuna do Cisco)

O nervosismo espanhol ficou ainda mais evidente após tomar o gol, a violência de Xabi Alonso, os apáticos Pedro, Silva e Costa não conseguiam elevar o nível do time, sem falar das péssimas mudanças feitas por Del Bosque. O segundo gol chileno saiu na boa cobrança de Sánchez, Casillas espalmou para frente em mais um lance maluco do campeão da Champions League, a finalização de Aranguiz foi perfeita, fria, precisa, golaço dos sulamericanos, 2 a 0 e o Chile foi ao vestiário com uma vantagem excepcional, nem o mais confiante torcedor chileno poderia prever tal resultado.

No segundo tempo, Del Bosque sacou a experiência de Xabi Alonso, o volante estava de cabeça quente, jogou mal e Koke veio para o seu lugar. A prova que os jogadores não estavam se entendendo foi o gol perdido por Busquets, sem goleiro, com pouco espaço, esquisito! O que ainda não deu para entender foi a ausência de David Villa no onze inicial da Espanha, o craque bicampeão espanhol consecutivo foi pelo menos o segundo melhor atleta espanhol na campanha do Mundial da África, um jogador tão decisivo ser preterido por Del Bosque foi um fato para lá de discutível.

Aranguiz mandou de bico e
 Casillas aceitou. (Globo Esporte)
Villa não entraria, Del Bosque colocou Fernando Torres, o mediano ex-craque foi a opção do técnico e o futebol pouco mudou, além do mais, trocou seis por meia dúzia, Diego Costa saiu. O Chile por muito pouco não chegou ao terceiro gol, Maurício Isla deu o carrinho em baixo da bola e ela subiu, subiu... Subiu! Cazorla foi o escolhido para entrar na última escolha de Del Bosque, Pedro saiu, o time ainda teve chances para diminuir o marcador, mas o fato é que a Espanha estava irreconhecível.

Nem os seis minutos dados pelo árbitro americano fez diferença, a Espanha repete o feito da Itália na África e deu adeus ao sonho da manutenção do Mundial. Uma campanha irreconhecível, o fim da melhor geração do futebol espanhol com um vexame em solo brasileiro, bom para os ibéricos é que existem jogadores muito bons para uma rápida renovação, trabalho duro para Del Bosque ou para quem comandar a seleção Roja nos próximos anos. O Chile decide o primeiro lugar do grupo contra a Holanda, jogão! A Espanha morre abraçada com os cangurus e farão jogo melancólico contra a Austrália.

Ficha Técnica:

Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ

Data: 18 de junho de 2014, quarta-feira

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Mark Geiger-EUA

Assistentes: Mark Hurd-EUA e Joe Fletcher-CAN

Cartões amarelos: Xabi Alonso (Espanha); Vidal e Mena (Chile)

GOLS:

CHILE: Vargas, aos 20’ do 1T, e Aránguiz, aos 43’ do 1T

ESPANHA: Casillas; Azpilicueta, Sergio Ramos, Javi Martínez e Jordi Alba; Busquets, Xabi Alonso (Koke), Iniesta, David Silva e Pedro (Cazorla); Diego Costa (Fernando Torres)
Técnico: Vicente Del Bosque

CHILE: Bravo; Medel, Silva e Jara; Isla, Diaz, Vidal (Carmona), Aránguiz (Gutierrez) e Mena; Vargas (Valdivia) e Alexis Sánchez
Técnico: Jorge Sampaoli

Croácia 4 x 0 Camarões: Após o garfo que resultou na vitória brasileira, a Croácia entrou muito mordida para o jogo contra Camarões, os africanos também perderam na estreia, por isso também precisavam da vitória para não chegar a última rodada já eliminado. A partida começou com os Leões Indomáveis tentando dar o bote, mas a euforia passou num instante e os croatas rapidamente equilibraram as coisas. A volta de Mandzukic foi fundamental para a melhora europeia, a referência de um atacante de alto nível elevou o patamar do futebol da Croácia, foi crucial para o jogo dos quadriculados no jogo.
Passeio croata em Manaus, Mandzukic estreou! (Tribuna do Cisco)

