domingo, 4 de março de 2012

Stamford Bridge: O Big Brother Inglês

Salve, Salve! Hoje foi dia de mais uma eliminação no Big Brother que ocorre na mansão de Stamford Bridge. No paredão, estava o agora ex-técnico André Villas-Boas, e Didier Drogba, que foi o meu escolhido para representar os jogadores do Chelsea. Resultado, como já antecipado aqui anteriormente, mais um técnico é demitido do Chelsea nos últimos seis anos. Isso é o indício de algo que todos já imaginávamos para os blues nesse ano, a comprovação que a temporada chegou ao fim.

"Não deu." Kiko falando sobre a passagem de Villas-Boas pelo Chelsea. (Fonte: Chelseabr.com)
Villas-Boas, um jovem técnico, vindo com as melhores credenciais possíveis depois de tornar o Porto uma hegemonia no campeonato nacional, finalizando sua passagem com a conquista da Liga Europa. Like a boss, chegou com status de estudioso do futebol, com esperança de fazer o Chelsea ser campeão da Liga dos Campeões, como todos os outros treinadores que passaram e fracassaram. Além disso, de imediato, começaram as comparações com José Mourinho, compatriota de Villas-Boas e que fez o mesmo percurso antes de pousar em Londres (Foi treinador do Porto e campeão da Liga dos Campeões, antes de assinar com o Chelsea).

Mourinho foi o treinador que marcou o Chelsea por todos esses anos. Apesar de em muitos momentos os gênios fortes de Abramovich e Mourinho terem colidido frontalmente, o que, em algum momento, resultou na demissão do treinador português. Porém, seu time é o referencial de comparação por todos aqueles que passaram por Stamford Bridge, principalmente aquela defesa que tomou apenas 15 gols em todo o campeonato inglês.

"É nois que manda nessa bluesgaça" Drogba em
conversa direta com Abramovich.(stummag.com)


Depois disso, foi inaugurado o Big Brother em Stamford Bridge! Avram Grant foi o responsável por substituir Mourinho. Com um time bem defensivo, atuando com um contra-ataque muito prestativo, conseguiu manter o Chelsea competitivo e forte em busca do tão sonhado título de campeão da Europa. Mesmo sabendo que não continuaria como treinador do clube londrino, Grant manteve o padrão de jogo que implementou desde a saída de Mourinho. Mas, a derrota veio numa disputa de pênaltis contra o Manchester United.


Após a saída de Avram Grant, Luiz Felipe Scolari foi contratado como novo treinador do Chelsea. Big Phil, como foi apelidado pela imprensa inglesa, chegou com um nível expectativa semelhante ao de Villas-Boas. Campeão mundial com a seleção brasileira e boas campanhas com a seleção portuguesa fizeram os torcedores gerarem uma expectativa alta sobre o trabalho do treinador brasileiro. Todavia, Felipão não conseguiu colocar seu trabalho em prática por duas razões. A primeira, a falta de reforços, pois o clube inglês não contratou absolutamente ninguém para reforçar o elenco, diferentemente de suas ações quando Mourinho chegou à Londres, trazendo junto com ele oito reforços. A segunda foi o péssimo relacionamento com os jogadores mais badalados do Chelsea, como o atacante Didier Drogba, que foi acusado de ser um dos líderes do movimento para derrubar Felipão. A demissão ocorreu ainda durante a temporada regular, com o Chelsea sete pontos atrás do Manchester United e classificado para o mata-mata da Liga dos Campeões.


Guus Hiddink foi o contratado para completar a temporada pelos Blues. O treinador se dividia entre treinador do Chelsea e da seleção russa de futebol. Não pode fazer muita coisa diferente de seu antecessor, pois teve de trabalhar com as mesmas peças em um espaço ainda mais curto de tempo. O fato mais marcante de sua passagem não foi nem realizado por um jogador do Chelsea, e sim, por um adversário. O gol de Andrés Iniesta, marcado nos acréscimos de um jogo eletrizante, resultou na eliminação do Chelsea em mais uma Liga dos Campeões da Europa.

Em seguida, Carlo Ancelotti assumiu o cargo de treinador do time, após passar oito temporadas no Milan. Na bagagem, duas Ligas dos Campeões e alguns títulos nacionais. O que mais poderia credenciar um treinador do que um currículo como o de Ancelotti? A primeira temporada foi boa, com a conquista de mais um título nacional e a copa da Inglaterra. Entretanto, Ancelotti, no seu segundo ano, não conseguiu manter a mesma calmaria no vestiário dos Blues. Além dos problemas pessoais que retornaram, contratações fracassadas (leia-se Fernando Torres) fizeram a credibilidade de Ancelotti cair gradativamente, culminando em sua demissão após o final da temporada de 2011.
O British Big Brother não pára de eliminar! (Edição própria)


Villas-Boas não teve um caminho diferente. A tentativa de uma nova filosofia foi fracassada pelo mesmo motivo que levou os treinadores anteriores fracassarem. O elenco do Chelsea, recheado de estrelas mimadas, aproveita o temperamento mais que explosivo do seu dono para continuar mandando e desmandando dentro do vestiário. As mudanças táticas de Villas-Boas, colocando medalhões como Lampard, Essien e Drogba no banco, estavam sendo seu “All-in” dentro do Chelsea. Porém, a jogada deu errado e hoje ele amanheceu desempregado.

Mas, agora fica a pergunta, será que o problema do Chelsea é treinador? O magnata russo Roman Abramovich já mostrou que não mede esforços para ver o seu time vencedor, mas agora ele vai precisar tomar uma decisão muito mais delicada do que demitir técnicos e contratar jogadores, pois está claro que os problemas do Chelsea, desde a época de Felipão, estão muito além das quatro linhas, passando pelos vestiários e terminando na sala do dono do clube. Os jogadores hoje detêm o comando do futebol do Chelsea. Mas, eles não são aqueles mesmos de quatro temporadas atrás. Então, continua o questionamento: Quem será o próximo eliminado?