sábado, 27 de abril de 2013

UFC 159: O desafiante bom de microfone.


Olá pessoal! Depois de aproximadamente quarenta dias sem postagens relacionadas ao mundo da luta, o UFC 159 chega para prender a nossa atenção mais uma vez. O evento ocorrerá em Nova Jersey, no Prudential Center, casa dos Devils da NHL e do finado New Jersey Nets da NBA. O card tem lutas muito bem casadas, mas muita controvérsia a ser comentada, inclusive, a quinta defesa de cinturão do atual campeão da categoria dos meio-pesados Jon Jones, que será a luta principal da noite com muita intriga entre os fãs do MMA.

Poster oficial. Detalhe para a cara de medo de Sonnen (UFC.com)


Em aproximadamente dois anos, Jon Jones acabou com seu status de grande promessa para uma realidade avassaladora no UFC. Desde que ele venceu Ryan Bader e teve um curto período de tempo, algo como seis semanas, para enfrentar o então campeão da categoria Maurício Shogun, Bones acabou com as especulações e desconfianças para mostrar ao mundo que era o dono da cinta e que daria muito trabalho para qualquer um que fosse querer tomá-la. E Jones não decepcionou, transformou a categoria dos meio-pesados, uma das mais disputadas da história do UFC, em seu reino, derrotando todos aqueles que ousam questionar sua majestade e fazendo seu status crescer cada vez mais, ao ponto de já ser comparado com Anderson Silva e George St-Pierre. A grande diferença é que Bones ainda é muito novo, fará 26 anos em julho e já deu declarações que pretende mudar de categoria em breve, para os pesados, e ai de quem duvida que ele seria um dos favoritos neste peso também.

Exposição não faltou para essa luta (big-forum.net)
Mas mesmo com toda essa varrida que Bones causou nos meio-pesados, ainda existem aqueles lutadores que proporcionariam lutas, no mínimo, interessante contra Jones. Este é o caso do combate contra Dan Henderson que foi cancelado devido à lesão em um dos joelhos de Hendo; de uma possível revanche contra Machida, que dá trabalho a qualquer que o enfrenta; e de lutas inéditas como contra Gustafsson e Daniel Cormier (que afirmou recentemente que pretende descer para os meio-pesados.). Bones ainda tem desafios contra os lutadores do seu peso atual, ele sabe disso e afirmou que vai bater o recorde de seis defesas de Tito Ortiz antes de querer qualquer mudança.

Só que estamos falando do UFC, uma empresa privada, comandada pelas mãos de ferro de Dana White. Dana White quer dinheiro em suas mãos, muito, o máximo que poder e viu mais uma dessas chances aparecerem na luta entre Jones e Sonnen, que já tinha sido motivo de muita fofoca no UFC após a recusa do campeão em enfrentar o “gangster americano”. Ninguém entendeu o que aconteceu na época, mas Chael não deixou isso ficar por baixo e foi aos microfones contar suas histórias de como ele é o máximo e como todos os lutadores o temem. Realmente, se houvesse uma categoria que medisse os lutadores por conseguir espaços através de falas aos microfones, Sonnen reinaria no P4P por uma eternidade. Pois bem, para a infelicidade de Sonnen, Dana White não esqueceu que ele quis em algum momento enfrentar o atual campeão dos meio-pesados do UFC; para a tristeza de Sonnen, a luta foi confirmada e os dois tiveram os maiores espaços na mídia que poderiam ser oferecidos, tendo sido os dois últimos treinadores do TUF americano; e para a dor de Sonnen, a luta vai acontecer hoje em um cenário em que Bones leva vantagem em todos os aspectos, menos falar merda, o que não é critério de desempate entre os juízes. Claro que todos os fãs do MMA questionaram essa decisão e concordaram que era uma luta sem emoção nenhuma, pois Sonnen é indiscutivelmente uma grande wrestler, talvez o melhor da categoria dos médios, mas estará enfrentando o melhor aplicador de golpes de wrestler e judô no UFC, além de ser anos-luz melhor que o gangster na luta em pé. Definitivamente, esta luta não dá espaço para dúvidas, exceto, o quão efetivo o wrestling de Chael Sonnen nesta categoria?

