sábado, 26 de abril de 2014

UFC 172: Um campeão sem perfil definido.

Um salve a todos os leitores fãs de MMA da Tribuna do Cisco. Mais um dia de evento principal, mais uma disputa de cinturão e mais um lutador tupiniquim tentando ocupar o posto semelhante ao de José Aldo e Renan Barão como os nossos representantes que ostentam o posto de campeões de suas respectivas. Pela primeira vez na história, o UFC pousa em Baltimore para lutar na Baltimore Arena.
Jones encara mais um desafio, Glover Teixeira. (Tribuna do Cisco)

Após a fatídica queda de Anderson Silva, o campeão mais dominante que o UFC já viu em toda sua história, o possível sucessor do posto fará sua sétima defesa de título. O recorde da categoria, que pertencia ao Hall of Famer Tito Ortiz já foi quebrado na sua última apresentação em uma luta muito equilibrada de resultado bastante questionável para alguns espectadores do esporte (não no caso da Tribuna, 3x2 indiscutíveis para Jones).  Hoje, Bonesenfrenterá alguém com um poder de nocaute de verdade, diferentemente do sueco Gustafsson que castigou o campeão, mas não conseguiu por um ponto final no combate.

Jones tem um background muito atlético, sua família é composta por três atletas de altíssimo nível e todos possuem um histórico muito positivo nos esportes. Além disso, a famosa envergadura do campeão é percebível nos jogadores da NFL Arthur e Chandler Jones. Bones simplesmente emergiu como um furacão, batendo todos os seus oponentes com uma facilidade incrível e tendo sofrido uma única derrota devido uma desqualificação. Muito se falava sobre sua real capacidade, porque alguns chegaram a afirmar que quando ele enfrentasse os tops da categoria, passaria por apuros. O combate contra Ryan Bader, que o daria o direito ao titleshot, foi mais uma performance de gala, porém, aparentemente Bader não era tão bom assim.

Então, muito foi criado sobre o que aconteceria quando ele enfrentasse o lendário e duríssimo Maurício Shogun. O que houve foi uma passada de caminhão em cima do brasileiro e uma vitória incontestável do americano. Jones dominou a luta em todos os aspectos, mostrou todo seu arsenal de golpes e pôs um ponto final em qualquer dúvida que ainda restava. Todavia, foi antes desta luta que Jones foi descoberto como alguém sem muito carisma, e olhe que não faltaram esforços para que o ultimate o promovesse de todas as maneiras, inclusive citando que ele prendeu imobilizou um bandido após um flagrante nos meios das ruas de NJ na manhã do dia do evento. A grande mancada que ele cometeu foi de dar alguns autógrafos com a assinatura de “Jones Champion 2011”. Por mais que você venha a se tornar um campeão, isso é algo desrespeitoso, pois nesse esporte tudo pode acontecer.

A partir daí, a mídia começou a trabalhar em cima de uma possível personalidade arrogante de Jon Jones, que realmente é a que mais se aproxima. E vejamos que o próprio lutador não definiu o seu próprio perfil, toda entrevista é uma conversa diferente. Para um evento que trabalha fortemente o marketing em cima dos seus empregados, é bom que cada um se comporte de uma maneira original, pois facilita sua divulgação. No UFC nós temos o falastrão ChaelSonnen, que utiliza da mesma estratégia de Tito Ortiz, só que de maneira mais apelativa que o antigo campeão. Os bad boys irmãos Diaz, o centrado GSP, o simpático RichFranklim, o engraçado ForrestGriffin, o taciturno Cain Velasquez, o contraditório Vitor Belfort, o simpático Phil Davis, o cômico Tim Kennedy, o tosco Michael Bisping e etc. Até mesmo o seu desafiante, Glover Teixeira, é tratado como alguém quieto, de poucas palavras. Ou seja, Jones deixou escapulir algumas vezes sua prepotência, assim como o ex-campeão Anderson Silva fez, e aparentemente o UFC não aprova muito esta conduta (excluam RondaRousey desta última afirmação). Além disso, suas últimas falas sobre o duelo contra Gustafsson pegaram muito mal para sua imagem, aparentando estar fugindo ao máximo de um segundo duelo. Somado a tudo isto, está o seu planejamento pessoal que ninguém entende. Primeiro ele afirmava que iria para os pesados em breve porque os duelos na LHW já tinham terminados. Agora ele desmente tudo e diz que esta é sua categoria e não há justificativa para mudar. A conclusão que podemos chegar é que JBJ é muito mal assessorado para se tratar com a imprensa, sendo tão precário que chego a duvidar se ele dispõe mesmo deste tipo de serviço.

A verdade é que, enquanto Jones for mágico no octógono e substitua Anderson Silva como verdadeira lenda da organização, o UFC vai estar muito despreocupado com seu perfil não muito definido, assim como foi com o lutador brasileiro, que também não é nenhum mestre em entrevistas. Nocautes e finalizações farão com que Dana White o blinde o máximo possível. Porém, isto é um negócio, e se por algum acaso suas maneiras se tornem ineficazes, outras terão de ser encontradas.
No card preliminar teremos algumas lutas bem interessantes. Joseph Benavidez vai começar sua terceira tentativa em busca do cinturão contra o bem ranqueado Phil Elliot. A brasileira Bethe Correia fará o duelo feminino da noite contra a gigante Jessamyn Duke. E a luta mais aguardada (pelo menos pra mim) é a do lendário campeão do PrideTakanoriGomi contra Isaac Vallie-Flagg.

Agora vamos aos palpites no card principal.

