sexta-feira, 14 de março de 2014

Brasil na América – 3° Rodada

A semana não foi boa para os brasileiros, só o Atlético Paranaense conseguiu conquistar os três pontos, de resto, resultados bem razoáveis para os outros, principalmente para o Cruzeiro, que chegou a segunda derrota em três jogos, confira!
A rodada não foi boa para o Brasil, exceto para o Furacão. (Tribuna do Cisco)

Defensor-URU 2 x 0 Cruzeiro: Após um verdadeiro show sobre La U, a Raposa foi até Montevidéu encarar o Defensor e não teve vida fácil. O primeiro tempo foi daqueles jogos duro de se assistir, pouca criação, um Cruzeiro muito abaixo do esperado, Ricardo Goulart não conseguiu repetir a grande atuação da estreia no Mineirão, o time mineiro prova que é um time caseiro, isso pode ser um problema para o restante da fase de grupos.

Felipe Gedoz foi o nome da vitória uruguaia. (Getty)
Marcelo Oliveira via seu time errar em lances bobos, falhar na hora de definir, realmente, Borges tem feito muita falta e a queda de rendimento de William também tem custado caro, o atacante já perdeu posição para Dagoberto. Todavia, o primeiro tempo terminou e não deixou saudade, o time do Defensor também é muito limitado, apesar de já ter duas vitórias e liderar o grupo 5. No segundo tempo, o jogo continuava fraco, até chegar os 18 minutos, onde os uruguaios tiveram uma chance em uma falta perigosíssima, quis o destino que o único brasileiro do Defensor fosse para a cobrança, Gedoz foi certeiro, foi um belo gol, abrindo a conta.

O Cruzeiro continuou preguiçoso, mas um pouquinho de coragem e o time se aproximou do empate, conseguindo um pênalti em Ricardo Goulart, resultando no segundo amarelo de Arías. Na cobrança, Dagoberto deveria ter se inspirado em Gedoz, mas não conseguiu, uma cobrança para fora que desestimulou todo o elenco cruzeirense, que foi castigado com um balde de água fria quando o time uruguaio fez grande jogada, em uma arrancada fulminante, Felipe Gedoz decretou a segunda vitória do Defensor na competição, a segunda derrota da Raposa no grupo 5.

Em terceiro lugar com apenas 3 pontos de 9 disputados, o Cruzeiro está a perigo, apesar disso, na próxima semana, a equipe receberá o mesmo Defensor no Mineirão, pode ser a certeza de dias melhores, o time precisa mais do que nunca dos três pontos e de um saldo positivo, a verdade é que o campeão brasileiro está devendo na competição.

Ficha Técnica:

Local: Estádio Luis Franzini, em Montevidéu (URU)

Data: 11 de março de 2014, terça-feira

Horário: 19h (de Brasília)

Árbitro: Diego Abal (ARG)

Assistentes: Gustavo Rossi e Ernesto Uziga (ambos da Argentina)

Cartões amarelos: (Defensor) Arias, Zeballos (Cruzeiro) Ceará, Rodrigo Souza, Everton Ribeiro, Tinga

Cartão vermelho: (Defensor) Arías

Gols:

Defensor: Felipe Gedoz, aos 18 e aos 32 minutos do segundo tempo

Defensor: Campaña; Zeballos, Arias, Malvino e Herrera; Felipe Gedoz (Pais), Arrascaeta, Fleurquin e Cardaccio; Oliveira (Correa) e Risso (Alonso)
Técnico:Fernando Curutchet

Cruzeiro: Fábio; Ceará, Bruno Rodrigo, Dedé e Egídio; Rodrigo Souza (Marlone), Nilton, Ricardo Goulart e Everton Ribeiro (Tinga); Dagoberto e Marcelo Moreno (Willian)
Técnico: Marcelo Oliveira

Indepediente Del Valle-EQU 2 x 1 Botafogo: Ainda invicto, mas jogando mal, o Botafogo foi a Quito enfrentar o jovem time do Independiente Del Valle, o time só tem 72 anos de existência, porém, já tem seus valores dentro de campo. O Botafogo, mais uma vez, não foi bem, mas até tinha o jogo nas mãos, perdendo boas oportunidades na primeira etapa. O jovem Sornoza se destacou bastante, ele tem só 20 anos e pode ser uma boa para o futuro equatoriano, deu trabalho ao Fogão.

