terça-feira, 30 de outubro de 2012

NBA 12-12+1: Alguém superará o calor de Miami?


Boa noite caros leitores, hoje, um dos campeonatos mais divertido e disputado do mundo dará o seu pontapé inicial, ou melhor, sua tapinha. A NBA está de volta sem nenhuma greve para atrapalhar sua programação. Todas as franquias tiveram seu tempo para avaliar os calouros, assinar contratos com os escolhidos no draft, jogaram as ligas de verão, fizeram sua pré-temporada e a partir desta semana, estarão entrando das quatro linhas para oficializar o começo da temporada regular. A NBA tem 30 equipes, divididas em duas conferências (leste e oeste), contendo três divisões com cinco equipes em cada uma delas. No final da temporada regular, todos os times jogaram 82 partidas, avançando oito de cada conferência para a pós-temporada.
Será que veremos esta cena de novo? (Hollywoodreporter.com)

A partir de hoje, vamos ver se as previsões sobre os times que serão candidatos ao título vão se confirmar. Os principais candidatos são os mesmos do ano passado, exceto com a inclusão do Brooklyn Nets, time que jogava em New Jersey e se reforçou bem durante a negociação dos contratos dos agentes livres. Além desta equipe, no leste temos como destaque o Miami Heat, atual campeão, Boston Celtics, Chicago Bulls e Indiana Pacers. New York Knicks e Philadelphia 76ers reforçaram bem na última janela de transferências e também apresentam boas chances de surpreenderem a todos. No leste, Orlando Magic e Charlotte Bobcats são os meus candidatos a saco de pancadas.

Thunder ainda é o favorito no oeste. (NBA.com)
Do outro lado da América do Norte os candidatos parecem não ter nenhuma mudança. Mas, se antes o Thunder despontava como o grande favorito, um time amarelo resolveu se reforçar e causar um certo incomodo a garotada de Oklahoma. O Lakers foi, na minha opinião, o time que conseguiu trazer fazer as melhores contratações da temporada (Isso será melhor discutido em breve), adicionando Steve Nash e Dwight Howard em um time já bastante forte. Além destes dois, San Antonio Spurs, Los Angeles Clippers e Denver Nuggets devem brigar pelos primeiros postos nos off's. Caso as lesões não tragam muitos problemas, Minnesota Timberwolves e Memphis Grizzlies também devem causar um impacto.

Agora vou tentar analisar cada divisão, para garantir que todos os times serão mencionados.

Os mitos devem ser lembrados! Você fará falta. (google.com)
Atlântico: Sem dúvida a divisão mais competitiva do leste. A única certeza é que os Raptors vão amargar mais uma lanterna, mesmo Bargnani voltando a atuar na sua posição de origem e DeRozan continuar seu processo evolutivo, o time canadense está longe de se equiparar ao nível dos seus concorrentes. Hoje, o time mais forte é o Celtics, mas eu não o considero muito mais competitivo que o Sixers, por exemplo. O Celtics perdeu Ray Allen, mas trouxe Jason Terry para repor o posto. Além disso, conseguiu manter o pivô Brandon Bass, que deve pontuar mais nesta temporada. O grande problema ainda é o substituto de Rondo, que este ano deve ser Leandrinho (que formará a dupla brazuca com Fab Melo). Caso Leandrinho deverá ter alguns minutos na posição dois também.Os Nets conseguiram movimentações que causaram bastante impacto para esta temporada, além da manutenção de Deron Williams e Gerald Wallace, a franquia nova iorquina buscou Joe Johnson e C.J. Watson, para melhorar a defesa no garrafão, Reggie Evans fará parte da rotação . Os Knicks foram bastantes agressivos no período de transações, agora sabemos que a posição de PG na franquia de NY tem dono, chama-se Raymond Felton. Além dele, os Knicks trouxeram Jason Kidd, Pablo Prigioni, Kurt Thomas, Rasheed Wallace e Marcus Camby (um dos pivôs mais subestimados na história da liga), eles juntam forças a Carmelo Anthony e Amar'e Stoudemire. A grande incógnita é saber se Mike Woodson controlará bem os ânimos desta equipe. Por fim, o Sixers, que surpreenderam a todos temporada passada. O time ganhou o reforço de Andrew Bynum, um dos melhores pivôs da liga, além de Jason Richardson, que procura ter um rendimento melhor do que o do ano passado. Evan Turner pode finalmente despontar dentro desse time.

