sábado, 17 de maio de 2014

Em nome de um sonho, explode Calderón!

Depois de anos de hegemonia dos gigantes, depois de uma temporada de pressão e muitas dificuldades, os guerreiros Atlético de Madrid sagraram-se campeões espanhóis, foi a décima conquista logo no ano em que os Colchoneros tentarão evitar o título da décima Liga dos Campeões pelo Real Madrid. Uma campanha espetacular, a melhor defesa do campeonato, 90 pontos somados que levaram a lenda viva Diego Simeone conquistar seu primeiro título de liga em solo europeu (o técnico já venceu o Campeonato Argentino pelo Estudiantes e pelo River Plate).
Pelo fim do jejum, Calderón e atletas unidos pelo bem maior de um clube que se viu perto da falência. (Tribuna do Cisco)
Vale destacar que Diego Simeone é o único remanescente da última conquista dos espanhóis, feito que aconteceu na temporada 1995/1996, o jejum de 18 chegou ao fim junto com a soberania de Barcelona e Real Madrid, lembrando que o último campeão entre os pequenos havia sido Valencia na temporada 2004/2005, tudo isso deixa o título mais saboroso, deixa a festa mais bonita e ainda serviu para o clube conquistar os corações de mais adeptos, os Colchoneros representaram não só um time, representaram todos os clubes que tanto tentaram derrubar os gigantes milionários.

Uma mescla de grandes jogadores com apostas que deram muito certo, a defesa é a prova disso, o jovem Courtois foi um dos grandes destaques, sendo uma das maiores revelações do futebol na temporada. A experiência de Juanfran, Godín, Miranda e Filipe Luís tornou o Atlético uma das melhores defesas da Europa, auxiliando até mesmo os jovens reservas, como foram os casos do zagueiro multifuncional Toby Alderweireld e o lateral esquerdo Emiliano Insúa. Seguindo para o meio de campo, vimos uma união de grandes ídolos, como o caso claro do capitão Gabi, o volante Tiago e o bom meia turco Arda Turan, os três, unidos a grande revelação do futebol espanhol na temporada, o meia Koke.

Diego Simeone é exaltado pelos atletas, técnico foi o
grande mestre e mentor de um projeto. (AP)
Além deles, vimos peças para lá de importantes ajudarem o time da capital na incrível conquista, o principal caso foi o retorno do ídolo Diego Ribas, o jogador voltou para onde ele realmente foi feliz, onde ele fez e faz história, marcando gol logo na reestreia e ajudando a equilibrar o time, Raúl García voltou ao time mais maduro e se mostrou muito disposto a ajudar Simeone, jogando no meio, nas pontas e até mesmo no ataque, o bom espanhol foi fundamental na conquista, merece todo o respeito. No ataque, vimos um simples hispano-brasileiro dominar o setor ofensivo e superar figuras como Sérgio Agüero, Diego Forlán e Falcão Garcia, Diego Costa foi o artilheiro que o Atlético tanto precisou, foi uma mistura de técnica, raça e talento, graças a ele, Adrián López, Cristian Rodríguez e o multicampeão David Villa, o Atlético teve um ataque muito positivo, foram 77 gols marcados. A carreira de David Villa é excpecional! De ídolo e artilheiro no Valencia, a conquistas de tudo pelo Barcelona e sendo peça crucial nos títulos da seleção espanhola, o cara tem um currículo invejável e chegou ao bicampeonato consecutivo em La Liga.

Em relação à campanha fenomenal, me recordo de bons jogos, como os dois contra o seu arquirrival Real Madrid, com destaque para o confronto em Santiago Bernabéu, aquela vitória por 1 a 0 com o gol de Diego Costa fez com que os Colchoneros conquistassem mais atenção da crítica, chegando onde chegou. Os jogos contra o Barcelona foram realmente dignas de finais, um empate por 0 a 0 no Calderón e o empate de hoje por 1 a 1 fizeram com que o time não precisasse provar mais nada a ninguém, celebrando a conquista. Lembro também dos momentos de dificuldades em que o time teve que passar, os clássicos contra os times de menor expressão, a derrota para Levante por 2 a 0 fez com que o time balançasse, o empate contra o Málaga dentro de casa que poderia ter rendido o título caso o time vencesse, mas as vitórias contra o Bilbao e contra o Valencia, os dois fora de casa provaram que o Atlético realmente foi o grande merecedor da conquista.
O elenco que conquistou La Liga e conquistou o coração de todos os amantes do futebol. (Tribuna do Cisco)

Sem um jogador como destaque individual, Diego Simeone foi realmente quem mais chamou atenção, o técnico assumiu papel de grande motivador e foi um pouco de alma e coração do clube, peça essencial que fez o Atlético ser campeão espanhol e pode fazer o Atlético se tornar, pela primeira vez em sua história, o campeão europeu. O fato é que o time entra muito motivado na grande final, ou seja, a equipe tirou um grande fardo das costas e entra tranquilo para a grande final. Nós homenageamos e parabenizamos o Club Atlético de Madrid, campeão espanhol após dezoito anos de um jejum que parecia interminável.

Sábado, os olhos do mundo se voltam para Lisboa, o Estádio da Luz será palco da grande decisão da UEFA Champions League. Real Madrid x Atlético de Madrid duelarão pela glória máxima do futebol europeu, respiramos a final da Liga dos Campeões, siga conosco, Esporte Entre Amigos!