Botafogo sofre amarga derrota no Equador. (AP)
O Botafogo era bem melhor no jogo, os grandes problemas foram as terríveis condições do gramado e a péssima arbitragem do moço Manuel Garay (Peru), ele estava mais perdido que o próprio time do Equador, mesmo assim, ele conseguiu dar uma boa ajudinha ao clube. Antes disso, os cariocas abriram um placar em uma jogada aérea, Jorge Wagner cruzou e Bolívar empurrou para o gol, seria uma vitória que deixaria o Botafogo muito próximo da classificação.

Entretanto, o time do Equador acordou depois de tomar o gol e, sim, agora o senhor Manuel Garay chamou a responsabilidade e deu maiores chances para o Independiente. Primeiro, ele expulsou Bolívar por uma falta dura, no meio da confusão por conta da expulsão, o árbitro se desentendeu com o lateral Edilson e também o mandou para o chuveiro, 2 a menos e desvantagem enorme para os brasileiros. Realmente complicou para o Fogão, o time perdeu a camisa e sofreu o empate aos 26 da segunda etapa, Nuñez foi quem mandou para o gol.

Apesar de ter sido prejudicado e estar fora de casa, o Botafogo foi guerreiro, segurou o placar ao máximo, mas o banho de água fria veio aos 45 minutos, no último lance do jogo, um chute despretensioso de Sornoza, foi certeiro, foi lindo! Um golaço que garantiu a vitória do Equador. Sofrendo o primeiro revés, o Botafogo ainda lidera o grupo 2, com 4 pontos, seguido por Independiente Del Valle e San Lorenzo também com 4 pontos, o Unión Española é lanterna com 3 pontos, é um grupo muito aberto. O Fogão volta a campo já na semana que vem, quando recebe o Independiente no Maracanã, é a chance da revanche.

Ficha Técnica:

Local: Estadio Rumiñahui, em Quito (Equador)

Data: 12 de março de 2014, quarta-feira

Horário: 19h45 (de Brasília)

Árbitro: Manuel Garay (Peru)

Assistentes: Raúl Cruz (Peru) e Bravulio Cornejo (Peru)

Cartões amarelos: André Bahia e Gabriel (Botafogo)

Cartões vermelhos: Bolívar e Edílson (Botafogo)

Gols:

Independiente Del Valle-EQU: Christian Nuñez, aos 26min do segundo tempo; Junior Sornoza, aos 45min do segundo tempo

Botafogo: Bolívar, aos 13min do segundo tempo

Independiente Del Valle-EQU: Librado Azcona, Christian Nuñez, Andrés Lamas, Fernando León (Gabriel Cortez) e Mario Pineida (Armando Solis); Jonathan González, Mario Rizotto, Henry León (Julio Angulo) e Fernando Guerrero; Junior Sornoza e Daniel Angulo
Técnico: Pablo Repetto

Botafogo: Jefferson, Edilson, Bolivar, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Gabriel, Jorge Wagner e Lodeiro (Bollati); Wallyson (André Bahia) e Ferreyra (Lucas)
Técnico: Eduardo Húngaro

Empate com sabor de derrota no novo Maracanã. (Getty)
Flamengo 2 x 2 Bolívar: Enfrentando o pior time do grupo, o Flamengo tinha tudo para vencer, estava no Maracanã lotado, mas faltava um time competitivo a ponto de golear os bolivianos. O time do irmão desconhecido de José Callejón veio para surpreender... E conseguiu! Jayme veio com dois desfalques importantes, André Santos e Léo Moura estavam lesionados, dando vaga a João Paulo e Léo, os dois são visivelmente limitados.

A verdade é que o rubro negro não entrou bem, errando muitos passes e Hernane não estava em dia de brocar. O primeiro tempo foi duro de assistir, o time do Flamengo encontrou muitas dificuldades, as mesmas do primeiro tempo contra o Emelec, o Bolívar esperava, mas sabia por onde chegar e assustar os cariocas. Na segunda etapa o bicho pegou, isso porque o Flamengo atacava e deixava a defesa exposta, o castigo veio logo aos 7 minutos, quando Wallace vacilou e cavou falta, o jogo continuou e o Bolívar fez boa jogada, sobrando a bola para Capdevilla, o espanhol, que não é o mesmo campeão mundial pela Fúria, não desperdiçou e calou o Maraca.

