sábado, 28 de dezembro de 2013

UFC 168: Anderson Silva, o criador de desolações.

Salve para todos os leitores da Tribuna do Cisco! O último final de semana do ano chegou e junto a ele, tradicionalmente, ocorre o último UFC de 2013. Nos últimos anos, a organização americana tem repetido este feito de sempre marcar um evento no último final de semana, aparentemente isto passa despercebido, mas acredito que acabou se tornando uma tradição, como acontece com o evento que sempre é realizado no mesmo período do Super Bowl. O tradicionalíssimo no mundo das lutas MGM Grand Garden Arena será o local da disputa, o mesmo do UFC 162 que aconteceu em julho deste ano.

UFC 168, o evento do ano. (Cartaz Oficial)

Há muito tempo o UFC não teve uma consequência tão chocante quanto à derrota do seu principal lutador. Como mencionado no primeiro parágrafo, o UFC 162 mudou a rotina do UFC de cabeça pra baixo. O interessante é que após este acontecimento, outros momentos marcantes carimbaram um ano de muitas surpresas, por exemplo: Uma luta burocrática de José Aldo contra o Jung Chan-Sung, a mudança de campeão dos leves que passou de Bem Henderson para Anthony Pettis, mais um nocaute devastador de Renan Barão e a confirmação da luta contra Dominick Cruz,  Alexander Gustafsson causando muitos danos em Jon Jones e  a entrega do título dos meio-médios de GSP após um resultado muito controverso contra Johnny Hendricks. É válido frisar que os últimos dois combates apontados anteriormente possuem visões bem distintas por vários acompanhantes do MMA, eu mesmo achei a vitória de Jon Jones justa, pois na minha contagem foram três rounds a dois para o americano. Já na disputa de cinturão dos meio-médios, foi uma decisão ao melhor estilo Machida, garfo absurdo! Porém, como nas lutas do Karate Kid, não houve um domínio contundente para que possamos cravar uma decisão absoluta.

Antes víamos isto. (Tapout.com)
Mas voltando para o evento de hoje à noite, ou melhor, para a luta principal, muito se foi feito após o cinturão passar para as mãos de Chris Weidman, principalmente se tratando de publicidade e divulgação. Dana White não brincou em serviço e criou uma turnê de divulgação deste duelo que passou por vários lugares, inclusive o Brasil. Em algumas cidades, Ronda Rousey e Miesha Tate também seguiram juntas, o mesmo ocorreu para Cain Velasquez e Júnior Cigano. Para encerrar com chave de ouro toda essa publicidade em cima do UFC 168, aconteceu à décima oitava temporada do TUF dos EUA com Rousey e Tate como treinadoras. Acompanhei o máximo de coletivas e posso afirmar com clareza, Weidman e Tate saíram vencedores em toda exposição. O primeiro por se portar sempre de maneira muito educada e ser constantemente simpático na maioria dos momentos, contrastando com um Anderson que não se esforçava em mostrar que estava ali obrigado. O próprio Dana White confirmou a dificuldade em rodar o mundo com o ex-campeão só com o intuito de divulgar a luta (Segue notícia). Entre as mulheres, o TUF foi um divisor de águas na imagem de Ronda Rousey. Aquela californiana, bonita, atleta olímpica que foi responsável pela inclusão do MMA feminino no UFC, se mostrou uma criança mimada e bem descontrolada em face de Miesha Tate. A prova disso, foi durante a competição para ver quem dividiria a capa do próximo jogo de vídeo game do UFC com Jon Jones. Nesta batalha, Miesha levou a melhor e o principal motivo seria a reprovação do público mediante ao comportamento de Ronda no reality show.

Hoje vemos isto. (mmaweekly.com)
Para este evento, a pergunta que todos estão fazendo é “qual será a postura de Anderson Silva para este combate?”. Pessoalmente, perdi muita admiração por Anderson Silva por ter acompanhado sua evolução como atleta desde os tempos de Chute Boxe. AS não brincava em serviço e partia para lutar! Vencendo ou perdendo, mantinha uma postura de verdadeiro artista marcial e saía de cabeça erguida com o triunfo ou desolação. Aliás, Anderson é um mestre em causar desolação aos seus adversários! Apenas cinco tiveram a oportunidade de sentir o gosto de desolar Anderson Silva (Tudo bem que Okami ganhou através de uma desclassificação por conta de um golpe ilegal).

