quarta-feira, 21 de maio de 2014

12 anos de seca e um italiano para quebrar o jejum

Assim que José Mourinho anunciou sua saída do Real Madrid, eu fiz um post sobre o fracasso do português e de mais alguns técnicos que, junto ao pesado vestiário galáctico, viveram 11 anos de seca, ou seja, nenhum deles conquistaram a UEFA Champions League comandando o time que mais venceu a competição, o que é um absurdo (você pode conferir esse post clicando aqui). Contudo, questionei bastante se Carlo Ancelotti era o nome certo para pôr fim a esse jejum, o fato é que queimei a língua em algumas decisões do italiano que conseguiu recolocar os Merengues entre os dois melhores clubes do Velho Continente.
À procura de "Lá Decima", Ancelotti reinventa o espírito vencedor do Real. (Mirror)
O Real Madrid passou vários anos ofuscados pelo sucesso do rival Barcelona e agora tem a chance de por fogo na rivalidade caso o time da capital conquista a tão sonhada décima taça. A rivalidade se acentuou com a conquista do título de melhor do mundo de Cristiano Ronaldo, a verdade é que o português é a chave para o time do Real voltar a ser o conquistador da Europa. Os pontos altos de Ancelotti foi resgatar o futebol de Di María, o argentino é um dos pilares para o sucesso Merengue na temporada, ele assumiu o papel de Özil com até mais qualidade por ter o recurso velocidade. Além de Di María, Sergio Ramos voltou a ser o dono da zaga Madridista, fazia tempo que Ramos não jogava com tanta maestria, sendo importantíssimo até mesmo em jogadas de ataque, assim foi contra o Bayern na semifinal.

Antes um jogador violento, Pepe tem mostrado raça técnica sob comando de Ancelotti, ficou evidente que Mourinho incitava os seus jogadores a agirem com violência, o zagueiro luso-brasileiro faz, sem dúvidas, a melhor temporada com a camisa do Real, podendo ser coroada com o título europeu. Analisando o time em geral e as competições que o Real disputou, o italiano pecou muito em La Liga, o Real estava muito bem na briga com Atlético e Barcelona, porém, o time eliminou o Bayern na semifinal e conseguiu a sonhada classificação para a final da UEFA Champions League, com isso, jogadores, torcedores, comissão técnica e diretores meio que abandonaram a disputa do campeonato nacional e acabaram tropeçando dentro e fora de casa, abrindo mão da disputa, isso pode ter sido um erro crasso.


Os pilares de Ancelotti. (Tribuna do Cisco)
Na Copa do Rei, uma campanha sensacional! Eliminando com goleada o Atlético na semifinal e vencendo o Barcelona na grande final, o time do Real se mostra bastante copeiro, o que é um ponto a favor da equipe na decisão em Lisboa. Cristiano Ronaldo já tem 16 gols e é artilheiro isolado da Liga, com isso, o português se tornou o maior artilheiro em uma única edição de Liga dos Campeões, uma marca excepcional que pode dar a Ronaldo a chance que ele jamais conseguiu dar a torcida do Real, a tão sonhada “Lá Decima”. O Real Madrid entra na final como franco favorito, muito graças a Cristiano Ronaldo, mas o maior mérito é de Carlo Ancelotti, técnico bicampeão como técnico e campeão como atleta da Liga dos Campeões, experiência, humildade e talento podem tornar o italiano um dos maiores técnicos da história do clube, pode torná-lo o homem que encerrou o jejum.

Sábado, os olhos do mundo se voltam para Lisboa, o Estádio da Luz será palco da grande decisão da UEFA Champions League. Real Madrid x Atlético de Madrid duelarão pela glória máxima do futebol europeu, respiramos a final da Liga dos Campeões, siga conosco, Esporte Entre Amigos!