sábado, 22 de junho de 2013

100% Brasil e consolação mexicana

Grupo A:

Brasil 4 x 2 Itália:

No clássico mais esperado da primeira fase da Copa das Confederações, o Brasil saiu vencedor para cima da seleção italiana. A seleção brasileira confirma o 100% de aproveitamento e fica à espera do segundo colocado do grupo B, provavelmente o Uruguai, já a Azzurra vai ter que se contentar em enfrentar a líder do grupo B e do futebol mundial, a poderosa Espanha.
Fred desencanta e garante triunfo brasileiro. (Wager Carmo/Tribuna do Cisco)

A partida começou com um Brasil a mil por hora, Neymar, Fred, Oscar e Hulk botando pressão lá na frente e por pouco o gol não saiu, a bola de Hulk parou nas mãos de Buffon, mal deu tempo para os italianos respirarem. Após o início fulminante brasileiro, o jogo ferveu, lances brigados, cartões para um lado e para o outro, realmente os dois provavam que queriam o primeiro lugar do grupo. O time de Prandelli sentiu muito a falta de Pirlo e De Rossi, e ainda não contava com as lesões de Abate (em entrada violentíssima de Neymar) e Montolivo, no lugar dos dois entraram Maggio e Giaccherini, respectivamente.

Balotelli abraça "amigo" Neymar. (AFP)
O Brasil teve muitas dificuldades em ultrapassar a clássica duas linhas de quatro da Itália, além dela o meia Diamanti ciscava do lado esquerdo e direito, uma partida muito organizada taticamente dos tetracampeões mundiais. Apesar do jogo pegado, o Brasil se sobrassaia, mas o gol não vinha, isso mesmo, não vinha, porque no último minuto do primeiro tempo, a seleção tinha uma falta lateral para cobrar, Neymar lançou para a área, Fred, em posição legal cabeceou, obrigou Buffon a fazer uma belíssima defesa, porém espalmando para frente, o goleiro viu Dante (entrou no lugar de David Luiz, que saiu machucado), em posição nem tão legal empurrar para as redes, festa na Bahia, é gol do Brasil!

No intervalo do jogo, foi confirmado que Dante estava em posição irregular, o árbitro do Uzbequistão Adbukhamidullo Rasulov havia perdido o controle do jogo, distribuiu cartões e ainda errou no gol do Brasil. Na segunda etapa, o Brasil voltou o mesmo, os italianos também, entretanto Prandelli já havia feito duas alterações por conta de lesão, Felipão, apenas uma. O segundo tempo continuou pegado, e numa pequena falha da defesa brasileira a Itália chegou ao empate, Buffon cobrou rápido o tiro de meta e ligou para Balotelli, que se aproveitou do erro de Marcelo e Dante e meteu um lindo passe, um dos mais belos da Copa até agora, a bola sobrou limpa para Giaccherini, o meia da Juventus aproveitou e bombardeou o canto direito de Júlio César, 1 a 1 e a Azzurra voltava para o jogo.

Dante estreia e marca contra a Itália. (Gazeta News)
Poucos minutos depois, o Brasil voltou a ficar na frente, Marcelo fez boa jogada e passou para Neymar, o brasileiro por pouco não entrou na área, foi derrubado antes. O próprio Neymar chamou a responsabilidade, cobrou com perfeição e não deu chances para Buffon, foi o terceiro gol de Neymar em três jogos na Copa das Confederações. Marcelo continuava impossível, o lateral viu Fred passar livre e não deixou de passar para o artilheiro que ainda não tinha feito um gol sequer no torneio, Fred recebeu, usou bem o corpo e o faro de artilheiro e chutou na saída de Buffon, gol do Brasil e folga no placar, 3 a 1.

Com dois de vantagem, Felipão optou por tirar Neymar, o camisa 10 tinha um cartão amarelo e já havia deixado o seu, por isso Bernard entrou, o time diminuiu o ritmo e viu uma Itália pressionar bastante. Num escanteio pelo direita, a bola foi para área e num empurra empurra, Balotelli foi derrubado, o árbitro marcou o pênalti, mas na sequência da jogada Chiellini diminuiu para a Itália, Adbukhamidullo Rasulov voltou atrás com o pênalti e confirmou gol italiano, para a revolta dos brasileiros. Os italianos pressionaram muito, por pouco não empataram a partida, o que não adiantaria muito, pois só a vitória ajudaria a Azzurra a fugir da Espanha. Percebendo que seu time estava exposto, Scolari sacou Hulk e colocou o forte volante Fernando, já Prandelli mandou El Shaarawy no lugar de Diamanti.

A bola foi pingada na área brasileira, Maggio cabeceou a bola, que caprichosamente esbarrou no travessão, na sequência da jogada, o Brasil decretou a vitória e o 100% de aproveitamento. Bernard fez boa jogada pela esquerda, puxou para dentro da área e esperou o momento certo para passar para Marcelo, o lateral chutou colocado, Buffon novamente espalmou para dentro da área (o goleiro vem falhando bastante, muito semelhante ao jogo Bayern 2 x 0 Juventus, válido pelo jogo ida das quarta de final da UEFA Champions League dessa temporada), Fred completara para o gol, o atacante estava impedido, contudo não deixou de comemorar, é claro, mais um erro da arbitragem.
Neymar deixou o seu e segue impecável no torneio. (Wander Roberto)

O time de Felipão novamente mostrou sua evolução, jogando como time grande e com uma estrela mostrando serviço, Neymar marca em todo o jogo e conta com seus companheiros em grande forma, apenas Oscar tem deixado a desejar, a justificativa é que o meia do Chelsea está muito desgastado, pois fez mais de setenta partidas pelo time londrino na atual temporada. A Itália sentiu muito a falta de Pirlo e De Rossi, os dois não tem substituto à altura, Prandelli, o grande responsável pela renovação da Azzurra, tem uma difícil missão de fazer seu time jogar como jogou em alguns minutos nesta primeira fase da Copa, será necessário tanto para o restante do torneio, quanto para a Copa do Mundo do ano que vem.