Um amigo meu perguntou se eu não gostava de Ali? Porque ele foi, talvez, o precursor em tirar a atenção dos adversários por passos de dança ou pela guarda baixa. Eu realmente não tenho uma opinião formada sobre isso, principalmente porque eu não vejo o boxe como uma arte marcial, parece um esporte de luta, mas não uma arte marcial. Eu posso estar redondamente enganado pois reconheço que não desfruto de conhecimento sobre o surgimento e uma possível filosofia inserida dentro do Boxe, algo parecido com o Dojo Kun das artes japonesas.
Ronda e Miesha como treinadoras (yahoosports.com)
Brincando de ser um advogado do Diabo, os treinadores de Weidman falaram que Anderson faz aquilo não pra provocar o adversário, mas para tirar a atenção. É uma estratégia para camuflar a fragilidade da sua defesa de quedas. Ou seja, há interpretações que estes movimentos que parecem deboches, na verdade, não passa de atos capciosos que buscam evitar que o antagonista entre em sua zona de desconforto.
Este não é o meu ponto de vista! Como dito anteriormente, Anderson nunca teve esta postura atípica antes do UFC, que em alguns momentos se tornam vexatórias, como foi na luta contra Demian Maia. Além disso, sempre deixou a desejar no quesito defesa de quedas. Porém, as vitórias serviram de aliada na propagação de uma genialidade em atitudes como baixar a guarda com o corpo colado à grade, chamar o adversário para briga constantemente, fingir que o golpe não machucou e etc.

Todavia, o desolador foi por um dia o desolado. Um dia não, cinco meses e meio. E a desolação que o Spider sofreu foi maior que qualquer uma que ele assinou em toda sua carreira. A desolação foi compartilhada com uma mistura de vergonha, agonia, prazer, incredulidade, tristeza e decepção.O grande problema da desolação que Anderson sofreu foi que ele foi o real criador, Weidman auxilou com bastante afinco, aos moldes de uma parceria entre compositor e intérprete. A desolação de Silva foi aumentada pelo mito criado por ele mesmo, pela popularização do esporte que ele é a figurinha carimbada, pelos meios de comunicação que pregaram a ideia de super lutador. Em outras palavras, como diz o ditado popular, quanto maior a altura, maior a queda. Só que hoje,ele terá a oportunidade de fazer diferente.

Anderson alegrou, surpreendeu, honrou, respondeu e criou recordes dentro do UFC. Pelo menos em algo não estão sendo injusto, em apagar o que ele construiu, como fazem com outras lendas ativas no esporte como Minotauro, Arona, Macaco, Wanderlei, Shogun e outros. Joe Rogan mesmo ontem quando foi chamá-lo para a pesagem, se referiu ao mesmo como “O maior de todos os tempos” (Também não concordo, pois, pra mim, é Fedor Emelianenko). Então, por vias normais, Anderson recuperará o título e dará continuidade ao seu legado. Só que não podemos desmerecer o feito de Weidman e não cogitar que há chances de ser repetido, caso ocorra, creio que Spider poderá pendurar as luvas. Mas, qual Anderson vai lutar hoje? O focado e direto da época da Chute Boxe ou o midiático e cheio de mungangas? Independente de qual, minha torcida hoje vai para Chris Weidman, pois os princípios das artes marciais devem se manter intactos, nunca podendo ser quebradas, mesmo se você é um superhomem (ou quase um, correto AS?).

Por fim, boas lutas no card preliminar. Teremos dois representantes brasileiros nos primeiros combates da noite. William Patolino fará sua estreia no UFC contra o nocauteador Bobby Voelker. O brasileiro com mais tempo de UFC, Gleison Tibau, será como êmulo o americano Michael Johnson. E finalizando o card preliminar, destaque para a luta da sobrevivência entre Uriah Hall e Chris Leben.

E agora vamos aos últimos palpites de 2012+1.

Dustin Poirier VS Diego Brandão
O card principal já vai começar num ritmo eletrizante! Poirier e Brandão vão, sem dúvidas, fazer no mínimo um primeiro round muito movimentado. E é exatamente neste quesito que o gringo leva vantagem. Brandão não mostrou nenhuma evolução no quesito estamina desde que entrou no UFC, no máximo, uma ligeira melhora, mas nem de perto ele consegue manter os quinze minutos (caso necessário) sem uma discrepância gigantesca até o fim. No quesito técnico, Brandão tem bem mais punch que Poirier e tentar fazer a luta ser favorável a ele ali, não necessariamente nocauteando já que isto nunca aconteceu com seu adversário, mas como um caminho para dominar a luta no chão, onde Poirier leva uma ligeira viagem. Muito difícil julgar umfavorito, mas acho que o americano leva ligeira vantagem.
PALPITE: POIRIER POR DECISÃO UNÂNIME.

