sexta-feira, 31 de maio de 2013

Brasil na América: 12° Episódio

Mais uma vez, o Galo ganha a capa do episódio, com todo o mérito, é claro! (Reuters)
Salgueiro vira o jogo e classifica o Olimpia. (Reuters)
Olimpia 2 x 1 Fluminense: Como tradição na competição continental, o Fluminense decepcionou sua torcida mais uma vez, não deu, o time foi do céu ao inferno e acabou eliminado da Taça Libertadores. Logo no início da partida, parecia que o tricolor iria arrasar com os paraguaios, estava jogando bem, um futebol pra frente, indo realmente em busca do resultado.

O 0 a 0 monótono na ida deixou o placar em aberto, mas logo aos 9 minutos de jogo o Fluminense sorriu, a zaga do Olimpia vacilou e a bola sobrou para Rhayner, o jovem meia tocou bonito por cobertura e abriu o placar com uma pintura, tudo estava dando certo para o time do Abel. O primeiro tempo seguiu bem aberto, o Olimpia tendo que correr atrás e um Flu bem mais tranquilo, todavia a tranquilidade virou drama a partir dos 30 minutos da primeira etapa. Os paraguaios tinham uma falta lateral para bater, a estrela do time, Sagueiro foi o encarregado de cobrar, cobrou, mas a bola pegou outro rumo, enganou todos e entrou no gol, foi o empate do Olimpia.

Rhayner faz um golaço, mas o Flu está fora!
(Facebook-Fluminense)
Tomar o gol tudo bem, o Fluzão ainda tinha a vantagem, pois empatava com gols, o problema foi que o gol de empate deixou o time abatido, desnorteado e o Olimpia se aproveitou muito disso. 5 minutos depois, o banho de água fria, Bareiro foi derrubado por Digão, o árbitro indicou penalidade e a chance da virada estava nos pés do craque Salgueiro, resultado: 2 a 1, virada, vantagem paraguaia e fim de primeiro tempo.

O segundo tempo foi resumido em catimba paraguaia, um fato lamentável, jogo feio, mas foi assim que o Olimpia conseguiu vencer a partida e tirar um dos grandes favoritos da competição. O Fluminense, mais uma vez, deu adeus a Taça Libertadores, para a tristeza de Abel Braga e companhia, o time vai ter que ralar se quiser voltar ao torneio no ano que vem.

"Caiu no horto tá morto!" (Band)
Atlético Mineiro 1 x 1 Tijuana: Com um empate conquista na raça e força do elenco, o Atlético Mineiro preparou uma grande festa e programou uma surra no time do Tijuana. A torcida preparou a festa, levou máscaras de pânico, preparou faixas como: “Bem-vindos ao inferno”, “Caiu no horto tá morto”, mas se esqueceram de avisar aos jogadores que haveria show.

Cuca montou muito bem o time, o Galo começou jogando melhor, gingando, tocando bola e deixando os mexicanos atordoados, eles não conseguiam nem passar a bola, jogando a base de chutões. Contudo o Tijuana dava muitos sustos, pois a defesa do Galo estava se expondo muito, os mexicanos assustaram mais ainda quando marcaram o gol, calaram o Independência por segundos, porque árbitro já havia anulado o gol por impedimento.
Mas não teve jeito, o gol anulado tinha sido um aviso, o Tijuana marcou de verdade com Riascos, o atacante pegou bonito de primeira e a bola foi no contrapé do goleiro Victor, 1 a 0 e agora estava valendo, o Independência se calou. A catimba começou, a cada minuto, um mexicano caia no gramado, foi uma das partes mais dramáticas da partida, o drama maior viria no fim da partida. O Atlético queria o empate, mesmo jogando, o time sabia que essa é a oportunidade clara de título.

A pressão estava impossível de segurar, não teve jeito, o Tijuana cedeu aos 40 minutos do primeiro tempo, Ronaldinho cobrou a falta, a bola bateu em Réver e foi lentamente para o gol, 1 a 1 e a classificação voltava aos braços do time mineiro. O segundo tempo foi dramático, o time de Cuca não conseguia matar o jogo, foi Tardelli, Jô, Ronaldinho, Bernard e até Luan, nenhum conseguiu marcar e via cada vez mais o Tijuana chegar com perigo, foi boa no travessão, foram defesas milagrosas de Victor e lances violentos, a partida ganhou ares de novela mexicana.

Nos momentos finais do jogo, veio o ponto crucial, O Tijuana chegou à área com o mexicano Marquez, Leonardo Silva, “xerifão” da zaga atleticana foi inexperiente e acabou acertando o mexicano, ou seja, pênalti para o Tijuana aos 48 minutos do segundo tempo, todo mundo viu a classificação do Galo ir por água abaixo. Riascos pediu a bola, preparou e olhou para Victor, na verdade, todos olhavam para o goleiro, que via tudo, mas tudo mesmo passar por olhos em uma fração de segundos, seria ele o cara que colocaria o Atlético entre os 4 melhores times da América? Seria, com a força de uma Independência lotado e milhões torcendo pela TV, o goleiro esticou o pé esquerdo e salvou o Galo, um barulho ensurdecedor, todos foram as lágrimas, coisa que só acontece no futebol, um momento único, sem palavras para descrever tal momento.

O Atlético conseguiu a classificação de forma suada, e agora é o único representante brasileiro na Taça Libertadores, o time está muito motivado, principalmente depois do jogo de ontem, se antes o time já era favorito, agora a diferença para os demais é ainda maior. O Tijuana deixou a Libertadores muito abatido, mas tem do que se orgulhar, fez uma excelente campanha em sua primeira participação no torneio, sai com o dever de missão cumprida.


Victor faz milagre e coloca o Atlético entre os 4 primeiros. (Reuters)
Pois bem, resta apenas um clube brasileiro, o Atlético vai enfrentar o Newell's Old Boys (Argentina), time que eliminou o Boca Juniors, o Galo tem que se preparar bastante, não será nada fácil, na outra semifinal o Santa Fé (Bolívia) encara o Olimpia (Paraguia). Contudo a Taça Libertadores dá uma pausa de um mês, isso por conta da Copa das Confederações, tempo suficiente para os 4 semifinalistas se prepararem, a Tribuna fica no aguardo para voltar com a nossa série da saga dos clubes brasileiros na Libertadores, ou no caso, do Atlético Mineiro.