Destaque: Marcelo.

Ficha técnica:

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)

Data: 22 de junho de 2013, sábado

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Ravshan Irmatov (Uzbequistão)

Assistentes: Adbukhamidullo Rasulov (Uzbequistão) e Bakhadyr Kochakarov (Quirguistão)

Cartões amarelos: Marchisio (Itália); David Luiz, Neymar e Luiz Gustavo (Brasil)

Gols:

ITÁLIA: Giaccherini, aos cinco, e Chiellini, aos 26 minutos do segundo tempo

BRASIL: Dante, aos 46 minutos do primeiro tempo; Neymar, aos dez, e Fred, aos 21 e aos 43 minutos do segundo tempo

ITÁLIA: Buffon; Abate (Maggio), Bonucci, Chiellini e De Sciglio; Montolivo (Giaccherini), Aquilani, Candreva, Marchisio e Diamanti (El Shaarawy); Balotelli
Técnico: Cesare Prandelli

BRASIL: Júlio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz (Dante) e Marcelo; Luiz Gustavo, Hernanes e Oscar; Hulk (Fernando), Fred e Neymar (Bernard)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Japão 1 x 2 México:

Finalizando o grupo A da Copa das Confederações 2013, Japão e México fizeram um jogo ofuscado pela partida entre Brasil e Itália em Salvador e pelas violentas manifestações nos arredores do Mineirão. Contudo o jogo foi bem divertido, japoneses e mexicanos não pouparam vontade e foram em busca dos 3 pontos de consolação.
Chicharito marca dois e garante vitória mexicana. (Marcos Ribolli/Tribuna do Cisco)

O Japão jogou muito bem, foi até melhor que os mexicanos na primeira etapa, os japoneses foram muito castigados na competição, mesmo jogando bem, não conseguiu vencer nenhuma partida, nem somar pontos. Kagawa e Honda, um em cada lado apoiando para o gol do atacante Okazaki sair, até saiu, mas o árbitro marcou impedimento, seria um belo gol de letra, no meu ver, a posição do atacante era legal.

O México estava preguiçoso, só assistia o Japão jogar, porém assim que o árbitro anulou o gol japonês, o time de José Manuel de la Torre acordou, com destaque para o craque Chicharito. Em cobrança de escanteio cobrada por Guardado, Chicharito se adiantou, tirou do goleiro e abriu o placar, 1 a 0 para os mexicanos. Zaccheroni, no melhor estilo defensivo italiano, colocou Uchida, o lateral do Schalke entrou no lugar do limitado Sakai, daí então, Giovani dos Santos começou a atacar pelo lado esquerdo, por pouco não ampliou aos 15 minutos da etapa final.

Kagawa fez ótima partida. (Marcos Ribolli)
O Japão corria atrás, Kagawa veio buscar o jogo, com os laterais jogando como alas, Honda e Okazaki na frente, o gol não saiu, é impressionante como um time tão bem organizado não conseguiu definir em gol. O banho de água fria veio com mais uma cabeçada de Javier Hernández, em mais um escanteio pela direita, Mier desviou e o matador Chicharito marcou seu terceiro gol na Copa das Confederações, uma pena que o México está fora da fase final.

Os gritos de “olé” tomaram conta do Mineirão, que ainda era ofuscado pelo “tumulto” fora do estádio. A preguiça mexicano voltou à tona e Kagawa se aproveitou disso, o meio-campo do Manchester United tocou para Okazaki, enfim o atacante marcou, 2 a 1 para o México. Nos instantes finais, Chicharito foi derrubado dentro da área por Yoshida, o próprio atacante foi para a cobrança, mas falhou feio e Kawashima espalmou para frente, novamente Chicharito poderia ter feito seu hat-trick, mas chutou no travessão, lance bisonho. O empate teria sido mais justo, mas a vitória mexicana serviu para coroar a geração campeã olímpica, 3 pontos e adeus para os norte-americanos da Copa dos Confederações. O Japão até jogou bem, protagonizou aquele belíssimo jogo contra a Itália, porém o time de Alberto Zacchroni deixa a competição com nenhum ponto e três derrotas, uma péssima campanha.

Destaque: Chicharito.

Ficha técnica:

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Data: 22 de junho de 2013, sábado

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Felix Brych (Alemanha)

Assistentes: Mark Borsch e Stefan Lupp (Alemanha)

Cartões amarelos: Sakai (Japão) e Ochoa (México)

Gols:

MÉXICO: Chicharito Hernández, aos oito e aos 20 minutos do segundo tempo

JAPÃO: Okazaki, aos 40 minutos do segundo tempo

JAPÃO: Kawashima; Sakai (Uchida), Kurihara, Konno e Nagatomo (Nakamura); Hosogai, Endo, Kagawa e Honda; Okazaki e Maeda (Yoshida)
Técnico: Alberto Zaccheroni

MÉXICO: Ochoa; Mier, Reyes, Moreno e Torres; Torrado, Zavala, Giovani dos Santos (Barrera) e Guardado (Salcido); Raul Jiménez (Aquino) e Chicharito Hernández
Técnico: José Manuel de la Torre