Dois minutos após o gol, o Flamengo chegou ao empate, em bola levantada na área, Wallace estava impedido, mas o apito amigo ajudou o clube da Gávea e, Éverton, que não tinha nada a ver com isso, bateu cruzado, 1 a 1 e nova esperança para o Mengão. O Flamengo pressionou, mas o gol não queria sair e a torcida já estava aflita, o mesmo Éverton, que vive grande fase marcou um golaço e deixou o Fla em vantagem.

O balde de água fria veio poucos minutos depois, dessa vez quem falhou foi João Paulo, o substituto de André Santos tropeçou dentro da própria área e abriu espaço para Pedriel garantir o empate boliviano, a falha custou caro para João Paulo, que foi muito vaiado no restante da partida. O Flamengo perdeu a cabeça e esqueceu de jogar, o fato é que o empate coloca muito em risco a participação do clube na próxima fase, isso porque a derrota para o León custou caro, desperdiçar pontos no Maracanã é um grande erro.

O Flamengo é apenas vice-líder com 4 pontos no grupo 7, detalhe, fará dois jogos fora de casa, situação complicadíssima a do campeão da Copa do Brasil. O Emelec lidera com 6 pontos, o León é terceiro com 4 e o Bolívar tem apenas 2, segurando a lanterna. O Fla viaja a Bolívia, sob uma altitude de mais de 3000 metros, um jogo para lá de difícil contra o Bolívar, time que o Mengão não conseguiu vencer dentro da própria casa, complicou!

Ficha Técnica:

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 12 de março de 2014 (Quarta-feira)

Horário: 22h(de Brasília)

Árbitro: Enrique Osses (Chile)

Assistentes: Carlos Astroza (Chile) e Sérgio Román (Chile)

Cartões amarelos: Arce, Rodríguez e Pedriel (Bolívar)

Gols:

Flamengo: Everton, aos 9 e 22min do segundo tempo

Bolívar: Capdevilla, aos 7min do segundo tempo; Pedriel, aos 27min do segundo tempo

Flamengo: Felipe, Léo (Paulinho), Wallace, Samir e João Paulo; Víctor Cáceres (Carlos Eduardo), Muralha, Elano (Alecsandro), Gabriel e Everton; Hernane
Técnico: Jayme de Almeida

Bolívar: Romel Quiñónez, Nelson Cabrera, Luis Gutierrez e Edemir Rodríguez; Gerardo Yecerotte (Edu Moya), Damiar Miranda (Rudy Cardozo), Juan Miguel Callejón (Ricardo Pedriel), Jose Capdevilla e Walter Flores; William Ferreira e Juan Carlos Arce
Técnico: Xabier Azkargorta

Nacional-PAR 2 x 2 Atlético Mineiro: Forte candidato ao título e com a classificação bem encaminhada, o Atlético Mineiro entrou em campo no Paraguai para encarar o Nacional genérico, é impressionante como os brasileiros sentem dificuldades em jogar fora de casa, mas o Galo até que mandou muito bem. Autuori ainda não conta com um lateral esquerdo de ofício, mas Dátolo, enfim, jogou muito bem.

O empate foi bom resultado para o Galo mineiro. (AP)
O time paraguaio abriu as contas logo aos 8 minutos de jogo, botando muita pressão para cima do atual campeão, o gol foi de Melgarejo. Autuori já sofre pressão mesmo quando vence os jogos, imaginem perdendo, mas o técnico foi muito bem na partida de ontem. O time não se intimidou e tomou coragem para atacar, conseguindo o gol aos 21 minutos da primeira etapa, com um bom passe de Ronaldinho para o bom volante Josué, 1 a 1.

