quarta-feira, 13 de junho de 2012

Brasil x Costa Rica: A Grande Família (Scolari)


Lúcio - Titular em todos os jogos,
faria história pela seleção. (sporting heroes)
Classificada e com moral. Assim a seleção brasileira chegava para a terceira rodada da Copa do Mundo de 2002, em Suwon, na Coréia do Sul. O time amarelo, agora já considerado poderoso, tentaria confirmar a primeira colocação do Grupo C, contra a frágil, porém veloz seleção da Costa Rica. Nas próximas linhas, a Tribuna do Cisco dedica seu espaço a este grande jogo, ocorrido 10 anos atrás.

Defendendo a cartilha de que cada jogador fazia parte de uma família e tinha um papel importante na Seleção, o treinador Luiz Felipe Scolari se aproveitou da oportunidade para confirmar sua filosofia. Felipão escalou um Brasil mais que misto, com uma grande quantidade de reservas, buscando demonstrar a capacidade do banco brasileiro. A Costa Rica não tinha muito a oferecer, mas havia se classificado com relativa facilidade nas eliminatórias e ainda tinha chances de classificação, após um empate e uma vitória. O time apostava as suas fichas no ligeirinho Paulo Wanchope (o jogador com mais gols marcados na história da Seleção da Costa Rica, com 45 gols em 73 jogos internacionais).

Edmilson - Golaço para selar a titularidade (globoesporte.com)
Wanchope e Gomez marcariam para a Costa Rica, transformando a goleada em um placar apertado, na metade do segundo tempo. Mas, rapidamente, Rivaldo e Júnior, tratariam de liquidar a pelada. O Brasil confirmaria o primeiro lugar na competição, a Costa Rica do treinador brasileiro Alexandre Guimarães daria adeus ao torneio na 19ª colocação, um bom resultado para as pretensões do time.


Ronaldo - O artilheiro deixou sua
 marca em quase todas as partidas (rediff)
O que se viu, por parte do Brasil, foi uma seleção entrosada, capaz de realizar grandes feitos, mesmo se tivesse o seu elenco exigido, pois o banco de reservas era bom o suficiente e daria conta do recado. Grandes jogadores faziam parte daquele time e estarão na história do futebol brasileiro para sempre. Como Juninho, Kaká e Ricardinho, em proporções diferentes, claro. A goleada presenteou a todos que, como eu, acordaram em plena madrugada para assistir à peleja. Dez anos se passaram, e outra seleção ainda não nos empolgou como a desacreditada Família Scolari, talvez falte confiança nos jogadores, daquela confiança que só temos entre membros de uma grande família.

Costa Rica (3-5-2): 1-Erick Lonnis; 5-Gilberto Martinez(12-Winston Parks), 4-Mauricio Wright, 3-Luis Marin; 15-Harold Wallace(16-Steven Bryce), 8-Mauricio Solis(7-Rolando Fonseca), 6-Wilmer Lopez, 22-Carlos Castro, 10-Walter Centeno; 9-Paulo Wanchope e 11-Ronald Gomez. Técnico: Alexandre Guimarães

Marcão - O goleiro foi eficaz em todos os jogos (veja.com)
Brasil (3-5-2): 1-Marcos; 3-Lúcio, 14-Anderson Polga, 5-Edmilson; 2-Cafu, 8-Gilberto Silva, 16-Júnior, 19-Juninho(7-Ricardinho), 10-Rivaldo(23-Kaká); 9-Ronaldo, 20-Edílson(15-Kléberson). Técnico: Luiz Felipe Scolari