terça-feira, 20 de maio de 2014

Porque o Borussia do ano passado era melhor que o atual Atlético de Madrid

Após admirarmos a espetacular final entre Bayern e Borussia no ano passado, em 2014, teremos mais uma final entre clubes do mesmo país, Atlético e Real apimentarão ainda mais o dérbi da capital espanhola. Todavia, a forma como o time de Diego Simeone preparou esse time, o único invicto na competição, a espetacular campanha Campeonato Espanhol e os títulos nas outras temporadas credenciaram essa equipe entrar muito forte na briga pelo título da Liga dos Campeões após mais de 40 anos de seca. O torcedor clama pela glória máxima do futebol, o time é forte suficiente para bater o Real Madrid, porém, pensando bem e voltando um ano antes, vimos o Borussia Dortmund surpreender a todos, passar por provações e acabar batendo na trave na final contra o Bayern, o fato é que aquele Borussia era melhor que o atual Atlético de Madrid, por isso, fizemos um levantamento analisando as duas equipes, confira!
Um pequeno raio-x entre as duas sensações das últimas duas temporadas. (Tribuna do Cisco)

O repertório alemão era muito mais variado

Em situações de complicação, os Colchoneros demonstram muita insegurança e ficam muito reféns do seu principal atacante, as bolas lançadas na área nem sempre dão certo, ficou muito claro na partida de ida contra o Chelsea pela própria Liga dos Campeões. Apesar da grande fase, o time ainda se mostra irregular, irregular a ponto de bater o Valencia e o Real Madrid fora de casa, empatar com o Málaga no Vicente Calderón e perder para o Levante fora, é óbvio que não se pode exigir muito, mas o time de Simeone necessita de maior regularidade para conseguir chegar ao título. No Borussia do ano passado, o time de Klopp mal perdia em casa, os alemães transformavam o Signal Iduna Park em um verdadeiro inferno para seus adversários, esse fator foi fundamental para os Aurinegros, mas nem isso bastou para o Dortmund chegar ao título europeu.

Os testes do Borussia foram mais complicados

Chegando a Liga dos Campeões como bicampeão alemão, o Borussia não teria vida fácil, os Aurinegros caíram num grupo em que haviam dois campeões de Champions e um time milionário em ascensão, Real Madrid, Ajax e Manchester City. Os alemães não tomaram conhecimento dos gigantes e se classificaram em primeiro lugar, na fase de mata-mata, vitória tranquila contra o Shakhtar, classificação apertada frente ao Málaga e mais uma boa vitória para cima do Real Madrid carimbaram o passaporte do time de Klopp para a final. É verdade que a segunda fase do Atlético foi mais difícil, além do mais, chegar a final de uma Champions League de maneira invicta é realmente de se aplaudir, mas percebemos que os testes do Dortmund foram mais complexos pelo fato do time visitar vários países e, em cada fase, passou por mais provações, não desmerecendo o Atlético e sim analisando de forma coesa.

O elenco Aurinegro era melhor que os Colchoneros

Primeiramente, gostaria de colocar os dois elencos titulares para começarmos a análise, aí está:

Borussia Dortmund                 Atlético de Madrid

Weindenfeller                           Courtois
Piszczek                                   Juanfran
Subotic                                    Godín
Hummels                                  Miranda
Schmelzer                                 Filipe Luís
Sahin                                       Tiago
Gundogan                                 Gabi
Błaszczykowski                          Koke
Götze                                       Arda Turan
Reus                                        Raul Garcia
Lewandowski                             Diego Costa

Pois bem, não é nem necessário citar as diferenças, eu avalio uma grande vantagem do time de Dortmund, por exemplo, vencem no lado aurinegro o goleiro Weindenfeller, o lateral Piszczek, o zagueiro Hummels, o volante Gundogan e os meias Götze e Reus, no lado atleticano, vencem o zagueiro Godín, o lateral Filipe Luís e o meia Koke, com empate técnico entre Sahin e Tiago e Lewandowski e Diego Costa. A disparidade entre o Dortmund e o Atlético é grande, com esse elenco, o Borussia tinha mais repertório, tema já tratado no primeiro tópico.

Klopp é mais técnico que Diego Simeone, mas Simeone segue na rota do alemão

É uma grande verdade afirmar que o argentino Simeone se achou como técnico, ele começou muito bem em seu país e depois não se encontrou, o Atlético encontrou Diego sem emprego e resolveu dar uma chance, ou seja, Simeone foi ótimo para os Colchoneros assim como o Atlético foi ótimo para o Cholo. Uma conquista de Liga Europa, uma Copa do Rei e uma Super Copa da UEFA fizeram com que o Atlético explodisse a tal ponto que conseguisse chegar onde chegou, apesar de toda desconfiança.
Do lado alemão, vimos um Jurgen Klopp provar ser mais que um motivador, começando de baixo, no modesto Mainz 05, beliscando a liderança em um ano atípico no futebol alemão. Nos anos de bastante dificuldade, em que víamos o Bayern retornar a seu grande estilo, Klopp troca o Mainz pelo Borussia e se inicia uma pequena dinastia no futebol da Bundesliga, foram dois títulos do campeonato e mais uma Copa da Alemanha, o projeto Dortmund não pararia por aí, não até disputar uma final de Champions League, projeto confirmado na temporada passada, faltou o título.

Nota: 

Esta postagem não expõe algum tipo de torcida, nem quer dizer que o Atlético perderá a final por ser um time inferior ao vice-campeão da temporada passada, ela só prova a superioridade do time do Borussia Dortmund, que apesar de ter um time melhor, foi derrotado pelo Bayern de Munique. Caso o Atlético vença o Real e se consagre campeão europeu, o time chega ao topo e supera a campanha Aurinegra do ano passado.

Sábado, os olhos do mundo se voltam para Lisboa, o Estádio da Luz será palco da grande decisão da UEFA Champions League. Real Madrid x Atlético de Madrid duelarão pela glória máxima do futebol europeu, respiramos a final da Liga dos Campeões, siga conosco, Esporte Entre Amigos!