terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Por que Deivid?


Deivid de Souza foi um craque. Acredito que ninguém pode discutir a capacidade do atleta, que despontou ainda aos vinte e dois anos de idade, no Corinthians, no ano de 2002, quando foi artilheiro da Copa de Brasil, com 13 gols.  Em 2003, Deivid foi um dos grandes destaques do super-Cruzeiro, certamente um dos melhores times que o torcedor brasileiro pôde ver em atividade – campeão do Brasileirão daquele ano com rodadas de antecedência. Em seguida, Deivid atuou no Bordeaux, Santos, Sporting de Lisboa e Fenerbahçe da Turquia. O jogador sempre se destacou pela sua incrível capacidade de se posicionar, seu aproveitamento, sua raça, trocando em miúdos, o poder de marcar gols.

Golaço de Deivid pelo Fenerbahçe contra o Chelsea

O passo seguinte na carreira do, já experiente, Deivid foi a sua transferência para o Flamengo. Parecia o movimento certo para a conclusão de uma bela carreira, um atacante desejado por muitos clubes, fechava com um dos times de maior torcida do país. Mas algo não correu bem. Tão indiscutível quanto a anterior capacidade do atacante, é o estigma que o vem perseguindo desde que vestiu a camisa rubro-negra. Confesso que são dele alguns dos gols mais perdidos que eu já vi na vida. Sou um gordo peludo de quase noventa quilos, mas eu faria alguns deles, garanto. A gigantesca torcida do Flamengo exige, Deivid não! Pois bem, eu posso dizê-los, meus pequenos amigos, Deivid sim! E porque? Vos digo em breve, caros leitores.


Meu-santo-Deus. (Créditos do vídeo: Site Bola nas Costas)



E já que torcida deveria ser o tema deste artigo, toquemos nela. A torcida do Flamengo é uma entidade, é uma instituição maior do que o próprio clube, é um patrimônio do Rio de Janeiro e do Brasil, com 32 milhões de células pequeninas, cada uma com suas próprias opiniões e preferências, mas uma delas sempre foi marca registrada: para o torcedor do Flamengo, o jogador do seu time tem que demonstrar garra, raça, vontade de trabalhar pelo clube e suar a camisa rubro-negra. E aí está a sua resposta, leitor amado. No atual elenco flamenguista, nem o super Leonardo Moura tem mais raça do que o atacante, ninguém tem, simplesmente porque Deivid tem jogado sem receber grande parte do seu salário, referente aos direitos de imagem.


O atacante num, digamos, raro momento de glória pelo clube.
No atual futebol, nebuloso e obscuro, por tantas vezes mercenário e sem brilho, um jogador que tem vontade de demonstrar o seu futebol, e exibir um bom futebol em resposta aos destrates que sofre por parte de uma diretoria política e cruel, deveria ser mais valorizado do que certos grandes astros do futebol mundial, que negligencia o trabalho e vive de glórias passadas, se aproveitando da imagem do clube. Além disso, "Certo Grande Astro" representa uma gigantesca despesa ao clube, e não há retorno, nem em marketing, nem no campo.

Deivid já teve belos jogos e marcou gols importantes pelo Flamengo, mas, obviamente, seus louros não são lembrados por ninguém, quando a chance de ridicularizar alguém está à mãos. Claro, nada disso justifica as péssimas atuações do atacante, mas votos de confiança em momentos de falha, são mais inteligentes do que substituir o atleta, para ser agraciado com vaias da sua torcida e aplausos do adversário. Espero que a torcida do Flamengo não seja amadora e má como sua diretoria e treinador. Deivid sim!