segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

500 dias para a CBF se encher... de dinheiro


Estamos a 500 dias para o maior evento de futebol do planeta, a tão esperada Copa de 2014 no Brasil. Contudo, deixemos de lado os esquemas corruptos, as politicagens e o atraso para com os estádios, vamos levar para as 4 linhas, o verdadeiro atraso, que é na formação de um time para disputar a competição.
Um futuro preocupante para a nossa seleção. (Diário de Pernambuco)
Após a eliminação para a Holanda na Copa da África, a CBF manteve seu mesmo método falho de trabalho, demitiu o Dunga e trouxe outro gaúcho para o seu lugar, claro que mais experiente, afinal de contas, Mano Menezes foi muito bem sucedido pelos times que treinou, todavia, a aposta assertiva da CBF não vingou, Mano iniciou seus trabalhos num amistoso contra os Estados Unidos, foi realmente uma partida de se encher os olhos e esperar por dias melhores, pois é, eu espero esses “dias melhores” até hoje.
Passou o tempo e o técnico não conseguiu formar um boa base para disputar qualquer competição, é só lembrar da Copa América na Argentina em 2011, o Brasil só conseguiu vencer um jogo em toda a competição e foi eliminado no primeiro jogo da segunda fase, perdendo somente todos os pênaltis no duelo contra o Paraguai.
Após roubar medalha, Marin foi promovido
a presidente da CBF. (Bandeirantes)
O mais próximo de seleção encontramos quando Ney Franco treinava o time sub 20, o mineiro fez tudo certinho quando treinou a base, foi a primeira vez em que a CBF pareceu mostrar competência, o Brasil conquistou o sul-americano e garantiu sua vaga nas olimpíadas de Londres. O trabalho de Ney foi tão bom que em 2011 a seleção fez uma Copa do Mundo sub 20 sensacional, enquanto Neymar e companhia penava na Copa América, Oscar, Danilo, Casemiro, Phillipe Coutinho Henrique entre outros, deram suor e sangue até levar a seleção ao título, o que mais poderia esperar dessa grande base?
Em 2012 o grande erro de Mano Menezes, já pressionado com o péssimo futebol e com a eliminação precoce na Copa América, Mano não permitiu que Ney Franco treinasse a equipe em Londres e deixou o treinador mofando numa base que futuramente seria deixada de lado pela “grande” entidade de futebol brasileiro. Mano Menezes convocou a seleção de jovens para as olimpíadas e levou Thiago Silva, Marcelo e Hulk na bagagem, o resultado todos nós lembramos muito bem, uma derrota melancólica na final contra o México, com direito a falha bizarra de Sandro e Rafael, o sonho do inédito ouro olímpico ficou para 2016. Foi a gota d’água, a CBF, mesmo pressionada topou manter Mano que mais tarde, convocaria Kaká para ser o bombeiro dessa geração. Esquecido, Ney Franco deixou a base da CBF e acertou com o São Paulo, que sinceramente foi a melhor coisa que o treinador fez, conquistando o inédito título da Copa Sul-americana pelo tricolor. Se com o São Paulo, time que vinha de diversas crises Ney conseguiu colocar o time no eixo, por que na seleção ele não conseguiria o ouro? Dúvida que nunca iremos tirar.
É assim que a CBF ver o 
distintivo da seleção (Noleto)
Com Kaká na seleção, Mano viveu um bom momento, o eterno craque do Milan, Kaká vive maus bocados no Real Madrid, sempre freqüentando o banco de reservas e sempre será ofuscado por Cristiano Ronaldo. Entretanto, na seleção o brasileiro foi muito bem, conseguindo marcar gols. Mas é claro, a seleção só enfrentava adversários pequenos e muito limitados. No início da Era Mano, a seleção enfrentou nações como Alemanha, França, Argentina e obteve resultados não satisfatórios, desde então, a seleção só enfrentou seleções fraquíssimas, para assim, tentar iludir o povo, óbviamente não deu certo.
No seu “melhor” momento, Mano conseguiu um título bem meia boca, a Copa Roca, competição disputada entre Brasil e Argentina, mas só com  jogadores locais, a seleção só conseguiu vencer nos pênaltis a fraca seleção argentina. Não deu para ele, assim que o jogo acabou, Mano Menezes foi informado pelo chefe da quadrilha, ops, pelo presidente da CBF José Maria Marin que deixaria o comando da seleção. A seleção só atrapalhou a boa carreira do técnico que está parada até hoje.
Marin precisava anunciar um técnico as pressas, pois estava muito próximo da apresentação do logo e da bola da Copa das Confederações, por isso, a CBF recorreu a velhos heróis de guerra, nada mais nada menos que o técnico do tetra Carlos Alberto Parreira e o herói do penta Luiz Felipe Scolari, o primeiro, virou coordenador técnico, o segundo, foi o escolhido como técnico.
Mais uma vez, Felipão chega como bombeiro, porém, o técnico parece que não evoluiu, após o penta, Scolari teve uma boa carreira na seleção portuguesa, mas falhou no principal momento, a UEFA Euro 2004, realizada em Portugal. Em casa, os nossos patrícios deram um vexame sem tamanho, perderam na final contra a Grécia, seleção que não tinha nenhuma história no futebol, isso nos deixa com um grande receio para a Copa do Brasil. Após o penta, Felipão só conquistou um título, a Copa do Brasil 2011 pelo Palmeiras, espero que o próximo título dele seja a Copa do Brasil, mas a Copa do Mundo do Brasil.
Revivendo o passado, sonhamos com dias melhores para o nosso país. (CBF)
Como diz o Capitão Nascimento na cena final de Tropa de Elite 2, quem você acha que sustenta todo esse esquema? A CBF não está nem aí para o futebol da seleção, futebol esse que mexe com o sentimento de todos os cidadãos e que une as pessoas, a CBF precisa do futebol para usufruir e por isso sempre apela para heróis do passado. Sinceramente, pode até dar certo a reconciliação de Felipão com a seleção, mas será muito difícil preparar um time faltando 500 dias para o mundial.