5 minutos depois, uma linda jogada de Dátolo, que tocou para um Jô em posição irregular, a arbitragem deixou passar e o atacante da seleção brasileira empurrou para as redes, virada mineiro no Paraguai. O time começou a controlar o jogo, sem deixar espaços, embora o Nacional, as vezes, chegasse com perigo. O grande problema no jogo do Atlético, foi novamente a arbitragem, o moço Patricio Loustau (ARG) e seus assistentes Ivan Nuñez e Ariel Scime (ambos da Argentina).

Aos 41 minutos de segundo tempo, o árbitro viu um toque de mão intencional da defesa do Atlético, resultando em um pênalti para lá de duvidoso para o Nacional, a arbitragem de novo prejudicou o time de fora, isso é Conmebol! Torales empatou a peleja e garantiu um ponto para cada time. O Atlético faz uma grande Libertadores, 7 pontos e liderança tranquila no grupo 4, o time volta a campo na próxima quarta, onde receba no horto o Nacional e tem grandes chances de show em Minas Gerais.

Ficha Técnica:

Local: Estádio Antonio Aranda, em Ciudad del Este (PAR)

Data: 12 de março de 2014, quarta-feira

Horário: 22h (de Brasília)

Árbitro: Patricio Loustau (ARG)

Assistentes: Ivan Nuñez e Ariel Scime (ambos da Argentina)

Cartões amarelos: (Nacional) Coronel, Balbuena, Cáceres, Melgarejo (Atlético-MG) Josué, Leandro Donizete, Ronaldinho Gaúcho, Otamendi

Gols:

Nacional-PAR: Melgarejo, aos oitos minutos do primeiro tempo; Torales, aos 41 do segundo tempo

Atlético Mineiro: Josué, aos 21 e Jô aos 26 minutos do primeiro tempo

Nacional-PAR: Iganacio Don; Coronel, Balbuena, Cáceres e Mendoza; Riveros, Torales, Orué (Luzardi) e Melgarejo (Santa Cruz); Benitez (Martinez) e Bareiro
Técnico: Gustavo Morínigo

Atlético Mineiro: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Otamendi e Dátolo (Alex Silva); Pierre, Josué (Leandro Donizete), Ronaldinho (Rosinei) e Tardelli; Fernandinho e Jô
Técnico: Paulo Autuori

Pará parou na trave e Grêmio tropeçou em casa.
(Futebol Interior)
Grêmio 0 x 0 Newell’s Old Boys-ARG: Provavelmente, o grande jogo da terceira rodada, o então 100% Grêmio recebeu o time de Rosário, o estrelado Newell’s Old Boys. O clube argentino veio para a Libertadores mais forte do que nunca, além da experiência de Maxi Rodríguez e Gabriel Heinze, ainda contrataram o atacante multicampeão David Trezeguet e o bom meia Éver Banega, tem tudo para dar certo na competição.

O jogo foi bastante equilibrado, os dois times eram muito fortes, mas era óbvio que o Grêmio teria que chamar a responsabilidade, pois jogava em casa, o grande problema gaúcho foi que o ataque, dessa vez, não funcionou, comprometendo todo o esquema tático de Enderson Moreira, fazendo com que o time perca dois pontos dentro de sua Arena. A torcida lotou o estádio, o time jogou melhor, mas o resultado que seria grandioso não veio nem a grande chance protagonizada por Pará resultou em gol, a bola caprichosamente parou na trave.

O Newell’s fez uma partida excelente, o time tem tudo para render no torneio, é, sem dúvidas, o melhor time argentino na competição, principalmente porque o Vélez sempre amarela. Apesar do grande resultado ao empatar com o melhor time do grupo, os argentinos ainda oscilam na Taça, muito por conta da derrota na estreia contra o Atlético Nacional, o 1 a 0 colocou os argentinos em situação delicada. Contudo, os 4 a 0 para cima do Nacional do Uruguai recolocou o time na competição, com o 0 a 0 em Porto Alegre, o Newell’s pode assumir a liderança já na próxima fase, terá que vencer o Grêmio em Rosário.

Ao Grêmio, resta repensar esse ataque, que nos dois primeiros jogos foram infalíveis, tem que se pensar, pois contra adversários complicados, o clube precisará mais do que nunca dele. Agora, o jogo em Rosário é prova de fogo para os gremistas no grupo da morte, o Grêmio tem o melhor time, mas não pode bobear em uma chave tão difícil. Brasileiros e argentinos voltam a campo na próxima quarta-feira, dessa vez, a partida será no caldeirão do El Coloso Del Parque, com certeza, o grande jogo da quarta rodada, com favoritismo para os hermanos.