Bisping em mais uma provocação nas pesagens. (Sportv.com)
Deixando de lado um pouco a luta do combate principal, podemos tratar sobre as demais lutas, fazendo ressalva ao barulho que Michael Bisping e Alan Belcher têm feito nesses últimos dias, o que é mais comum quando trata-se de “The Count”. Teremos mais uma presença do carismático Roy Nelson e de só um brasileiro, Vinny Magalhães. No card preliminar, atenção para o russo Rustam Khabilov, que enfrentará Yancy Medeiros na categoria dos leves. A invicta Sara McMann fará sua estreia no UFC contra a alemã Sheila Gaff em mais uma da categoria feminina dos galos, que vem recebendo muitos elogios de todos.

 Agora vamos aos palpites. Na luta passada meu rating foi 4/5. No ano todo, acumulo 11 acertos em 15 palpites.

Pat Healy vs Jim Miller.

Acho que essa luta foi muito bem casada para Miller. Pat Healy é um lutador que gosta muito da luta no chão, assim como Miller, mas em pé, não está o nível do seu adversário. Como foi com Joe Lauzon, esse combate tem tudo para ser muito bem movimentado e acabar com uma finalização. Porém, em todos os quesitos, mesmo com essa sequencia de vitórias em Healy está ostentando, aposto em Miller.

PALPITE: Miller por finalização o segundo roud.

Phil Davis VS Vinny Magalhães.

Aqui teremos mais um duelo clássico de Wrestler contra jiu-jiteiro. Para melhorar ainda mais essa batalha, dois de altíssimo nível. Só que dois pontos pendem para que o americano tenha um pouco mais de favoritismo nessa peleja. O primeiro é que nos últimos anos os wrestlers tem tido vantagem sobre os jiu-jiteiros, indiscutivelmente! O segundo é que o preparo físico de Davis é bem superior ao do brasileiro, que, mesmo vencendo a luta passada, estava demonstrando cansaço momentos antes da finalização. O brasileiro possui uma trocação mais afiada que o americano, mas não é nem de longe uma referência no assunto.

PALPITE: Davis por decisão unânime.

Roy Nelson VS Cheick Kongo
WAR NELSONNN!! (examiner.com)
Essa tem tudo pra ser a luta da noite. Disposição não vai faltar e Nelso já falou que não hesitará em lutar em pé contra o francês. Kongo é um especialista na luta em pé e já proporcionou momentos históricos como na virada contra Pat Barry. Mas, o diferencial está na absorção de golpes. Nelson possui o melhor queixo da categoria dos pesados e um dos melhores do UFC. Para provar isso, ele só perdeu por decisão na atual fraquia. Para piorar ainda mais a situação do francês, o chão do gordinho mais carismático do MMA é bem superior ao do francês.

PALPITE: Nelson por decisão unânime.

Alan Belcher VS Michael Bisping

Eu chamo este combate carinhosamente de “batalha dos operários”. Aqui temos dois lutadores bons, com talento, que poderiam chegar mais longe, mas não conseguem. Tanto Belcher quanto Bisping fazem apresentações brilhantes e em seguida Dana White dá um desafio maior, eles não respondem a expectativa. Sobre a luta, teremos um duelo bem movimentado em todos os pontos de luta e acho que Bisping é mais completo que Belcher. Só que, como falei, são lutadores parecidos e esta, para mim, é a luta mais sem favorito do card principal:

PALPITE: Bisping por decisão unânime.

Jon Jones VS Chael Sonnen

Essa luta será uma surra! Um massacre! Um estupro! Não existe um quesito em que Chael Sonnen seja ligeiramente superior a Jon Jones. Aliás, tem um, falar merda. Sonnen talvez fosse o melhor wrestler da categoria dos médios, mas ele está enfrentando o cara que melhor aplica quedas e tritura seus adversários em suas posições dominantes. Para piorar a situação de Sonnen, ele gosta de ser finalizado e Bones vem fazendo isso muito bem. Sinceramente, não vejo meios legais e possíveis que fariam o braço do gangster ser erguido. A única dúvida que ainda me resta aqui é saber o quanto Sonnen apanhará antes de perder.

PALPITE: Jones por nocaute no terceiro roud.