sábado, 19 de outubro de 2013

UFC 166: A trilogia, seu início e os novos capítulos.

Um salve para todos nossos leitores fãs das artes marciais mistas. Hoje teremos mais um dia de UFC com direito à disputa de cinturão, desde o UFC 162, todos os eventos principais seguidos mais um “UFC on FOX” tiveram duelos para decidir os campeões. Hoje será a categoria dos pesos pesados, aliás, tendo três lutas de seus representantes dentro do card principal. O evento ocorrerá em Houston, Texas, no Toyota Center, casa do Houston Rockets. Este será a terceira vez que o UFC é sediado na cidade da NASA e em todos os eventos tivemos lutas brilhantes e muitos títulos em jogo, como o segundo combate entre Edgar e Maynard; a vitória de José Aldo contra Ken-Flo; e, por fim, uma das maiores zebras do esporte que foi a derrota de George Saint-Pierre para Matt Serra.

Poster Oficial. (UFC.com)


A tão aguardada trilogia de Velasquez e Cigano vai ter seu terceiro capítulo. Como já adiantei no título, acho muito difícil que vá ser o último, mas conversaremos sobre isto depois. Vamos voltar ao início para entender como esta saga se deu início. O americano-mexicano, entre os dois, se destacou primeiro no UFC. Velasquez começou com uma incrível sequência de seis vitórias seguidas, totalizando oito triunfos no seu  cartel, antes de ter o direito de disputar o cinturão contra o então campeão Brock Lesnar. Velasquez possui um background de Wrestling, foi multicampeão durante os anos universitários e adaptou uma movimentação de boxe que se encaixou perfeitamente com seu jogo. Antes de se tornar o campeão, Velasquez fez lutas memoráveis contra Cheick Kongo, Jake O’Brien, Ben Rothwell e um nocaute marcante contra Rodrigo Minoutauro que o credenciou para entre o Gorila Albino. Lesnar ainda tentou fazer algum tipo de trashtalk com o seu desafiante mas isto não afeta Velasquez, que é reconhecido por sua frieza e jogo mental muito forte. A estratégia antes da luta contra de Lesnar não deu certo, e durante a luta também não, com golpes devastadores, ainda no primeiro round, Velasquez se tornou campeão da categoria dos pesados do UFC. Tudo era um mar de rosas parar o campeão, porém, foi diagnosticado uma lesão de ligamento no joelho de Velasquez e ele ficou um tempo parado até voltar a lutar.

Velasquez e DC treinando BJJ. (Sportv.com)
Pois foi nesse tempo que o desafiante de hoje entrou com força no circuito. Junior dos Santos, o Cigano, foi colocado no UFC para enfrentar uma pedreira. O desconhecido brasileiro lutaria contra seu compatriota Fabrício Werdum, que estava cotado para ser um dos próximos desafiantes ao título, mas o catarinense radicado na Bahia não deu chances a Werdum e proporcionou um belíssimo nocaute como estreia no UFC. Seu jogo foi muito elogiado, com um boxe muito evoluído para o MMA, que fez com que seus adversários sofressem nas mãos de Cigano. Aliás, seus nocautes foram se tornando uma rotina na franquia, dentre as vítimas estão: Stefan Struve, Mirko Cro-Cop, Gilbert Yvel e Gabriel Napão. Após esta sequência de nocautes, Dana White deu a cigano o direito de disputar o title shot contra o folclórico Roy Nelson. O resultado foi uma vitória do brasileiro por decisão unânime e uma incrível resistência do gordinho americano que apanhou por quinze minutos, mas terminou a luta em pé. Tudo encaminhado para Cigano disputar o título, porém, com a lesão de Velasquez oficializada, o catarinense teve de esperar um pouco mais e foi chamado para comandar um dos times de uma temporada do TUF americano contra Brock Lesnar, seu futuro adversário. No reality, Cigano mostrou que estava com o inglês em dia, se esforçou bastante para aprender pois quando entrou no UFC não falava uma palavra! E ainda foi o técnico do atleta que venceu aquela temporada. De volta às lutas, ele não enfrentou Velasquez como programado, mas sim Shane Carwin em mais um show de Boxe e quinze minutos de sofrimento para seu concorrente que acabou deixando o octógono com a cara totalmente desfigurada.

Aqui é onde finalmente ambos se enfrentam pela primeira vez. Velasquez e Cigano duelaram no UFC on FOX 1, luta que teve a primeira transmissão ao vivo da globo (só que esta foi ao vivo de verdade) com narração de Galvão Bueno e comentários de Vitor Belfort, ou seja, até hoje não me recordo porque deixei o volume ligado nesta luta, só sei que me arrependo de não ter feito isso. Já o combate foi bem rápido, Velasquez estava há muito tempo sem lutar, o que prejudicou bastante sua movimentação e entradas para quedar o brasileiro. Resultado? Após um belíssimo swing, o americano foi ao chão e Cigano precisou apenas acertar mais alguns golpes para sacramentar a vitória. O UFC tinha um novo campeão nos pesos pesados!

