sábado, 24 de maio de 2014

Enfim “La Décima”

A partida era Schalke 04 e Real Madrid, a Veltins Arena foi palco do melhor jogo Madridista na temporada, um sufoco espanhol, um massacre do trio BBC e início da “Era Di María”, o argentino foi gigante, participou discretamente dos 6 a 1, mas chamou a responsabilidade nos demais jogos da fase de mata-mata e, hoje, ele coroou uma temporada que pode-se afirmar que ele foi melhor que seu compatriota Lionel Messi. O Real Madrid conquista a tão sonhada décima conquista de um modo fenomenal, arrasador, brutal, eficiente!
Fim da seca! Espanhóis voltam a vencer a UEFA Champions League. (UEFA/Tribuna do Cisco)
Um título conquistado a partir dos 46 minutos da segunda etapa, o Atlético foi melhor nos 90 minutos, a arbitragem sentiu o peso da camisa mais pesada e também deu aquela mãozinha para os Merengues, mas nem o árbitro pode fazer com que Sérgio Ramos subisse tão alto e cabeceasse com tanta maestria, foi a redenção de um jogador que vinha sendo muito questionado. O peso por “La Décima” era imenso, doze anos de jejum, tentativas frustradas por novos galáticos, enfim o projeto de Florentino resultou em bons frutos, valeu cada centavo pago por Gareth Bale, valeu trazer um super pacote liderado por Cristiano Ronaldo, trazendo também Xabi Alonso e Benzema.

A última conquista veio dos pés de Raúl,
 um grande ídolo. (UEFA)
Um planejamento iniciado em épocas de José Mourinho, com toda arrogância e violência, Mou bagunçou o vestiário, coube a Carlo Ancelotti, na mais pura simplicidade, arrumar o vestiário como ele havia arrumado defesas como Nesta e Maldini, como ele transformou o Chelsea (2009/2010) no melhor ataque da história da Premier League, como ele ressuscitou Ramos e Pepe, considerada antes, uma das defesas mais violentas do futebol, como ele abriu mão de Özil e apostou todas as suas fichas no resgate de Di María, como ele descobriu Jesé, o garoto fez muita falta nos jogos finais.

É verdade que a campanha atleticana deve ser muito aplaudida, o time estava a 2 minutos de entrar para a história, mas, assim como na temporada passada, a camisa e o elenco pesaram, fazendo com que o gigante vencesse. Simeone foi o cara do time na temporada, nenhum jogador usou mais o coração que o técnico argentino, a forma como ele se entregou, como ele trabalhou e, principalmente, como ele torceu fez com que muitos realmente se emocionassem, os Colchoneros novamente tomaram de quatro.

Ancelotti ressuscita o vestiário galático. (Marca)
A conquista significa muito para o Real Madrid, o time viu seu arquirrival Barcelona ter um desempenho catastrófico, se contentando com um título de Super Copa da Espanha, além do mais, a vitória começou logo no início de 2014, quando Ronaldo superou Messi e foi coroado com o título de melhor do mundo, o português tem tudo para conquistar a sua terceira bola do ouro, mas a Copa do Mundo fará a diferença. Derrapes em temporadas passadas, uma seca de 12 anos, saudades de Raúl, Zidane e Figo, La Décima foi, enfim conquistada, com todo o mérito de um time que estava com cara de campeão, cara que começou a ser mostrada em Gelsenkirchen, título que veio no Estádio da Luz, Lisboa é novamente tomada pelos Merengues, o maior clube de futebol da história.

Grande abraço!


Vem aí a Copa do Mundo FIFA Brasil 2014, com o fim da temporada européia, a Tribuna se volta para o maior evento esportivo do planeta, siga conosco e viva mais uma Copa do Mundo com um gostinho especial, o gostinho do Brasil!