terça-feira, 5 de novembro de 2013

2013: O ano paraibano

Olá amigos do esporte, é com grande alegria e após muitos pedidos, apelos e muita pressão, eis que falarei sobre o futebol do meu querido estado. Pois bem, a Paraíba viveu em 2013 o melhor ano de toda a sua história no futebol, vimos certo rubro negro dominar toda a região, desbancar gigantes e celebrar o título da “Lampions League”, também chamada a Copa do Nordeste, vimos seu grande rival, o Treze mostrar que, apesar de um elenco limitado, vencer times de muita camisa e história e, por pouco, mais muito pouco não conseguiu o acesso a série B. Por último, o Botafogo de João Pessoa, time de mais tradição no estado, conquistar o primeiro título nacional para o estado dos nossos queridos Júnior, Mazinho e Hulk. Então, vejamos como foram campanhas tão honrosas e gloriosas dos paraibanos em 2013: O ano paraibano.
Campinense, Treze e Botafogo tornaram nossos sonhos realidades. (Tribuna do Cisco)

Rubro negro de “cabra” macho domina o Nordeste.

O Nordeste merece! A Raposa deu
um show no torneio. (CBF)
Recentemente, o Campinense Clube disputou a série b, apesar da empolgação da torcida e de muitos paraibanos, o time não foi nada bem, amargurou dois rebaixamentos (da B para C e da C para D) e foi do céu ao inferno, o time passou por problemas financeiros e de gerenciamento. Todavia a equipe usou da tradição, soube se reerguer e com o apoio de uma torcida apaixonada, o rubro negro de Campinha Grande foi em busca de um feito inédito para a Paraíba, conquistar a Copa do Nordeste.

No torneio, a Raposa foi bem razoável, fez o suficiente para se classificar na segunda colocação, ficando atrás do Santa Cruz e na frente de  CRB e Feirense (Bahia). Na fase final, vieram os resultados para lá de satisfatórios, veio o Sport nas quartas de final e um verdadeiro duelo de grandes torcidas. Os dois rubro negros fizeram jogos muito equilibrados, com vitória por conta dos gols fora de casa da Raposa (ida: 2 x 2, volta: 0 x 0).

Os raposeiros deram seu show nas arquibancadas. (CBF)
Apesar da dificuldade em passar do Sport, o Campinense sentiu a verdadeira pressão ao encarar o Fortaleza, jogos duríssimos, uma derrota no Ceará por 2 a 1 e a vitória no Amigão por 1 a 0 garantiu a vaga inédita na grande final do torneio regional. A fama do campeonato foi tanta que ganhou o apelido de “Lampions League” e o Campinense protagonizou a ideia dos lampiões e, na raça e com um futebol exemplar, o time chegou a final contra o Asa de Arapiraca. O embalo da Raposa foi tanto que não deu para o Asa, vitória em Alagoas por 2 a 1 e um show na volta, 2 a 0 e a festa foi do povo paraibano. O primeiro título da Paraíba na competição, foi o primeiro indício de um ano fantástico.

Não veio título, mas a permanência na série c é sinal de dias melhores.

Maior craque da Paraíba na atualidade,
Hulk deu apoio ao Treze. (GE)
É verídico que o Treze conseguiu ter a chance de disputar a série c graças a uma enorme batalha judicial, mas, apesar do acesso sem honra, o time paraibano soube armar um time entrosado, que garantiu não só o vice-campeonato estadual, como um candidato fortíssimo no brasileiro e a vaga na Copa do Nordeste de 2014. O estadual da Paraíba foi um teste razoável, o Treze ainda montava um elenco, que errava bastante e acabava perdendo jogos bobos. Todavia o time fez um excelente segundo turno, passando por seu grande rival, o Campinense na semifinal e indo enfrentar o Botafogo na grande final.

Por ironia do destino, o seu adversário na final, o Botafogo PB tinha dois de seus renegados no passado, o técnico Marcelo Vilar teve boa passagem pelo Treze, a boa passagem não rendeu na permanência do treinador de grande currículo. E Warley, o eterno atacante que chegou a defender a seleção brasileira também foi teve passagem honrosa e campeã pelo Galo de Campina Grande. A boa campanha do Treze terminou com o vice campeonato, com direito a uma amarga derrota dentro de casa por 3 a 0 para o Belo.

Com um vice muito dolorido, o Treze entraria cabisbaixo para a disputa do campeonato brasileiro da série c? Que nada, o Galo até começou mal, brigava até para não cair, porém, num toque de mágica do técnico Luciano Silva, o clube foi do inferno ao céu e deu a volta por cima, a campanha na primeira fase foi espetacular. Num grupo tão concorrido, o alvinegro terminou na terceira colocação, caindo na chave junto com o Vila Nova de Goiás. O primeiro jogo até que foi bom, mas o Treze só conseguiu marcar um gol no Vila, dando liberdade e força suficiente para o Vila Nova reverter no jogo de volta, e foi o que aconteceu, 2 a 0 e o time goiano está na série b.
Treze não conquistou títulos, mas fez uma temporada honrosa. (Treze FC)

Apesar de ficar de fora da segunda divisão do ano que vem, o Treze provou que tem camisa e força suficiente para jogar de igual para igual num campeonato difícil como é a série c. O clube paraibano mostrou sua força e foi um dos pontos altos do futebol da minha terra na temporada, meus sinceros parabéns aos dois gigantes de Campina Grande!