Diferentemente da pesagem, Cigano foi ovacionado no treino. (Uol)
Coincidência ou não, tiveram todas suas lutas seguintes nos mesmos eventos. Cigano fez sua primeira defesa de título contra Frank Mir após o mesmo ter levado o braço de Minotauro pra casa e depois de Overeem ter sido pego no anti-doping surpresa realizado em meados de março. Mir não foi páreo para o boxe de Cigano e foi nocauteado no segundo assalto. Já Velasquez retornou contra Antônio Pezão e de cara, aproveitou um chute mal dado pelo brasileiro para levá-lo ao chão e castigá-lo com seu duríssimo ground and pound. Após esta vitória mais que contundente, Velasquez ganhou o direito para enfrentar Cigano mais uma vez, no último evento do ano. Digamos que o comportamento de Cigano mudou um pouco, ficou mais falastrão, e Velasquez se manteve como o lutador “pedra de gelo”, sempre sério e de poucas palavras. E no segundo duelo, a história foi diferente. Cigano entrou com a guarda-baixa, alguns falam que foi por soberba, outros para facilitar a defesa de quedas pois Velasquez com certeza tentaria levar o brasileiro ao solo, e o começo da luta deu certo, JDS se esquivou bem das entradas de Velasquez. Porém, ainda no primeiro round, Velasquez, com uma movimentação muito apurada, acertou um cruzado na cara de Cigano que mudou o rumo da luta. A partir deste golpe, os próximos quatro rounds foram de domínio total do americano! O único ponto de destaque do brasileiro foi sua capacidade de resistência, mesmo estando claro que ele ficou “grogue” até o fim do combate.
O capítulo final... Desta trilogia. (clicrbs)

Como já dito anteriormente, os dois fizeram parte do mesmo evento mais uma vez. Velasquez defendeu seu título em uma revanche contra Pezão num combate que terminou mais rápido que o primeiro entre os dois. Já Cigano enfrentou Mark Hunt e ganhou com o primeiro nocaute da sua carreira por meio de chute. Após estes duelos, Dana White confirmou que a Velasquez e Cigano teriam um terceiro capítulo marcado. E assim vai ser! Hoje os dois se enfrentaram mais uma vez e, neste combate, temos apenas uma certeza, novos capítulos acontecerão.

Nelson e seu visual que DW adora. (uol)
Já na categoria, o cenário está um pouco mais movimentado que anteriormente. Porém, algo não mudou. A distância de efetividade entre os dois principais lutadores e os demais, quase dividindo a categoria entre dois protagonistas e meros figurantes. Após esta luta, especula-se que Fabrício Werdum será  o próximo a ter o direito de disputar o cinturão dos pesados, correndo por fora podem aparecer Josh Barnett, Travis Browne, e Daniel Cormier, aliás, DC seria um dos lutadores com grandes chances de se tornar o campeão, porém ele afirmou que esta será a última luta dele nos pesados e que vai descer para os meio-pesados. Assim como DC, Werdum pode aprontar na categoria devido sua evolução, hoje ele é um cara que consegue causar algum estrago nos seus adversários em pé, mas, principalmente por ter, junto com Frank Mir, o melhor Jiu-Jitsu da categoria. Agora só nos resta esperar.

Partindo para o card preliminar, muitas lutas boas acontecerão para aqueles que vão assistir a transmissão desde seu início. O primeiro destaque vai para o talentoso, mas inconsistente australiano George Sotiropoulos, que enfrenta o ex-campeão do Elite XC K.J. Noons. Quem perder nesta peleja, muito provavelmente, será demitido. Outra luta que poderá terminar com recisão de contrato de um dos atletas será entre o ex-campeão do Strikeforce Nate Maquart e o cubano Héctor Lombardi. O ex-judoca olímpico se apresentou muito mal nas três vezes que entrou no octógono, principalmente ao lembrar que ele foi convocado para ser, até então, um dos desafiantes da categoria dos pesos-médios. Por fim, Tim Boetsch busca reencontrar a vitória contra o mediano C.B. Dollaway.

Vamos agora entrar nos palpites no card principal:

John Dodson VS Darrell Montague

Excelente luta para começar o card principal. Dodson está entre os tops da categoria junto com o campeão Johnson, o provável próximo desafiante Benavidez e o último derrotado Moraga. E nada melhor do que enfrentar um prodígio para buscar tentar o cinturão mais uma vez. Darrel Montague possui características parecidas com as de Dodson por ser elétrico e ter poder de nocaute, algo mais difícil nessa categoria. Serão três rounds muito divertidos de assistir e frenéticos. Definitivamente ambos poderão vencer a luta, mas acredito que devido sua experiência, Dodson leva um pouco de vantagem.