Max Holloway VS AndreFili

Encarada descontraída. (Evelyn Rodrigues)
Esta luta parece a tradicional preliminar dos jogos de futebol. Principalmente se levarmos em consideração que a soma das duas idades é o quase igual a do mito Dan Henderson. Sobre os lutadores, aparentemente temos uma futura promessa e um lutador para cumprir um posto de figurantes. Holloway já tem várias lutas na franquia e alguns bons resultados, outros nem tanto. Já Andre Fili, desponta como uma promessa que pode se tornar realidade caso consiga dar continuidade aos bons resultados que o credenciaram como alguém que venha a evoluir e tentar incomodar o absoluto José Aldo. Acredito e torço para que a luta fique em pé e tenhamos uma grande exibição de ambos os atletas.

PALPITE: FILI POR DECISÃO UNÂNIME.

Jim Miller VS Yancy Medeiros

Bom duelo de americanos. (Evelyn Rodrigues)
Miller é um lutador que eu adoro assistir. Duro, bom em pé e com um jiu-jitsu digno de uma faixa preta. Além de bastante agressivo sempre procurando evitar suas lutas irem para a decisão, Miller proporciona batalhas épicas, é só perceber a quantidade de três prêmios de luta da noite que ele já recebeu. Medeiros definitivamente não vai tentar fazer com que a luta vá para o chão, até porque, sua vantagem está exatamente na luta em pé. Junto a isso, está sua sede por vitória pois uma derrota fácil poderá fazer com que ele seja demitido, até porque ele busca à primeira vitória dentro da organização já que seu único triunfo se tornou No Contest por conta de doping causado por maconha.

PALPITE: MILLER POR FINALIZAÇÃO NO SEGUNDO ROUND.

Luke Rockhold VS Tim Boestch

Essa luta provavelmente terminará
antes do previsto. (Evelyn Rodrigues)
Rockhold é um grande lutador, com uma trocação fina e um bom jogo de chão. O ex-campeão do Strikeforce lutou apenas duas vezes no UFC, porém, foi o suficiente para ele criar um algoz. Em suas entrevistas, o nome de Vitor Belfort sempre é lembrado pelo americano, deixando claro que ele nunca engoliu esta derrota. Rockhold é daqueles que sabe finalizar a luta, mas muitas vezes não leva à luta ao chão, simplesmente o adversário vai sentindo seus golpes e uma brecha é o suficiente para que ele ponha um ponto final no combate através de uma finalização. Tim Boetsch está passando por uma má fase após ter se encontrado na categoria dos médios. Tendo três derrotas nos últimos quatro combates, não é exagero afirmar que uma derrota pode fazer com que o bárbaro faça uma visita no RH do UFC. E sinceramente, acho que uma apresentação convincente é a única maneira de mantê-lo empregado dentro da organização americana.

PALPITE: ROCKHOLD POR NOCAUTE NO TERCEIRO ROUND.

Phil Davis VS Anthony Johnson

O queridinho Phil Davis é favorito no
 retorno de Anthony Johnson. (Evelyn Rodrigues)
O Senhor Maravilha como é chamado Phil Davis é considerado por muitos um lutador unidimensional. Não considero esta visão equivocada, mas não é errado afirmar que sua evolução na luta em pé está bem satisfatória. Somado a isto, temos um lutador que sabe traçar bons planos de luta para todos os adversários. Nenhum combate é melhor para comprovar isto do que sua vitória, por mais que contestada, contra Lyoto Machida. Davis é um wrestler de primeira linha e por ser muito comprido, consegue muito bem usar sua vantagem corporal para derrubar os adversários. Anthony Johnson está de volta ao UFC após ser demitido por conta de um grande sobrepeso em sua luta contra Vitor Belfort. Johnson fará sua estreia no UFC na categoria dos meio-pesados, ninguém nunca entendeu como ele conseguia lutar entre os meio-médios, mas agora fica um tanto quanto notório que ele não passará mais por problemas com a balança. E a mudança de categoria tem trazido bons frutos para Rumble, pois ele já acumula seis vitórias seguidas desde sua última derrota. A chave para a vitória será evitar o jogo de quedas de Davis e levar vantagem na luta em pé. Caso a luta vá para o chão, Davis deve vencer com alguma facilidade.

PALPITE: DAVIS POR DECISÃO UNÂNIME.

Jon Jones VS Glover Teixeira

O homem que pode bater Jones,
 será a luta do ano. (Evelyn Rodrigues)
Uns classificam este como o maior desafio que Jon Jones terá desde que se tornou o campeão dos meio-pesados do UFC. Bem, minha opinião é que poderia ser, mas a última luta de Glover Teixeira não me deixou tão confiante com um possível triunfo brasileiro. Jones tem uma estrutura corporal muito vantajosa enfrentando lutadores não tão longos. Consegue controlar bem a distância e quando está em apuros na luta em pé, abre seu arsenal de quedas e normalmente finaliza a suas lutas na base de um ground pound muito agressivo. Porém, o fato de Glover ter sofrido um pouco nas mãos de Ryan Bader não significa que o brasileiro não tem chances, ninguém é louco de afirmar isto. Glover tem uma movimentação muito precisa e combina isto muito bem com golpes muito potentes capazes de derrubar qualquer ser humano. E se Jones tem um chão agressivo, o mesmo pode ser dito sobre o mineiro com um Jiu-Jitsu muito fino dentro desta categoria. Talvez o preparo físico do americano possa se tornar um plus no decorrer da luta, mas para isso, ele vai ter que aguentar um brasileiro com sede de título.

PALPITE: TEIXEIRA POR NOCAUTE NO SEGUNDO ROUND.