Central: Como será o Bulls sem Rose? Essa pergunta é crucial para o previsto desta divisão. Levando em consideração que Bulls e Pacers estão anos luzes a frente dos concorrentes, Rose é o dínamo da equipe de Chicago, que é muito dependente a agressividade do armador. O substituto escolhido é Kirk Hinrich, conhecidíssimo em Chicago, mas com um estilo de jogo totalmente diferente. Para completar a rotação, trouxeram o também veterano Nate Robinson. A defesa dos Bulls é a melhor da NBA, porém, como ficará o ataque?. Mediante esta outra dúvida, eu cravo o Pacers como líder da divisão. O time será o mesmo do ano passado, mas o grande trunfo está na imaginável evolução constante dos atuais jogadores e ainda num melhor ano de Danny Granger. Os outros três times da divisão estão em maus lençóis. Os Pistons possuem um bom garrafão, mas ficarão ainda mais fracos no perímetro sem Gordon. Os Cavs devem ter uma melhor temporada de Irving e Varejão, mas isso ainda é pouco para imaginar um grande avanço. E por fim, os Bucks possuem uma das melhores duplas de armadores da liga (Jennings e Ellis) mas não tem um garrafão que faça sombra a esses dois brilhantes jogadores.
A verdadeira beleza da NBA (Mavericks.com)

Sudeste: O Sudeste ficará bem mais enfraquecido este ano. O Atlanta Hawks perdeu seu principal pontuador em uma troca com escolhas do draft e jogadores de função específica. Mesmo assim, eles conseguiram trazer Lou Williams e Devin Harris, que terão de ajudar muito para levar os falcões à pós-temporada. Kyle Korver e DeShawn Stevenson devem ajudar nas bolas longas. Já o Orlando Magic resolveu reconstruir tudo de novo, a grande (principalmente na sua circunferência abdominal) estrela do time responde por Glen Davis. Jameer Nelson, Arron Affalo e J.J. Redick devem ser os que vão dividir essa responsabilidade com Davis, além do decadente Hedo Turkoglu, mas é muito pouco para quem disputou uma final há apenas quatro temporadas. Washington Wizard deve ser o time que pode trazer alguma surpresa para a divisão, mas John Wall terá de fazer uma temporada no mínimo igual a sua primeira, não a última. Trevor Ariza e Emeka Okafor vieram para dar mais força defensiva à equipe, que já conta com Nenê. Bradley Beal também pode acabar nos surpreendendo. Já os Bobcats devem continuar sendo o saco de pancadas oficial da liga. Por fim, o Miami, que ficou ainda mais forte com as aquisições de Lewis e Allen, trazendo uma melhor rotatividade para aquilo que vinha sendo uma das grandes críticas de Miami. Entretanto, o garrafão continuará sendo o calcanhar de Aquiles, apostando mais uma vez em Chris Bosh como o número 5 do time. 

