quinta-feira, 29 de maio de 2014

Tribuna de Copa – Episódio 4

Favoritos: Itália
Quando vem desacreditada, a Azzurra brilha em Copa do Mundo. (Chadascin)
Um pouco atrás de Alemanha, Argentina, Brasil e Espanha, a Itália corre por fora entre os favoritos ao título da Copa do Mundo. O barato da Squadra Azzurra é que sempre que ela não chega com o time mais forte, ela brilha e faz um ótimo Mundial, a prova disso aconteceu na campanha do tetra, todos viam Alemanha e Brasil brigando pelo título, todavia, os italianos se agigantaram e foram fortes o suficiente para retirar o sonho alemão e chegar ao tetra-campeonato. Um time sem Totti, Del Piero e o aposentado Canavarro, a geração que um dia brilhou deu adeus a seleção, muitos ainda participaram do fracasso na África do Sul, o time apostou na mesmice, deixou a renovação de lado e não passou da primeira fase, muito semelhante a França de 2002.

Contudo, a Federação Italiana mudou suas ideologias e decidiu apostar em um projeto mais seguro e com um retorno menos duvidoso, Cesare Prandelli, um italiano nato, técnico com excelente passagem pela Fiorentina, levando a Viola até mesmo para a UEFA Champions League, ele foi e ainda é o encarregado de renovar a seleção e mostrar que a geração é tão boa quanto a que conquistou o tetra. Muito trabalho já foi feito e o retorno tem sido muito bem visto, isso porque com apenas dois anos de trabalho, Prandelli mudou o time e levou ao vice-campeonato europeu, eliminando até mesmo a forte Alemanha, mas acabou sendo goleada pela Espanha.

Para provar que esse time não se abate, um ano depois, na Copa das Confederações, a Itália fez um jogo de respeito contra a Espanha, jogando muito melhor e só perdendo nos pênaltis, ela terminou em terceiro no torneio. Esses resultados motivam bastante a Azzurra tanto para a Copa do Brasil quanto para a Euro 2016 na França, a geração de Prandelli vai surpreender o mundo. O time começa com nomes excelentes no gol, o incontestável Buffon é o dono da camisa número 1, essa será a última Copa de Gianluigi, um dos maiores jogadores da história do futebol deixará saudades. Além do goleiro da Juventus, Salvatore Sirigu é o reserva direto, o arqueiro do PSG é um jogador que vive seu auge, sendo justíssima sua convocação, é o melhor goleiro italiano entre os mortais, ou seja, atrás de Buffon. O terceiro goleiro deve ser o jovem Mattia Perin, com apenas 21 anos, o goleiro do Genoa é o futuro do futebol italiano, já mostrou que vale a pena apostar nele.

Prandelli faz um grande trabalho
 comandando a Itália. (Azzurrissimo)
Setor consagrado na história do futebol italiano, a defesa é uma das melhores dentre todos os times que disputam a Copa, se equiparando apenas com a de Espanha e Brasil. Dependendo da formação escolhida por Prandelli, ele pode colocar os três zagueiros da Juventus, formado por Chiellini, Barzagli e Bonucci, pondo Abate ou Maggio e Di Sciglio no meio campo, ou então utilizar dois zagueiros e os laterais na posição de origem. Ranocchia deve ser o quarto zagueiro entre os 23 da lista final. O meio de campo dispensa comentários, um time que conta com Daniele De Rossi, Andrea Pirlo, Riccardo Montolivo, Claudio Marchisio, Thiago Motta não precisa nem ser analisado, todos entram no auge da forma e devem formar um temido setor do grupo D. Antonio Candreva e Alberto Aquilani devem brigar por uma vaga por serem nomes experientes, o jovem Marco Verratti e o brasileiro-italiano Romulo também podem pintar no Mundial, a briga é boa e sadia.

O ataque também é excelente, o melhor jogador para mim é Giuseppe Rossi, o cara teria sido o artilheiro disparado do Calcio na atual temporada, mas desde jovem que Pepe convive com graves lesões e, sinceramente, raro será se ele conseguir disputar a Copa 100%. Além dele, temos Mario Balotelli, o grande craque do Milan teve uma temporada péssima e participou de um dos piores times Rossonero da história. Apesar disso, com um time bom, Balotelli pode desencantar e marcar muitos gols. Se não der certo, os nomes do banco também são muito bons, a experiência de Antonio Cassano, atacante que melhorou bastante quando deixou de ser jogador problema.

Temos também Ciro Immobile, o artilheiro italiano do Calcio na temporada, o garoto do Torino deverá se transferir para algum gigante europeu após a Copa do Mundo, ele é realmente um jogador que Prandelli deva observar melhor. Mattia Destro corre por fora, mas sua temporada na Roma o colocou na lista dos 30, quem sabe ele não consegue beliscar uma vaguinha. Alessio Cerci e Lorenzo Insigne são mais jogadores de lado de campo, a presença de um dos dois devem estar garantida, são bons jogadores, mas Cerci é um pouco problemático, jogadores problemáticos são características do futebol da Azzurra.

A Itália está no grupo da morte, o grupo D reúne 3 campeões mundiais, mas a pesada camisa tetracampeã e o grande elenco deverá fazer com que  os italianos joguem muito bem contra Inglaterra, Costa Rica e Uruguai e se classificar em primeiro no grupo, a estreia será em Manaus contra o English Team, um clássico para embalar o Mundial. Caso se classifique em primeiro, os italianos só enfrentarão pedreira a partir das quartas de final, podendo reeditar o grande clássico europeu da atualidade, seria uma verdadeira batalha contra a Espanha.
Raça não vai faltar para o time tetracampeão Mundial. (Tribuna do Cisco)

Confira a primeira lista com 30 atletas convocados por Cesare Prandelli:

Goleiros: Gianluigi Buffon (Juve), Salvatore Sirigu (PSG), Mattia Perin (Genoa) e Antonio Mirante (Parma).

Defesa: Giorgio Chiellini (Juve), Andrea Barzagli (Juve), Leonardo Bonucci (Juve), Gabriel Paletta (Parma), Andrea Ranocchia (Inter), Christian Maggio (Napoli), Mattia De Sciglio (Milan), Ignazio Abate (Milan), Matteo Darmian (Torino), Manuel Pasqual (Fiorentina).

Meio-campo: Andrea Pirlo (Juve), Daniele De Rossi (Roma), Riccardo Montolivo (Milan), Claudio Marchisio (Juve), Thiago Motta (PSG), Marco Verratti (PSG), Antonio Candreva (Lazio), Romulo (Verona), Alberto Aquilani (Fiorentina), Marco Parolo (Parma).

Atacantes: Mario Balotelli (Milan), Antonio Cassano (Parma), Giuseppe Rossi (Fiorentina), Alessio Cerci (Torino), Ciro Immobile (Torino), Mattia Destro (Roma), Lorenzo Insigne (Napoli).