domingo, 30 de junho de 2013

Azzurra fatura o 3° lugar e se fortalece para a copa


Disputa do terceiro lugar – Uruguai 2 (2) x 2 (3) Itália

Característico por ser um jogo com um gostinho bem amargo, o Uruguai encarou a Itália num sol escaldante, à uma hora da tarde da capital baiana. A Azzurra garantiu a terceira colocação ao vencer um jogo duro, apesar de não valer muita coisa, o time europeu deixou o campo muito satisfeito, enquanto a Celeste lamentou mais uma derrota.
Buffon garante o terceiro lugar para a Itália e Pirlo agradece. (Getty/Tribuna do Cisco)

No primeiro tempo, os uruguaios começaram melhor, dando um pouquinho de trabalho para o time de Cesare Prandelli, mas foi somente um susto. A Azzurra logo superou a dificuldade inicial e começou a dominar a partida, acertando passes e contando com a boa partida de Diamanti. A pontaria estava ruim, os italianos chegavam, mas os chutes não foram satisfatórios, bola fraca de Candreva, El Shaarawy também errou e Gilardino mal apareceu, o atacante não conseguiu substituir Balotelli a altura.

Aos vinte minutos, veio o alívio, falta pela direita italiana, Diamanti surpreendeu todos no estádio e mandou no gol, a bomba triscou a trave, bateu nas costas de Muslera e foi para o gol. Astori completou e marcou, o zagueiro estava em posição legal, 1 a 0 para a Itália e vaias no estádio, os baianos mostraram desde o início o apoio a Celeste. Muitas chances de gol para os italianos, El Shaarawy seguiu desperdiçando chances, inclusive chegou cara a cara com Muslera, mas o zagueiro Godín salva o Uruguai. No fim da primeira etapa, Chiellini foi isolar e tirar a bola da área, porém o zagueiro se enrolou todo e a bola bateu no cotovelo do atleta da Juventus, o árbitro nada marcou e o primeiro tempo se encerrou, para a revolta de Suárez e Cia.

Uruguai foi até melhor, mas Forlán decepcionou.
(Glauber Queiroz)
Na segunda etapa, os uruguaios começaram avassaladores e rapidamente chegaram ao gol de empate, De Rossi errou na saída de bola e Suárez lançou rasteiro, na medida para Cavani. O atacante napolitano chutou colocado, com precisão, sem chances para Buffon, 1 a 1 e o jogo estava reaberto. Os uruguaios continuaram na pressão, muitos escanteios e uma grande chance de Forlán, que chutou duas vezes, mas Buffon fez duas belas defesas. Numa falta “achada” pelos italianos, Diamanti, o cara da partida, chamou a responsabilidade e cobrou com perfeirção, sem nenhuma chance para Muslera, no melhor estilo Andrea Pirlo de bater faltas, 2 a 1 e Itália próxima do 3° lugar.

Pirlo não veio para campo, estava poupado, ele já não é mais um menino, contudo Aquilani entrou no lugar de De Rossi para melhorar o meio-campo italiano. Dessa vez, quem achou a falta foram os uruguaios, no rodízio de batedores, a chance sobrou nos pés de Cavani, o atacante continuou chutando em grande estilo e empatou a peleja, Buffon vacilou na falta, estava mal posicionado e permitiu o gol da Celeste, 2 a 2. A partida ficou bastante equilibrada, um jogo bastante pegado, o Uruguai já havia perdido a disputa na Copa de 2010, deixando a Alemanha com o terceiro lugar, por isso não queria bobear nesta oportunidade. Não teve jeito, o placar permaneceu o mesmo e o apito final decretou mais uma prorrogação na Copa das Confederações 2013.

No primeiro tempo da prorrogação, o jogo continuou equilibrado, com leva vantagem para os sulamericanos, Suárez recebeu na área, arrancou mas deslizou no gramado, nada a marcar. Cavani recebeu na área, mas não dominou bem, por pouco o atacante não fez seu hat-trick. Muslera pouco viu a cor da bola nesse primeiro tempo, o argentino naturalizado uruguaio não teve problemas e a primeira etapa da prorrogação acabou, a tensão pouco aumentou, já que o jogo não valia muita coisa. Com medo de colocar o time mais avançado, Tabárez optou por não colocar o bom meia Lodeiro, uma opção um tanto quanto covarde. Porém o Uruguai foi bem melhor na segunda etapa da prorrogação, Cavani cansou de perder gols, os italianos agradeceram, Prandelli colocou Bonucci, o mesmo que meteu o canudo que eliminou o time na semifinal contra a Itália. O gol não saiu e novamente o resultado foi decidido nas penalidades.
Azzurra teve boa participação no torneio. (Glauber Queiroz)

O primeiro a cobra foi Forlán, o craque da última copa perdeu o pênalti decisivo na semifinal contra o Brasil, tinha a grande chance de se redimir, não conseguiu, Forlán bateu muito, mais muito mal, no meio e Buffon segurou. Aquilani deixou os italianos na frente, 1 a 0. Cavani, autor de dois gols na partida, cobrou o segundo do Uruguai e deixou tudo igual. El Shaarawy, muito criticado pela má atuação no torneio, cobrou com precisão e deixou a Itália na frente. Suárez, o maior artilheiro da seleção uruguaia na história empatou o jogo, De Scigli, o garoto do Milan cantou o lado e Muslera fez boa defesa, 2 a 2. Podendo colocar seu time na frente, Cáceres foi para a cobrança, o lateral multifuncional cobrou muito mal e Buffon se consagrou, apesar de não precisar se esforçar. Giaccherini converteu para a Azzurra e Buffon só precisou de mais uma defesa para garantir o terceiro lugar. Gargano, embalado com as cobranças do seu time, bateu mal e Buffon pegou mais um, a Itália termina a copa na terceira posição, uma boa campanha.

A Itália termina o torneio muito fortalecida, o time de Prandelli pode surpreender no mundial do ano que vem, se tiver o time completo, é claro. O Uruguai precisa trabalhar bastante, o time tem um grande trio ofensivo, mas desde a copa da África, eles não conseguem definir a partida, Tabárez vai ter um trabalho duro.

Destaque: Cavani.

Ficha técnica:

ITÁLIA - Buffon; Maggio, Astori (Bonucci), Chiellini e Di Sciglio; De Rossi (Aquilani), Candreva, Montolivo e Diamanti (Giaccherini); El Shaarawy e Gilardino. 
Técnico: Cesare Prandelli.

URUGUAI - Muslera; Maxi Pereira (Álvaro Pereira), Lugano, Godín e Cáceres; Arévalo (Diego Pérez), Gargano e Cristian Rodríguez (González); Diego Forlán, Luis Suárez e Cavani. 
Técnico: Óscar Tabárez.

GOLS - Astori, aos 23 minutos do primeiro tempo. Cavani, aos 12 e aos 32, e Diamanti, aos 28 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Djamel Haimodi (Fifa/Argélia).

CARTÕES AMARELOS - Maxi Pereira, Suárez e Chiellini.

CARTÃO VERMELHO - Montolivo.

PÚBLICO - 43.382 pagantes.


LOCAL - Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).