PALPITE: DODSON POR DECISÃO UNÂNIME.
Gabriel Gonzaga VS Shawn Jordan

Napão e sua tradicional cara feia. (Graciemag)
Esta será a primeira luta dos pesados da noite e a primeira envolvendo um brasileiro. Gabriel Napão é conhecido por seu excelente Jiu-Jitsu e a capacidade de finalizar seus oponentes muito facilmente. Porém, não é um lutador ruim em pé, só que sofre de um queixo que não suporta muitos golpes. Já Shawn Jordan, diferentemente de Napão, possui bem mais nocautes que finalizações, e vai procurar manter a luta em cima para não sair de sua zona de conforto. Ambos possuem quatro vitórias e uma derrota nas últimas cinco lutas, mas Napão até hoje não engoliu as cotoveladas ilegais que sofreu em sua derrota contra Travis Browne. No mais, acredito que o brasileiro leva a peleja.

PALPITE: GONZAGA POR FINALIZAÇÃO NO PRIMEIRO ROUND.

Diego Sanchez VS Gilbert Melendez

Sanchez é um veterano de longas datas do UFC, apesar de ter apenas 31 anos, o pesadelo, como é chamado, entrou na franquia americana sendo campeão da primeira temporada do TUF e há oito anos se mantém entre os seus lutadores. Sempre proporcionando lutas muito divertidas, Sanchez pode não ter sido campeão do UFC, mas está entre um dos melhores lutadores para assistir. Do outro lado, o ex-campeão do Strikeforce vai tentar galgar seu espaço até o título do UFC. Por muitos anos, Melendez foi ranqueado como o possível melhor lutador da categoria devido seu boxe perigosíssimo e sua resistência já que todas as suas derrotas ocorreram por meio de decisão. Aliás, os dois lutadores são muito duros, pois o único nocaute de Sanchez foi devido a um corte sofrido no rosto, obrigando-o a sair do combate. Para vencer, acredito que Melendez vai tentar manter a luta em pé e Sanchez buscar a vitória pelo chão. No entanto, acredito que Melendez passa por um melhor momento que Sanchez.

PALPITE: MELENDEZ POR DECISÃO UNÂNIME.

Daniel Cormier VS Roy Nelson

Este é o duelo de panças da noite. Cormier foi uma das grandes surpresas do MMA nos últimos anos. Entrando no GP dos pesados do Strikeforce após Overeem sair do antigo evento, DC enfrentou Pezão sendo um azarão, todos davam como certa a vitória do paraibano. Porém, ainda no primeiro round, o gordinho conseguiu dois knock-downs e sacramentou sua vitória com um nocaute belíssimo. Na final, dominou Josh Barnett e mostrou a todos que poderia causar um alvoroço caso chegasse ao UFC. Ele chegou, lutou um pouco pior do que esperava-se contra Frank Mir e já afirmou que vai descer para os meio-pesados porque quer enfrentar seu desafeto pessoal Jon Jones. Sua principal característica é o clinch, onde ele é muito perigoso! Consegue aproximar muito bem de seus adversários e ser muito perigoso nesta posição e disse que o queixo de Nelson está com os dias contados. Já Roy Nelson, todos estão muito ciente de seu poder de nocaute através do overhand de direita que derruba edifícios. Nelson vai ter deixar um espaço para que seu golpe possa entrar e causar o tão famoso estrago. Tecnicamente falando, Cormier é um lutador muito mais completo que Nelson, mas o Big Country já cansou de surpreender a todos aqui.

PALPITE: CORMIER POR DECISÃO UNÂNIME.

Cain Velasquez VS Junior dos Santos

Este é o terceiro combate entre Velasquez e JDS, porém, as previsões continuam as mesmas. Velasquez tem um jogo de chão muito mais agressivo que Cigano, que, por sua vez, é melhor em pé que o atual campeão. A grande diferença é que Velasquez tem mais trunfos que o brasileiro. Cigano é muito bom no que se propõe, em boxear, talvez seja o melhor boxe de todo o MMA, mas seu jogo limita-se a isto. Tudo bem que ele venceu a última luta com um chute rodado, mas não acredito que este golpe entraria em Velasquez. Mais uma vez, o determinante vai ser a execução das quedas por parte do americano-mexicano e a defesa delas pelo brasileiro. Agora uma coisa é certeza, os dois entrarão muito preparados (Cigano nunca decepcionou neste quesito diferentemente de outros compatriotas) dispostos a proporcionar a melhor luta da noite. Todavia, acho que o cinturão não muda de mãos por Velasquez ser mais completo JDS.

PALPITE: VELASQUEZ POR NOCAUTE NO QUARTO ROUND.