quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Redenção de gigantes, a festa da humildade

Olá Amigos do Esporte, a temporada do futebol brasileiro já está na sua reta final, todavia, é inegável dizer que novamente vivemos um ano maravilhoso, um Atlético Mineiro superar as dificuldades e conquistar, pela primeira vez, a Taça Libertadores. Também podemos ver um Cruzeiro arrasador no Campeonato Brasileiro, conquistando o título de maneira incontestável, sem nenhum rival para fazer frente. Por último, ontem foi dia de se emocionar com o Novo Maracanã, a torcida do Flamengo resgatou um pouquinho do que restou do gigante antes da reforma, assisti e me emocionei com uma torcida que reverenciou um time limitado, com bons jogadores e um diferencial, um técnico, um amigo, um pai ou somente, um Jayme de Almeida.
A Copa do Brasil foi para o Flamengo, o primeiro campeão no novo Maracanã. (Tribuna do Cisco)

O rubro-negro carioca começou o ano sem grandes pretensões, a diretoria manteve a filosofia pé no chão e priorizou a base, buscando cortar gastos. Dorival saiu, Jorginho saiu, até que veio Mano Menezes, técnico que recentemente deixou a seleção brasileira topou uma tarefa muito, mais muito complexa, mudar o espírito de um grupo tão desacreditado. A verdade é que Mano organizou o time, mostrando que o time nem era tão ruim assim, mas a falta de regularidade fez o técnico abandonar o grupo e pedir demissão mais ou menos na metade do Campeonato Brasileiro. Com Mano, o Flamengo enfrentou o Cruzeiro, o bicho-papão da temporada nacional, a força do Maracanã e a raça do grupo fizeram do Mengão um time superior, eliminando a Raposa num jogo emocionante.

Impotente, Mano abandonou o Fla,
coube a Jayme a dura missão. (Tribuna do Cisco)
A saída de Mano gerou um forte impacto, o que restava para o time do Flamengo a não ser a luta para fugir da degola, em contraponto, o time iria enfrentar o Botafogo pelas quartas de final da Copa do Brasil, a temporada estava difícil e Jayme de Almeida, grande ídolo do time como jogador, foi o encarregado de assumir uma bomba relógio, porém foi maduro e humilde o suficiente para aceitar a limitação do grupo e provar que sim, o elenco tinha valor, dando confiança, bastante confiança. O show começou! Flamengo bateu o Botafogo por 5 a 1 no agregado, sem chances para um time que briga pelo G4 na liga nacional, Hernane, o camisa 9 que barrou Marcelo Moreno, marcou o hat-trick e se apresentou para o mundo. Paulinho, um jovem que estava esquecido no interior de São Paulo provou que era o homem certo para protagonizar os jogos, ser o homem do contra-ataque e, por último, Elias, um dos únicos renomados deste elenco, o meia foi o cara, o camisa 8 que deveria vestir a 10.

Nesse espírito de raça, humildade e coração, o Flamengo chegou para duelar contra o Goiás. No Serra Dourada, a maturidade e o bom futebol fizeram o Urubu vencer fora de casa, Paulinho e Chicão garantiram o êxito em Goiânia. No Rio, mais uma vitória por 2 (Hernane e Elias) a 1 (Sasha), mais um teatro a céu aberto no Maracanã, um espetáculo! Até que veio a final, a humildade e os conselhos de Jayme tornaram o grupo sólido, frio e maduro, frieza que fez com que o time não se assustasse com um estádio lotado em Curitiba, arrancando um empate com gols. Na volta, todos nós vimos o show da torcida, sem desmerecer um Atlético que vive um dos melhores anos de sua história, porém a Copa do Brasil 2013 foi para o Flamengo, com méritos, com talento de cada um, dentro de campo, na beira do campo e nas arquibancadas.
Um grupo unido que bateu grandes clubes que brigam no G4 do atual Brasileirão (Tribuna do Cisco)

A verdade é que não só o gigante Flamengo se redimiu, a Copa do Brasil se redimiu isso porque em 2013 a CBF mudou o regulamento, prolongando o torneio para todo o ano, além disso, os fortes clubes que disputaram a Libertadores também puderam participar, vimos o campeão da América, o Atlético Mineiro ser engolido pelo Botafogo. O único pecado foi a, praticamente “exclusão” do São Paulo, o time não pode participar porque é o atual campeão da Copa Sulamericana, o regulamento impossibilita um clube de jogar as duas competições.  Comprovando o sucesso de renda e de espetáculo, a CBF ganha pontos por elaborar um torneio que, enfim, faz frente com o Campeonato Brasileiro, muito valorizado, o espetáculo não foi só do Flamengo, foram todos os clubes, os menores que participaram no início do ano, os gigantes da América que chegaram para a disputa no segundo semestre, parabéns Flamengo! Parabéns ao futebol brasileiro! Por um torneio mais valorizado e de muita visibilidade.

A campanha do Flamengo, o tricampeão da Copa do Brasil:

1° Fase:
Remo 0 x 1 Flamengo (Rafinha) - 03/04/2013
Flamengo 3 x 0 Remo (Hernane – Hat-Trick) – 17/04/2013

2° Fase:
Campinense 1 x 2 Flamengo (Renato Abreu – duas vezes) -01/05/2013
Flamengo 2 x 1 Campinense (Roberto Dias (contra) e Elias) – 15/05/2013

3° Fase:
Asa 0 x 2 Flamengo (Marcelo Moreno e Nixon) – 10/07/2013
Flamengo 2 x 1 Asa (Elias e Marcelo Moreno) – 17/07/2013

Oitavas de final:
Cruzeiro 2 x 1 Flamengo (Carlos Eduardo) – 21/08/2013
Flamengo 1 x 0 Cruzeiro (Elias) – 28/08/2013

Quartas de final:
Botafogo 1 x 1 Flamengo (André Santos) - 25/09/2013
Flamengo 4 x 0 Botafogo (Hernane – Hat-trick e Léo Moura) – 23/10/2013

Semifinal:
Goiás 1 x 2 Flamengo (Paulinho e Chicão) – 30/10/2013
Flamengo 2 x 1 Goiás (Hernane e Elias) – 06/11/2013

Final:
Atlético Paranaense 1 x 1 Flamengo (Amaral) – 20/11/2013
Flamengo 2 x 0 Atlético Paranaense (Elias e Hernane) – 27/11/2013

Pôster oficial do tricampeão da Copa do Brasil. (Placar)