Jim Miller VS Fabrício Camões

Mais um combate da série “Gostaria de ver esta luta de pano”. Dois grapllers natos com apresentações mais que convincentes no quesito BJJ para o MMA. Porém, é uma luta de dois lutadores em baixa. Miller teve um NC decretado depois de ter sido dominado e finalizado por Pat Healy já que o mesmo foi pego no doping por uso de maconha. Camões já foi demitido e reintegrado ao UFC, desde sua volta, está com o cartel de 1-1. Analisando friamente, ambos possuem um BJJ de altíssimo nível, só que Miller tem no seu background o grande calcanhar de Aquiles da maioria dos brasileiros, um bom wrestling. Enquanto isso, Camões é o nosso típico jiu-jiteiro que não evoluiu muito neste quesito. Em pé, considero Miller também favorito.
PALPITE: MILLER POR FINALIZAÇÃO NO SEGUNDO ROUND

Josh Barnett VS Travis Browne

(Tapout.com)
Luta muito importante para o futuro da categoria! Dana White já falou que a intenção dele é fazer com que o vencedor deste duelo enfrente Fabrício Werdum porque Velasquez operou o ombro e só voltará por meados de Outubro.  Barnett voltou ao UFC enfrentando Frank Mir e passou o carro no seu adversário. Nos últimos anos, ele foi bastante regular, tendo apenas uma derrota nos últimos seis anos. Já Browne vêm de duas vitórias consecutivas, porém, não conseguiu convencer em nenhuma. Contra Napão venceu através de cotoveladas ilegais. E no seu último combate, estava sendo massacrado por Overeem até o holandês sentir o cansaço, diminuir o ritmo e acabar sendo nocauteado. Tecnicamente falando, Barnett é muito superior a Browne em todos os aspectos. Porém, esta categoria é a dos pesados! Um golpe certo tem muito mais poder.

PALPITE: BARNETT POR FINALIZAÇÃO NO PRIMEIRO ROUND

Ronda Rousey VS Miesha Tate

Ronda e sua tradicional chave de braço. (mmacore.com)
Miesha Tate foi agraciada com esta luta e poder participar de um reality show em que sua adversária é Ronda Rousey. Primeiro porque ninguém contava com sua derrota para Cat Zingano na luta que daria direito ao Title-shot, segundo porque os chiliques da campeã na casa do TUF fizeram com que sua popularidade caísse bastante e que, consequentemente, Tate ganhasse mais adeptos. Mas a grande questão é se Miesha evoluiu suficiente para conseguir parar as quedas de Ronda e deixar a luta mais equilibrada? Particularmente, acho muito difícil. Miesha se mostrou bem dominante contra Zingano até sofrer aquela surra no terceiro round, naquela peleja, ao meu ver, ela não se apresentou de forma que gerasse qualquer tipo de especulação sofre uma possível derrota. Todavia, não dá para ter noção de sua real evolução sem que ela lute. Contudo, não acho que o título mudará de dona agora.
PALPITE: ROUSEY POR FINALIZAÇÃO NO PRIMEIRO ROUND

Chris Weidman VS Anderson Silva

Durante a coletiva de imprensa. (Sportv.com)
Pela primeira vez em sete anos Anderson Silva ficará no corner Azul do octógono e espero que esse seja o grande motivo para que sua atitude mude drasticamente. Todos que assistem MMA (e até mesmo os que não acompanham o esporte) sabem do que Spider é capaz, porém, qual será o lutador que entrará no octógono? Sinceramente, o ego ferido será o principal aliado do brasileiro, fazendo com que não perca o foco como aconteceu na luta passada. Então quer dizer que a luta está resolvida? Longe disso! Weidman é muito bom, jovem e esforçado. Possui mãos pesadas, como já foi mostrado, e um wrestling agressivo e devastador. Sabendo traçar uma estratégia eficiente, poderá usá-lo muito facilmente em Anderson Silva que demonstrou ainda ser muito ineficiente no quesito defesa de quedas. Só que a luta começa em pé e, neste mérito, ninguém está nem perto de intimidar o brasileiro (desde que ele não se atrapalhe de novo).
PALPITE: SILVA POR NOCAUTE NO SEGUNDO ROUND.