Um Belo campeão estadual, um belo campeão nacional.

Brasileirão é do Belo! (Facebook - Botafogo PB)
É hora do show! O time paraibano do ano, ofuscando um pouco seus rivais estaduais, o Botafogo teve o melhor ano de sua história. O mais inusitado é que o time da estrela vermelha solitária viveu anos de ostracismo, sem conquistar títulos e vendo seus rivais conquistarem taças. Contudo foi um ano para lá de perfeito, Marcelo Vilar foi o escolhido para treinador, medalhões como Warley e Lenílson participaram dos feitos, os dois primeiros foram fundamentais na campanha para lá de perfeita no Campeonato Paraibano.

O estadual da Paraíba é um pouco mal organizado, em 2013, o estadual teve seu regulamento modificado mesmo com o campeonato já acontecendo, o pior, o calendário é muito mal elaborado, pois ele foi o primeiro a começar entre todos os estados brasileiros e um dos últimos a se encerrar, prejudicando os atletas e atrapalhando qualquer tentativa de fazer um bom campeonato nacional. O Belo conquistou seu vigésimo sexto título paraibano, dez anos após seu último trofeu na competição. Os investimentos vieram, a torcida abraçou a causa e o ano seria perfeito se o time provasse que iria embalado para o Brasileirão da série d.

Todos ficaram realizados, o time contratou mais dezenas de bons jogadores e, sem grandes problemas financeiros, coube a Vilar o trabalho de controlar o psicológico dos jogadores e entrosar o Botafogo. A primeira fase era de grupos, o Belo estava no grupo A4 e teria que bater quatro adversários, foram eles: Sergipe, Vitória da Conquista, Juazeirense e  CSA. Arrasador, o Botafogo venceu cinco partidas, empatou duas vezes e perdeu apenas uma vez, fora de casa para o Vitória da Conquista por 1 a 0, classificação em primeiro lugar, 17 pontos conquistados e vaga nas oitavas de final contra o Central de Caruaru.

Marcelo Vilar, o rei do futebol paraibano.
(Facebook - Botafogo PB)
A partida mais complicada para o time da capital paraibana foi a mais difícil, a derrota em Caruaru por 3 a1 deixou os torcedores com lágrimas nos olhos, era praticamente impossível reverter tal vantagem. Era quase impossível, ERA! O time de Vilar, com o apoio de milhares de cidadãos paraibanos, conseguiu devolver os 3 a 1 do jogo da ida, terminando em penalidades. 5 a 3 nos pênaltis garantiu ao Tricolor do Contorno a vaga nas quartas de final, o sonho do acesso ainda estava vivo.

Nas quartas, a vida nem foi tão difícil, vitória lá e cá, 2 a 1 no Almeidão e 1 a 0 no Ceará contra o Tiradentes, vaga na semi contra o Salgueiro, vaga na série c de 2014 garantida e festa nas ruas de João Pessoa, algo lindo de se ver, a Paraíba precisava de um futebol bonito de ver jogar. Já garantido na série c, a semifinal seria muito mais tranquila de se disputar, e realmente foi tranquilo, vitória por 2 a1 em Pernambuco e 2 a 0 em João Pessoa, a euforia tomou conta, cidadãos pessoenses se mobilizaram para ajudar e acompanhar o Belo em uma final inédita de título brasileiro, o adversário seria o Juventude.

O primeiro jogo foi na Arena do Grêmio, um dos estádios mais modernos do planeta, Porto Alegre foi o palco do futuro campeão nacional na partida de ida da grande final. O Juventude nem jogou melhor, a partida por sinal foi bem equilibrada, mas os caxienses levaram a melhor e venceram por 2 a 1, partida em aberto. A volta foi um belíssimo espetáculo digna de final de Brasileirão, o Botafogo viu seu templo se encher por completo, uma ode ao esporte, um teatro a céu aberto. 2 a 0, sem chances para o Ju, o primeiro título brasileiro para um clube da Paraíba, agora, o estado aparece no cenário nacional, somos o décimo quinto estado a ter um título brasileiro.
Belíssimo espetáculo que lotou o Almeidão. (Facebook - Botafogo PB)

Por meio do Botafogo da Paraíba, entramos para a história do futebol brasileiro, teremos o nome escrito na lista de campeões da CBF. Aqui está nossa homenagem a não só o Botafogo, mas para os times que fizeram a Paraíba brilhar em um ano antológico para o nosso futebol. É por essas e outras que 2013 foi o ano paraibano, um grande parabéns a todos nós paraibanos e aos clubes que, mesmo com falta de estrutura e pouco investimento, fizeram por merecer os títulos no cenário regional e nacional.

Um grande abraço a todos!