A prova disso foi o lance do primeiro gol, belo lançamento de Modric para o experiente Srna cruzar para o camisa 9 do Bayern de Munique, Mário não decepcionou, a bola foi disputada e sobrou para Perisic, o meia do Wolfsburg achou seu companheiro de clube e seleção Olic livre, sozinho, o ponta abriu o placar para os europeus, Niko Kovac respirou aliviado. Camarões dava mostras de que não estava muito a fim de jogo, Eto’o estava machucado e nem para o campo foi, Song se solidarizou com seu “companheiro” de seleção deu uma forte entrada e pediu para ser expulso, Pedro Proença cumpriu o seu trabalho e mandou o volante do Barcelona para o chuveiro.

Os croatas tiveram chances claras para matar a partida ainda no primeiro tempo, mas preferiu descansar e voltar mais focado na segunda etapa. Sem conseguir marcar no início do segundo tempo, a Croácia recebeu uma “ajudinha” para lá de especial do goleiro camaronês Itandje que repôs a bola de maneira bizarra e a bola foi para os pés de Perisic, a velocidade do meia foi cativante e ganhou a torcida, o croata invadiu a grande área e ampliou o placar, os africanos estavam batidos com apenas 10 minutos do segundo tempo. Em ritmo de treino, a Croácia chegou ao terceiro gol, escanteio cobrado por Modric e gol de Mandzukic, a fera que fez falta na estreia, 3 a 0 e ótimo saldo para os quadriculados.

Na provável última Copa de Eto'o,
 Camarões já está eliminado. (AFP)
Os atletas de Camarões nem estavam tanto a fim de vir disputar o Mundial eles estavam bem mais preocupados com a premiação ao fim do campeonato, isso ficou bem claro com os jogos disputados até então, bom para nós brasileiros, afinal de contas, faremos um jogo decisivo contra eles. Kovac colocou o croata-brasileiro Eduardo da Silva, o maior artilheiro croata entre o plantel que disputa a Copa do Mundo, em seu primeiro toque na bola, Eduardo chutou e fez Itandje espalmar, o problema foi que o goleiro espalmou para a frente, nos pés de Mandzukic que empurrou para o gol, 4 a 0 e goleada.

O jogo seguiu no ritmo croata até o apito final, Camarões horrível, eliminado e humilhado, Croácia de alma lavada, de espírito renovado, entra fortíssimo para o embate contra o México, será final e Copa para ambos. O Brasil se deu muito bem, enfrentará um adversário eliminado e despreocupado, o time de Scolari tem tudo para se classificar em primeiro, com autoridade, apesar do empate de ontem. Junto com os brasileiros, eu apostaria na classificação croata, o time é bem mais forte e entrará muito empolgado contra os mexicanos, Ochoa terá muito trabalho, assim como teve contra o Brasil.

Ficha Técnica:

Local: Arena da Amazônia, em Manaus (AM)

Data: 18 de junho de 2014, quarta-feira

Horário: 19h (de Brasília)

Árbitro: Pedro Proença (POR)

Assistentes: Bertino Miranda (POR) e José Trigo (POR)

Cartão amarelo: Eduardo da Silva (Croácia)

Cartão vermelho: Song (Camarões)

Gols:

Croácia: Olic, aos dez minutos do primeiro tempo, Perisic, aos dois minutos do segundo tempo, e Mandzukic, aos 15 e aos 27 minutos do segundo tempo

CAMARÕES: Itandje; Mbia, Nkoulou, Chedjou (Nounkeu) e Assou-Ekotto; Matip, Song e Enoh; Moukandko, Choupo-Moting (Salli) e Aboubakar (Webo)
Técnico: Volker Finke

CROÁCIA: Pletikosa; Srna, Corluka, Lovren e Pranjic; Modric e Rakitic; Perisic (Rebic), Sammir (Kovacic) e Olic (Eduardo da Silva); Mandzukic
Técnico: Niko Kovac