Ficha Técnica:

Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)

Data: 13 de março de 2014, quinta-feira

Horário: 21h15 (de Brasília)

Árbitro: Carlos Amarilla (Paraguai)

Assistentes: Carlos Cáceres e Diego Gaona (ambos paraguaios)

Público: 43.628

Renda: R$ 2.404.499,00

Cartões amarelos: Wendell e Alán Ruiz (Grêmio); López e Casco (Newell’s Old Boys)

Grêmio: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho, Ramiro, Riveros (Dudu) e Zé Roberto (Alán Ruiz); Luan (Maxi Rodríguez) e Barcos
Técnico: Enderson Moreira

Newell’s Old Boys: Guzmán; Cáceres, López, Heinze e Casco; Villalba, Bernardi (Castro) e Banega (Orzán); Maxi Rodríguez, Ponce (Trezeguet) e Figueroa
Técnico: Alfredo Berti

Universitário-PER 0 x 1 Atlético Paranaense: O jogo era complicado, apesar do Universitário ser uma das piores equipes da atual Taça Libertadores, o Furacão vinha ameaçado, perdeu para o Vélez na Argentina e gerou toda a desconfiança. Todavia, o time paranaense entrou em campo muito ligado, jogando melhor e controlando bem a saída de bola, Weverton teve poucos problemas, talvez a individualidade tenha prejudicado um pouco o time.

O primeiro tempo foi um pouco chato, mas era visível que o time de Miguel Portugal era melhor, mesmo fora de casa. O pouco público talvez tenha prejudicado os donos da casa, que conseguiram manter o 0 a 0 na primeira etapa. Os curitibanos tinham o desfalque de Adriano, o Imperador sentiu dores nas costas e nem viajou, todos ainda esperamos a presença do atacante no clube, só jogou 15 minutos em dois jogos.

O Atlético voltou para o segundo tempo com a obrigação de marcar um gol, e conseguiu! Mas só veio aos 22 minutos, num cruzamento pela direita e Duarte mandou com o peito para o próprio gol, um golaço, só que contra. O detalhe é que pareceu que Éderson que cutucou para o gol, mas realmente foi contra. Com a vitória, o Furacão respira com 6 pontos, detalhe para a vitória fora de casa, apesar de ainda estar em terceiro no grupo 1, o time vai receber o Vélez e o próprio Universitário, a verdade é que o time só depende dele e tem boas chances de classificação.
Atlético-PR salva a semana brasileira na Taça Libertadores. (Arena)

O time do Paraná salvou a semana para os brasileiros, afinal de contas, só ele conseguiu os 3 pontos e voltou a brigar por vaga nas oitavas. A equipe volta a campo na próxima quinta-feira, onde recebe o Universitário no Paraná.

Ficha Técnica:

Local: Coloso de Ate, em Lima (PER)

Data: 13 de março de 2014, quinta-feira

Horário: 23h30 (de Brasília)

Árbitro: Imer Lemuel Machado Barrera (FIFA-COL)

Assistentes: Wilmar Navarro(FIFA-COL) e Alexander Guzman (FIFA-COL)

Cartões amarelos: Edwin Gómez (Universitario); Deivid, Sueliton, Mirabaje e Paulinho Dias (Atlético-PR)

Gols:

Atlético-PR: Duarte (contra), aos 22 minutos do segundo tempo

Universitário: José Carvalho; Diego Chavez, Nestor Duarte, Dalton e Edwin Gomez; Sebastian Luna, Gonzales, Ángel Romero (Vargas), Christofer Gonzales e Carlos Olascuaga (Aurélio Vertiz); Ruidíaz
Técnico: Carlos Silvestri (interino)

Atlético-PR: Weverton; Sueliton, Manoel, Cleberson e Natanael; Deivid (João Paulo), Paulinho Dias e Mirabaje; Douglas Coutinho (Fran Mérida), Ederson e Bruno Mendes (Felipe)

Técnico: Miguel Ángel Portugal