Noroeste: A divisão já passou por várias dinastias desde que eu acompanho o esporte. Eu vi um pouco da dupla Malone e Stockton que dominou a divisão nos anos 90. Presenciei aquele Trail Blazers fantástico de Sabonis, Wallace e Pippen. Vi Garnett causar um alvoroço junto com Sam Cassell e Lattrel Sprewell. Assisti Anthony fazer o Denver deixar de ser piada e quase levar a franquia à final da NBA. E agora, admiro a juventude de Oklahoma que não para de evoluir cada ano que passa. O Thunder começará esse ano com uma grande baixa. No apagar das luzes, James Harden foi trocado para o Rockets por conta de uma possível extensão que o time de OK City não estaria apto a pagar. Entretanto, Kevin Martin veio para ocupar este lugar e melhorar o tiro de longa distância do time, alvo de bastantes críticas. Os Nuggets também conseguiram uma boa troca, Andre Igoudala chega para dividir as atenções com Gallinari, além do time do Colorado contar com a excelente dupla Lawson e Miller na armação. No garrafão, a tendência é que McGee continue esbanjando capacidade atlética e seja mais inteligente (até porque é impossível ele ser mais burro).  O Timberwolves pode ser uma grande supresa esta temporada, além de já contar com o monstro dos fantasies Kevin Love e o prodígio Rubio na armação, o time de Minnesota trouxe Brandon Roy de volta após breve aposentadoria e Andrei Kirilenko após uma temporada na Rússia, fazendo com que os Wolves tenham boas chances se a enfermaria não ficar lotada. O Utah Jazz também conseguiu manter as principais peças do jogo ofensivo, tendo o garrafão composto por Al Jefferson e Paul Millsap. Mo Williams será o principal nome do perímetro que também contará com uma boa rotação de jovens promessas. Por fim, os Blazzers serão meros coadjuvantes, já que o time está em processo de reconstrução.
A nova turma de Kobe (twitter.com)
Pacífico: Los Angeles estará em festa mais uma vez esse ano. Se ano passado os times já eram fortes, esse ano eles melhoraram ainda mais. Porém, uma coisa não mudará, os Lakers continuarão sendo os mandantes do jogo. O time amarelo conseguiu trazer dois grandes reforços para completar um time já ótimo, Steve Nash e Dwight Howard farão parte do quinteto inicial que já tem Ron Artest (Eu me recuso chamar esse idiota de “paz”), Pau Gasol e Kobe Bryant. Steve Blake, Chris Duhon e Antawn Jamison serão peças importantes na rotação dos Lakers. Já o Clippers trouxe uma quantidade maior de jogadores para dividir a responsabilidade com Chris Paul e Blake Griffin, o problema é que todos eles vêm de péssimas temporadas. Lamar Odom não conseguiu encaixar seu jogo em Dallas e foi dispensado durante a temporada regular, Grant Hill já entrou na casa dos 40 anos e teve as piores médias no ano passado, e Jamal Crawford, bem, esse ainda é muito agressivo e será importante para colocar fogo no jogo, mas dependendo do quinteto, pode deixar o time bem baixo. Correndo por fora vêm o Phoenix Suns, que passou por uma grande reformulação no seu elenco, perdendo praticamente toda sua força no perímetro e focando suas habilidades no garrafão. Luis Scola e Michael Beasley (que deve estar participando desta turnê do Planet Hemp) são alguns dos reforços, que também conta com a volta de Goran Dragic com a difícil missão de substituir Nash. O Golden State no papel é um excelente time, mas como alguém enterrou algum gambá no Oracle Arena, nunca apostamos nele por conta das eternas lesões. Os warriors tem bons jogadores em todas as posições, como Andrew Bogut, David Lee, Stephen Curry, Klay Thompson e Richard Jefferson. Mas, o Golden State é muito melhor no vídeo game, pois você consegue juntar todos esses jogadores. Caso estejam saudáveis, a equipe californiana brigará por uma vaga na pós-temporada. Por último, o Sacramento Kings que será mais uma vez o saco de pancadas da divisão, brigando para ter um dos piores recordes da liga.
Esse é o meu time e eu acho justo fazer uma homenagem. GO MAVS!! (espn.com)
Sudoeste: Se os times do Texas sempre foram os donos dessa divisão, parece que um time de Memphis está trabalhando para acabar com isso, mas não será nessa temporada. O San Antonio Spurs deverá ser o primeiro lugar mais uma vez, com a mesma base desde a época em que Manu Ginobili ainda tinha cabelo, com Tony Parker usando sua agilidade e habilidade, Gino com sua frieza e precisão ímpar e Duncan sendo Duncan. Apesar da idade, o time ainda não demonstra sinais de decadência, mas as últimas aparições nos off’s deixam o torcedor um pouco desconfiado. Na minha opinião, hoje o time que ocupa o posto de grande adversário dos Spurs são os Grizzlers. O trio Gay-Randolph-Gasol vem causando estrago na NBA e mostra que está evoluindo a cada ano. Apesar da saída de Mayo, o jovem Mike Conley demonstra que pode ser um grande armador e dar conta do recado. O Dallas é que, mais uma vez, sofreu grandes mudanças no elenco. Os reforços são bons e se mantiverem inteiros, trarão bons frutos para o time azul do Texas. Mas, um dos símbolos do time não está mais lá, Jason Terry foi para o outro lado do país e deixou a vaga de sexto homem em branco, o que deve ser preenchida por Vince Carter. O Garrafão, alvo de grandes críticas ano passado, terá o reforço de Chris Kaman, outro excelente jogador que parece ser melhor para o vídeo game. Já os Rockets desmontou tudo que tinha e trouxe um time todo novo, a grande esperança para o time dos foguetes é que o planejamento parece coerente, já possuindo seus dois jogadores referência, James Harden e Jeremy Lin. Os Hornets também estão ainda evoluindo, tendo como principal peça o calouro Anthony Davis, mas, não vai causar muito impacto.

Bem, esse é um resumo do que acho que vai acontecer. Agora, nos resta assistir as partidas e torcer!